15.6.13

Um bandalho chamado Nuno Enver Ohxha Crato




Imagem do Kaos

A Albânia é um pequeno país dos Balcãs, essencialmente montanhoso, com uma história conturbada, que poderíamos fazer recuar até onde quiséssemos, mas eu vou fazer situar na fase que me convém, a da "Viúva Alegre", de Franz Léhar, que se passa lá mais ou menos dentro e ao lado, com protagonistas que não se distinguem muito, a não ser nos pelos da barba.

Tirando as praias, que começam agora a ser exploradas, e as montanhas, onde se criavam águias, para fazer almôndegas contaminadas do Lidl, a Albânia especializou-se em ditaduras, a começar pela ditadura de papelão, de Mussolini, que, à falta de poder construir um império, como o cabrão do Hitler, anexava quintais, e berlusconizava-os, avant la lettre: os miseráveis exemplos da Líbia, da deposição do Negus, da Abissínia, e a viagenzinha adriática à costa albanesa, para ir fazer a saudação fascista, aos abutres e falcões, que pairavam, lá no alto, e não perceberam nada do que estava a suceder.

Os cadáveres de Yalta, ao contrário da Grécia, que esteve para cair nas mãos do demente Estaline, facto a que se opôs Churchill, premonitório, que a estava a reservar para a Alemanha de Leste, da Porteira Merkel, de hoje, entregaram a Albânia à esponja vermelhusca da Cortina de Ferro.

Depois de séculos de horror, ali sucedidos, era só mais um, e veio, para ficar.

Em 1944, já uma águia de asas serradas rasava o solo, um tal de Enver Ohxha, coisa que parece uma marca de esponjas metálicas para arruinar frigideiras, mas não era: era uma espécie de Grande Timnoeiro, um Cavaco das serras, que durou mais de 40 anos, o que o tornou no Maior Albanês de Sempre, e que a primeira coisa que fez foi condenar à morte todos os milhares que se lhe opunham, coisa tradicional na área, já que vinha das crueldades balacânicas e otomânicas, desde a pré história, o período mais glorioso da área, retomado em força, como revivalismo de atraso, mal a Guerra terminou.

O Enver Oxhxa era um gajo porreiro, tipo Mobutu, Pinochet, ou Amadinejadh.

Se o Drácula mandava empalar os inimigos com um pau espetado pelo cu acima, o que devia ser chato, porque foi o único que conseguiu correr com um dos mais célebres bissexuais da História, Mehemet II, o Grande, que, apesar de ter cu, e gostar da fruta, achava que certos extremos não eram convenientes, mas... acho que já me perdi, ah, sim, estava a elogiar Enver Oxhxa, um gajo de vistas largas, comos os burros, quando havia burros, e palas, para lhes porem nos olhos, para só verem o caminho da Grande Marcha.

Como não lhe chegasse o Estalinismo, mal esse gajo -- um dos maiores criminosos da História -- fechou ou olhos, e foi arder para o Inferno -- dizem que foi ele o porteiro de Saramago, tal como S. Pedro fez questão de abrir, pessoalmente, a porta à Lúcia, que tinha visto a Senhora... -- a Albânia sentiu-se órfã, e resolveu dar um salto em frente, adotando os modos e costumes do cacique do Império do Meio, o Camarada Mao Tse Tung. Premonitoriamente, parece que o enclave albanês foi comprado com largos milhões, tal como a EDP e aquelas coisas patrimoniais que o Segundo Cavaquismo, e os seus traidores da Pátria, Mexia, Granadeiro e Catroga, entregou aos Orientais.

Desse ponto de vista, a Albânia era, realmente, um estado de vanguarda. Consta que nela, tal como com Lavoisier, nada se criava, nada se perdia, tudo se transformava, a começar pelas solas dos sapatos, que, quando já estavam demasiado gastas para proteger os pés, serviam de alimento, na frigideira, ou de fricassé, para ortodoxos os seguidores do Livrinho Vermelho.

Ao contrário dos ayatollahs, que mandam cortar mãos, braços e outras coisas, Enver Ohxha era mais radical, e mandava cortar o mal pela raiz, eliminando o corpo todo. Tirana, uma cidadezinha proviciana, foi completamente demolida, e substituída por blocos de habitação do tipo de Chernobyl, depois da explosão da central nuclear.

Esta merda durou décadas, e, tal como na Coreia do Norte, como vivia completamente isolada do exterior, com a sua miséria exclusivamente financiada pela China do assassino Mao Tse Tung, e com um rendimento per capita estável, já que a pobreza aumentava, mas os executados do regime eram em cada vez maior número, a coisa dava ela por ela, e ninguém sabia o que se passava no exterior, já que não havia exterior, só o paraíso albanês.

Para o Camarada Enever Oxhxa, e para os seus seguidores, que se dedicaram às matemáticas, a Albânia era uma Fita de Möbius, já que só tinha uma face, o seu miserável umbigo do fronteiras adentro. 

Entretanto, por cá, nas boticas dos gajos que não faziam os cursos, mas passavam o tempo nos cafés, a sanear professores, e a roubar mobiliários de reitorias, para melhorar as condições de trabalho dos MRPPs, e lá indo progredindo, à Relvas e à Sócrates, entre "aptos" e "não aptos", como o pelintra da Cova da Piedade, Durão Barroso, o vanguardista, e traidor comunista, Pacheco Pereira, o Fernando Rosas, que, dizem as más línguas, tanto trabalhava para o Mao como para a PIDE, o José Manuel Fernandes, que depois se aburguesou -- como todos -- no "Público", mais o camarada Saldanha Sanches, de cujo gabinete, diariamente, até à sua morte, saíam as diretivas para a mailing list dos técnicos oficiais de contas contornarem a lei, e burlarem o Estado, e a célebre justiça com rimel, Maria José Morgado, rival nos olhos betumados, da sua conterrânea Cândida Almeida. Também havia os simpatizantes, não praticantes, como Balsemão, a Sombra de Portugal.

Nestas boticas, então, assim como no Vaticano hoje se discute a pureza do Dogma, e a virgindade da Jacintinha, também se discutia a pureza do Marxismo-Leninismo, tendo-se chegado a um momento em que a Albânia se declarou ser o suprasumo da coisa, tal como aquela gaja que quer ser comida por 100 000 homens, para fazer inveja à Clara Ferreira Alves e à Clara Pinto Correia. Ainda acabará vice reitora, mas isso extravasa os limites deste texto.

A Albânia era calma, polida e civilizada: tinha de se pedir licença ao estado para comprar um frigorífico, e havia listas de espera de 20 anos, com um per capita de frigoríficos de 1 por cada 100 000 habitantes, o mesmo sucedendo com as máquinas de escrever, antepassadas dos notebooks, que, por mais que se pagassem, continuavam a ser prorpiedade do Estado. Aliás, tudo era propriedade do Estado, entre o que havia, e, sobretudo, a miragem do que não havia.

Judicialmente, eram justos, utilizando um argumento para o réu, que sobreviveu, até aos nossos dias e paragens: "sente-se e fique quieto, que nós sabemos mais do que você".

E sabiam, aliás, todos eles eram uns... sabidos.

Para que a coisa não entornasse, assim como 1 em cada 10 Portugueses era informador da PIDE, também 10 em cada 1 dos Albaneses era informador da Sigurimi, uma coisinha jeitosa, feita à imagem e semelhança do KGB, da NKVD, da MGB, e da Stasi, de Angela Merkel. 

Na Sigurimi, como na PIDE, amarrava-se, de mãos e pés, por um mês e meio, e surrava-se, com um cinto, os punhos ou botas cardadas, por períodos de duas ou três horas, em cada dois ou três dias, para não cansar muito o torturador. Ficava-se de pé, em caixões de um metro por oito metros, em  solitárias de cinco dias, respeitando-se os fins de semana, que eram reservados a sessões de espancamento até que se assinasse uma "confissão"; havia outros, com mais sorte, que, para evitarem ser abrangidos pela nova Lei do Arrendamento, da neanderthalense Assunção Cristas, ficavam confinados, por mais de um ano, em celas subterrâneas de três metros quadrados. A tortura física e psicológica era boa, e saudável, incluindo acorrentamentos a cadeiras, espancamentos e choques elétricos, à moda do Silva Pais. De vez em quando mostravam-lhes a bala que os ia matar e adoravam pô-los a ouvir os motores dos carros que levavam as vítimas para as execuções que antecederiam as deles. Existiam seis instituições para presos políticos e catorze campos de trabalho forçado, onde prisioneiros políticos e criminosos comuns trabalhavam juntos.

O Artigo 47º, do Código Criminal Albanês, era muito generoso, e dizia que a “fuga para fora do Estado, assim como a recusa em retornar à pátria por uma pessoa que foi enviada para trabalhar ou teve permissão de viajar temporariamente para fora do Estado” constitui um crime de traição punível com uma sentença mínima de dez anos ou até mesmo a morte.

Jeitosos. 

Não fosse alguém querer fugir do Paraíso, até havia uma cerca eletrificada de metal, a uma distância entre 600 metros e um quilómetro, da fronteira nacional. Qualquer pessoa, que a tocasse, não só correria o risco de eletrocussão, mas também acionaria os alarmes e as sirenes que alertariam os guardas estacionados em intervalos de, aproximadamente, quilómetro´a quilómetro. Dois metros de solo, em cada lado da cerca, estavam permanentemente desmatados, a fim de que se marcassem, bem visíveis, as pegadas de fugitivos ou infiltradores. A área entre a cerca e a fronteira estava ainda fechada com armadilhas simpáticas, como anéis de arame, ratoeiras de ruídos, de finos pedaços de tiras de metal, atados a duas ripas de madeira com pedras, e recipientes de lata que faziam ruídos, mal pisados, bem como faróis ativados por contacto, que iluminassem, durante a noite, os possíveis fugitivos. Estima-se que havia aproximadamente 32 000 pessoas detidas, lá pelos idos de 1985, altura em que Cavaco Silva começou a destruir a Nação Portuguesa.

 A verdade é que, com tais comodidades, quem é que não poderia deixar de adorar este regime?...

Não me vou alongar mais, porque realmente havia, e convinha perguntar ao camarada Nuno Crato, onde é que ele estava, no tempo destes 32 000 presos políticos, de 1985, e no Massacre de Tianamen, de 1989?...

Possivelmente, estava a ter aulas de "Matematiquês", para escrever mais umas lorpices, bem pagas, no pasquim do "Expresso".

Só Deus sabe em que rastos então andaria, já que o primo-sobrinho-trineto em 2º grau, elevado à segunda potência, do 1.º Barão e 1.º Visconde, da raiz quadrada de Nossa Senhora da Luz, já pairava, pela mão do Polvo de Sócrates e Figo -- qualquer coisinha servia, não é?... -- como administrador do Taguspark (2010), depois de o Palhaço Aníbal de Boliqueime o ter agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique (!) (2008).

De revolucionário só se lhe conhece o ter deixado crescer a barba, o que era estritamente proibido no seu paraíso albanês, e ter assim ficado com ar de chibo luciferino, caracterização que lhe assenta substancialmente bem. Tudo o resto é um protofascismo progressivamente emeregente, nos atos e pensamentos.

Passando um bocadinho ao campo das metareflexões, estas afinidades eletivas políticas têm-se em novo, e deixam marcas para toda a vida, ou, como se costuma dizer, é como a droga, parece ter havido cura, mas não há, há é intervalos entre recaídas.

Hoje, dia 15 de junho de 2013, o camarada Nuno Enver Oxhxa Crato, um badochas, que ocupa, com indignidade, um dos raros cargos que qualquer um pode ocupar, neste país, o de Ministro da Educação, teve uma dessas recaídas e mostrou quem realmente é: um cidadão venal e indigno de ocupar qualquer lugar numa sociedade livre e democrática.

 Crato: um escravo, uma ideologia, uma prisão.

Nós, habitantes de um país que se recusa, depois de tantas e tantas vergonhas, do protetorado da Troika, da Goldman Sachs, de Angola, e dos Chineses -- que voltaram, para colonizar este seu novo território -- estamos, em massa, a dizer "NÃO", ao Camarada Nuno Enver Oxhxa Crato

Aconselhamo-lo a ir apanhar na peida, ao pé do seu primo Kim Jong-un, quando começarem a voar mísseis ardentes, pelas ruas de Lisboa, e do país inteiro.


(Quarteto do vai levar no pacote albanês, na Coreia do Norte, meu bandalho, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino", e em "The Braganza Mothers") 

12.6.13

O Grande Bluff dum Pulha

A página do Cavaco no Facebook utiliza um filtro que encobre os comentários contra por escolha manual. Eles aparecem apenas para o autor desde que ele tenha feito o login no Facebook.

Por exemplo, colocou um comentário onde menciona verdades inquestionáveis, com ou sem referência a um artigo ou semelhante, publicado num jornal ou televisão, que prove factualmente o modo desastroso e cheio de consequências funestas para o país como ele se comportou ou comporta, o seu partidarismo ou qualquer outro caso idêntico que tire o verniz daquela chaga nacional. Alguém a seu mando aplica o dito filtro e o comentário continua lá mas invisível para todos à excepção o autor, desde que este tenha feito o login.

O porquê é elementar. O autor continua convencido de que o seu comentário se encontra à vista de todos, mas afinal é como se tivesse sido apagado, pois que só ele o vê. É como ter escrito algo e queimá-lo logo de seguida, mas ficando convencido que foi publicado em todo o mundo. Um desabafo do género do lobo nos desenhos animados do Tex Avery da década de 1950. O comentador é gozado até mais não poder.

Há duas maneiras muito simples de verificar o que aconteceu ao seu comentário.

Para uma delas, primeiro coloque um comentário do género realmente indesejável para o Cavaco. Não com insinuações tolas nem termos menos dignos, mas que contenha verdades incontestáveis, como o que ele fez aos fundos de coesão europeus, um link para o vídeo ao fundo deste artigo ou outro do género. Volte à página dentro de algum tempo, talvez uma ou duas horas, menos ou mais, dependendo da azáfama do operador do tal filtro em Belém. O seu comentário continua lá. Agora log out do Facebook e volte à página: o seu comentário desapareceu. Faça de novo log in e lá está ele! Pode também pedir a um amigo para ver o seu comentário e contar-lhe o resultado. Não tem nenhum «gosto», claro, que ninguém mais o viu nem verá.

Outra maneira simples que lhe permite avaliar o número de comentários que foram maliciosamente filtrados e escondidos. Ao chegar à página do Cavaco, olhe para o seu último post e leia quantos comentários contém, clicando no link Ver xxx comentários, entre o post e os comentários, para os expandir. Conte-os. Não se aflija se lhe parecerem muitos, que verá que será rápido e fácil: falta uma quantidade enorme que corresponde ao número de comentários filtrados apenas visíveis para os autores. A certa altura, no post da sua mensagem do 10 de Junho, listava 216 comentários, mas após desdobrar a lista completa só apareciam 34. Os restantes estavam eclipsados e só eram visíveis por quem os escreveu ao fazer log in. É obra!

Todos os comentários favoráveis são visíveis, até mesmo os contra que contenham palavreado parvo, oco ou inócuo.

Tudo isto é tão visível e elementar que nem merece aprofundar qualquer investigação nem procurar justificações. Este semi-bloqueamento é permanente, ou seja, o comentador continua a poder inserir comentários, mas só para si. É um bluff do presidente que se enquadra perfeitamente na falsidade da sua personalidade e no seu modo de governar que reconhecemos de quando foi primeiro-ministro, em que, entre outros sucessos, chegou a enganar a nação inteira, ao impingir a ilusão de riqueza súbita com o esbanjamento dos fundos de coesão europeus para conseguir votos e ser reeleito.

Como classifica esta acção aliada ao seu comportamento e discursos? Pode-se pegar num dicionário e copiar todos os sinónimos de impostor, aldrabão, vigarista, etc., tudo o que se quiser, mas nenhum deles chega para classificar um tal traidor, um nojento filho da puta da mais baixa estirpe a ocupar e a desonrar a mais alta e nobre magistratura de qualquer nação com truques de baixeza. É aquele em quem votaram. Portanto, que os que o fizeram jamais se queixem, porque o voto não significa democracia nem controla nada nem ninguém e deixa toda a liberdade a qualquer reles canalha, como se vê.

Há que compreender que votar não define uma democracia e afirmá-lo para convencer é mentir, e em Portugal devia saber-se melhor que em qualquer outro país, pois que se votava durante a maior parte do tempo do Estado Novo. É evidente que o voto de per si nem é imprescindível a uma democracia nem a justifica. Essencial e básico é a colaboração e participação de facto do povo, assim como o exercício do seu controlo sobre os governantes, os quais poderão ser escolhidos de qualquer outra forma.

Democracia consiste naquilo que se lê em qualquer dicionário e mais nada; o resto é lavadura para porcos – aquilo que os políticos todos nos têm dado desde a Abrilada, de que se apoderaram. Oligarquia é o estado de uma nação em que a preponderância de alguma família dispõe do governo. Os partidos são perfeitamente assimiláveis a esta definição, por demais que sem controlo são constituídos em famílias mafiosas de associações de malfeitores. A recordar que não existe nenhuma democracia em que os políticos e governantes não sejam submetidos a qualquer tipo de controlo. Foi assim em Atenas, a cidade-estado fundadora da democracia. A mais antiga democracia dos tempos modernos assim funciona também desde a sua fundação, em 1291, na Suíça, e é a isso que se deve tanto a sua existência como a recusa do povo à adesão à União Europeia.

Os políticos e os governantes são tão humanos quanto aqueles que os elegem e administram; seria profundamente estúpido acreditá-los como imunes aos pecados comuns dos outros humanos. Sem controlo não pode haver democracia. Em Portugal nunca houve democracia, mas apenas logro dos políticos para poderem roubar à vontade e impunemente e se alguém acredita que vão largar a galinha dos ovos de ouro a bem ou sem os forçarem ainda é mais estúpido.

Para ajudar a fazer uma ideia do panorama actual e do fumo da podridão intoxicante que paira sobre Belém, transformada numa casa de porcos, e se estende sobre o país, veja o vídeo do comentário da jornalista Constança Cunha e Sá, que segundo parece não está a ser paga para encobrir corruptos, ladrões nem traidores:

«O Presidente da República fugiu do país».


















5.6.13

Fábula da semana em que "Miss Fardas" foi a Bilderberg, acompanhada pela sua valise de carton, António José Seguro





Imagem do Kaos


Toda a gente sabe que as teorias da conspiração só são teorias da conspiração até se descobrir que o não são, ou, evitando o trocadilho, quando aquilo que nos parecia um delírio se revela ser a mais concreta das realidades.

Essa história de Bilderberg, que começou por andar pelo anedotário, começou agora a fazer parte do horário, e na escala da descarada. Como defende Estulin -- e a Margarida Rebelo Pinto, honra lhe seja feita... -- não há acasos, ou seja, toda esta porcaria que parece desordem não é mais do que uma fase da Nova Ordem, em formato de pronto a vestir, com direito a toilette de manhã, tarde e noite.

Naquela fase cavernosa em que Portugal andou a votar, através de SMS de valor acrescentado quem era o Maior Português de Sempre, e chegou àquela triste conclusão, devia ter sido imediatamente lançado um debate para se eleger o Português Mais Sinistro de Sempre.

Não vos quero influenciar, mas o meu voto ia para Pinto Balsemão, o político há mais tempo na sombra desta decrepitude, a que chamamos "Democracia".

Contas feitas, se Salazar lá esteve uns quarenta anos, este para lá caminha, e pode ter prolongamento, se o Clube assim o decidir. À sua pobre maneira, é um Kissinger português, uma coisa de aldeia, com algum pedigrée, vindo de D. Pedro IV ter ido à cona a uma sopeira, e deveria ter ficado por aí, não fosse o país estar contaminado por meio século de falta de opinião pública, e o cavalheiro ter encontrado uma receita mágica que era ainda conseguir poupar a esse povo, por mais meio século, o esforço de pensar, inventado o "Expresso", que punha as questões, orientava o debate, abafava os contraditórios, e impunha as conclusões.

Aparentemente, porque já era de família, também o "Expresso", depois, foi à cona a tudo o que estava à mão, e foram nascendo algumas SIC bastardias, umas "Caras", umas "Ativas", uns "Jornais de Letras", umas "Visões", e toda a casta de mobiliário folheante dos cabeleireiros de bairro, que não frequento, nem os cabeleireiros, nem a matéria a folhear, obviamente.

Até aqui tudo bem, porque o papel higiénico, como dizia Gutenberg, divide-se entre o impresso e o não impresso, e eu gosto do branco, ao contrário do pão, que prefiro integral, não fosse o papel higiénico ter tomado uma tal escala que nos começou a impedir de respirar, e, sobretudo, essa sofreguidão de impedir o pensamento livre tivesse tornado um país distorcido num amontoado de gente ainda mais distorcida e esclerosada, tipo Somália, na época dos piratas hibernarem.

No princípio, já que temos sempre de voltar lá, era o secretismo. Na fase em que estamos, é tudo à descarada, desde os olhinhos ávidos da Teresa Guilherme, passando pelo branqueamento de capitais de todos os subterrâneos russos, através do Mourinho, até desaguar nesta porcaria de Bilderberg, que começou por ser uma anedota, mas acabou numa perigosíssima peregrinação.

Enquanto o Mundo inteiro, o das Sombras, ali se reúne, para retirar o pouco de luz que ainda resta ao Mundo que a tem, o Balsemão vai, penosamente -- tanto quanto lhe permite o furo de coca, pelo qual ainda respira, como os cachalotes -- levar os seus pastorinhos anuais, para ver que tipo de solzinho irá dançar, na próxima "saison", no miserável quintal português. Como dizem os crentes, alguma coisa de importante deve mesmo andar a acontecer por aqui, porque não há a mesma preocupação de muitos outros terreiros, com a escala mínima de Portugal, a levar, ano após ano, os seus beatificados, para que recebam qualquer coisa da mão do próprio Senhor.

Nos últimos anos, a coisa bateu certo: Barroso foi, e Kissinger colocou-o como o supra-sumo da nulidade, para Obama ter tempo de destruir o Euro e a Europa. A seguir, a romaria levou Sócrates e Santana, que logo foram Primeiros Palhaços de Portugal. Houve uns interregnos, com Rui Rio, que deverá ir substituir o lambedor de conas de pretas, como líder do P.S.D., e o Tição, que reinará no Sul Mouro, como António Costa. Pelo meio, Clara Ferreira Alves, a ver se arranjava homem e RTP, mas o Relvas foi-se embora e a Isabel dos Santos resolveu trocar a nacionalidade portuguesa pela russa, porque aquilo vai explodir, e os impostos são mais baixos. E sendo que mais vale uma discoteca em Moscovo do que o bordel da RTP, em Lisboa, a Ferreira Alves preferiu a sua estabilidade de "horizontale", no novo coio do "Canal Q": aparentemente, o seu topo da base já foi pelo cano. Temos pena: houve pernas que, abrindo menos, conseguiram mais.

Agora, vem a parte negra.

Como é sabido, é das regras de Bilderberg que os seus pares interajam interpares, ou seja, um pouco como o Cavaco continuou a apoiar o Duarte Lima e a Beleza, e depois o Relvas recebe, recebeu e recebia, na sua casa, da Rua da Junqueira, já que o Aníbal o não podia fazer diretamente, o escroque, "Conselheiro de Estado (!)", Dias Loureiro.

À margem da Lei, Bilderberg é como as Termas do Vimeiro, depois de lá se banharem, todos perdem os crimes, e passam a meros agentes da Estratégia Global.

Para mim, que sou certeiro nas lotarias negras, pensei que este ano fosse a vez de João Galamba, mas o galambismo fica para depois, como vos irei explicar, ou melhor, aguarda, na retaguarda, que as hostes marchem para as tricheiras, através da Santíssimo Trindade, Vítor, Pai; João, Filho, e a Pombinha do Espírito Galamba, e não pensem que me desviei do assunto, porque, este ano, Balsemão, o Português Mais Sinistro de Sempre, leva, por arrasto, Paulo Portas, uma víbora luminosa, que o demónio dotou com o dom da palavra, e a Vénus Vulgar, com o dom da mamada, e como esta gente não se desloca, nunca, sem criados nem camareiros, enturmaram com o merceeiro António José Seguro, o típico parolo, cara de seminarista, que se percebe que nunca irá muito alto, mas poderá servir de cobertor a quem mais alto queira por ele ascender.

Senil, Balsemão já nem esconde o que procura para Portugal. A morte política de Passos Coelho vai na agenda secreta, e o seu sucessor já está na calha, só que o sucedido só vai perceber, no último instante o que lhe sucedeu. Não percebi -- mas também não chego para tudo -- se Cavaco irá ser empalhado, e exposto, como Lenine, no Mausoléu da Quinta da Coelha, ou se a questão turca se sobreporá ao que fazer com o Cadáver de Boliqueime, embora isso me preocupe pouco, porque a romaria só tem três sentidos: ou é o povinho da Favela PSD que vai enturmar num Governo chefiado pelo Maior Demagogo... bom, maior, não sei, talvez um ex-aequo com o Professor Marcelo, e com o PSD, desvitalizado, a reboque, numa rui risada; ou o povão do Centrão que está preparado para votar, à justinha, no ar, à justinha, do António José Seguras o quê, e segura muita coisa, como as piranhas de extrema-direita, de cariz galambista, que só estão à espera de que lhes abram a porta, como aqueles cães assassinos, que são fechados, semanas, em quartos escuros, para virem cegos de ira e carnificina, ou, se a coisa não funcionar, a velha solução do Tio Soares, um casamento entre pederastas do Largo do Caldas e pedófilos do Largo do Rato.

Creio que seria o governo ideal para Portugal, e, para mim, já teve um efeito profilático e terapêutico: fiquei, hoje, com a absoluta certeza dos sítios onde NÃO irei votar, nas próximas eleições.

Para o ano, se a "branca" ainda o não tiver feito estoirar, talvez Balsemão convide Jerónimo de Sousa. No fundo, este mundo é tão pequeno, e tão escassa a nossa finitude, que nada me espantaria...

(Quarteto da "Fardas" vai mamar em Bilderberg, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino", e em "The Braganza Mothers")

2.6.13

Cavaco Silva, uma decadência começada no significante, arrastada pelo significado e afundada no referente





Imagem do Kaos


Não gosto muito de repetir textos, mas vou começar este com um problema de gestalt agravado, que tem a ver com um epifenómeno da sociedade portuguesa, que se instalou no Palácio de Belém.

Curiosamente, não sei se por respeito, se por aquela típica subserviência, herdada de uma sociedade tornada mentalmente diminuída, por quarenta longos anos de exposição ao Salazarismo, mais os antecedentes de séculos de Inquisição, mais uma certa estupidez atávica, que desagua nas gravideses neanderthalezas da Assunção Cristas, inúmeros intervenientes aparecem, num espaço que frequento muito pouco, o televisivo, a falar do "Sr. Presidente da República".

Já há dias escrevi que tenho de fazer um enorme esforço para perceber a quem se estão a referir, e depois, faço como aquelas pessoas ligeiramente alzheimerizadas, que é dar uma volta ao bilhar longo das referências, para me tentar situar.

Geralmente começo por associar Presidente a Presidência da República; depois, penso em Belém, sobretudo no Jardim, onde atacavam os irmãos mais novos, que o Carlos Cruz consumia, e os mais velhos, que o Portas enfiava no descapotável, e, depois, só com a evocação mental daqueles fabulosos pinheiros mansos que protegem a Real Barraca, é que me lembro de que aquilo está ocupado, e lá faço mais um esforço, para me lembrar de por quem, até chegar ao... "Professor" Cavaco Silva.

Como disse, a história terminaria aqui, como mais um epifenómeno da saloiice nacional, se, ultimamente, também não me estivesse a dar aquilo que eu designaria de "branca do segundo grau", ou seja, estarem a falar do "Professor" Cavaco Silva, e eu não me lembrar de ter tido, ou sequer, da existência, em território nacional, de alguém com esse nome, e lá voltar a dar a volta, se é professor, deve dar aulas nalguma escola, e não me vem nada à cabeça, até que, de repente, se me faz luz, e percebo de quem estão a falar: um tal de Aníbal Cavaco Silva, que dava aulas na Nova, aliás, não dava, e tinha um processo disciplinar em cima, por só lá ir sacar o dinheiro do fim do mês, e que, depois, foi safado por outro anormal, da mesma cepa do atual Ministro da "Economia", que não era Dos Santos, mas mais alto, (De Deus) Pinheiro, e o favor foi pago com pôr-nos a envergonhar Portugal, como Comissário Europeu, depois de preencher várias vagas do Vazio, como a sua célebre passagem pelos Negócios Estrangeiros, a quem a velha guarda francesa logo titulou como "Le Minstre Portugais des Affaires Étrangères est étranger à ses affaires..." (ponham no Google tradutor, que aposto que já não vão mais além do lá, lá, lá, das letras do Justin Bieber, ou das prosas menores do Ricardo Araújo Pereira, para fazerem rir velhinhas da Festa do "Avante" e esclerosados do "Expresso"...)

Evidentemente que toda esta minha prosa se insere nos 25 anos de integração de Portugal no Espaço Económico Europeu, a maior parte dos quais foi ocupada por uma criatura que não tinha a mais pequena noção de decência, nem a estatura democrática para ocupar o que quer que fosse, a não ser um talhão de cobertor das feiras, em Boliqueime, para não interromper a tradição de vendas horizontais, que já vinha do pai, que defendia, com a tacha arreganhada, que "o filho era o maior homem de Portugal". Garanto que não era, porque ele dá pelos ombros dos pretos jogadores de basquete do Benfica, por exemplo, e quem tiver dúvidas, vá ao "Colombo" vê-los, nos dias em que saem dos treinos.

A gravidade da situação, do ponto de vista Saussurreano, porque tudo é linguagem, e, depois, língua, é que o velho problema da arbitrariedade da conexão entre o significante e o significado se agravou, no caso da Presidência da República Portuguesa, porque ela se desproveu completamente de significado, e, só por um esforço de associação, lá se consegue colar, com algum cuspo, àquela vergonha do Aníbal. Agora, a história da deriva do significante "Professor" Cavaco Silva ainda me parece mais complexa. Tanto quanto ouvi, das raras vezes que ia à Nova, punham-no a fiscalizar exames -- esta contaram-me recentemente... --, e ele lá ia, com aquele andar de lêndea, colado às paredes, num anfiteatro cheio de Relvas, a copiar, e voltava-se de repente, a pensar que ia surpreender qualquer coisa, arreganhava a beiçana molhada, e não surpreendia nada, exceto as risadas que provocava e as babas que projetava contra as paredes.

Um dia virá em que Reitor descerrará uma placa a dizer "Cavaco babou-se aqui"...

O problema do significado creio que tem uma explicação simples, já que basta vir para a rua, e ouvir chamar ao Aníbal tudo menos "Professor": o Português comum associou-lhe uma série de epítetos melhores, do jargão de esquina, "palhaço", "vigarista", "ladrão", "cabrão", e o clássico "filho da puta", que assenta na maioria dos detentores de cargos políticos.

De facto, enquanto "Professor", Cavaco Silva ensinou-nos todos os velhos truques da baixaria e da golpada, ou seja, sendo nós idiossincraticamente já...assim, não nos precisou de ensinar nada, apenas passar o diploma daquilo que já éramos, tal como Salazar fez, nos seus tempos áureos. Para mim, que nunca me revi em nenhuma das duas figuras, sigo, mais atentamente, que todos os apoiantes do Cavaco Governante acabaram na prisão, uns por desvio de fundos, outros por crimes de sangue, outros por ineficácia do Sistema Judicial, outros, de burla agravada, e, os piores, por terem provocado uma bancarrota em Portugal, chamada BPN, que nós tivémos de pagar, pela pressão que os seus acionistas privados, hoje chamados "Galilei", fizeram sobre o alarve da altura, José Sócrates, para empurrar o buraco bilionário para a alçada do Estado, sob a velha métrica do "é privado, quando dá lucro, e passa a estatal, quando/mal se converte em prejuízo".

Dos 25 anos de integração europeia, mais de 10 foram vividos sob a tutela de um escroque, Cavaco Silva, que foi distribuindo pelos amigos os fundo estruturais, que nunca reformaram o país de Salazar, e o converteram  na Cauda da Europa do Espaço Comum.

Não satisfeito, voltou, apoiado pelos dinheiros sujos da SLN e da Opus Dei, e esteve mais 7 anos (até ao dia de hoje), a gangrenar o tecido social, cultural e económico da Nação.

A jeito de contas, que o "Dona Coisinha", o tal António Barreto, que esteve sempre em tudo o que era sujo, e quer ser agora o putativo (entre o significado, "presumível", e a proximidade, mais correta, com... "puta") substituto do Cavaco, a jeito de contas, dizia, o Aníbal ocupou cerca de 70% do nosso tempo de integração europeia.

Ora, 70% é muito tempo.


Como dizia o outro, se não roubou, deixou que se roubasse, e ao deixar que se roubasse, atirou-nos para a bancarrota.

É sua especialidade ter ataques, agora, mais controlados pelos comprimidos do Conselheiro de Estado (!) Lobo Antunes -- uma espécie de Rasputine da hemofilia neurológica do doente de Boliqueime -- e cremos que o seu período seguinte poderá ter de passar por exorcismos mansos do cómico Bergoglio Francisquinho, para ver se acalma, como sugerido pela brilhante imagem do nosso "Kaos", e aqui entramos na terceira parte do Signo Linguístico: já expus a minha incomodidade, relativamente ao significante, ao caráter degenerativamente dúbio do significado, mas sobra agora a parte pior, o referente, a carcaça Cavaco Silva, um sistema termodinâmico em falência, com a monitorização neurológica irreversivelmente afetada. Um pequeno desvio, e o referente abre a fossa, para falar de vaquinhas, presépios, nabos, abóboras, santinhas de províncias, do cinema São Jorge, ou do "Cüpernico". Em sua defesa pouco mais disse do que ter de nascer duas vezes, embora, dado o estado de degradação da coisa, e se o quisermos indexar ao instante em que começou a gangrenar Portugal, talvez tenhamos de regressar ao Tempo de Planck, 593124(27) x 10 levantado a - 44, o que, tendo em conta a idade cronológica da múmia, 73 anos, e a ter de nascer duas vezes, dava, se não me engano, 146 invernos, daqueles sinistros, ou seja, para apagar a sua influência, dado que, abaixo do Tempo de Planck, nada se sabe, e as Leis, quer as Comunitárias, quer as da Cândida Almeida, quer as da Física, quer as do Senso Comum, deixam de ter qualquer significado, e seria necessário percorrer 593124(27)x10 ^44+146 anos, o que dava uma colossal quantidade de tempo.

Entretanto, se não parado agora, por um exercício de cidadania, já terá tido tempo de destruir, 100 000, a obra ancestral de Afonso Henriques.

Creio que já nem o tiro de misericórdia que se dava nas jumentas velhas ele agora merece.




(Quarteto de Saussure, à la quântica, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")


Related Posts with Thumbnails