1.4.09

DD - a mudança está a germinar...

Dia 28 estivemos em Alcobaça!
O
Movimento para a Democracia Directa foi Fundado.

A TVI também lá esteve.

Aqui vai um excerto da reportagem:
video
(Se alguém tiver a reportagem completa enviem-me)
Só a Democracia Directa pode mudar o país. Com o modelo actual não vamos lá. Pensem no que está mal e digam lá se não é melhor mudar para DD.

2 comentários:

Ana, professora disse...

Ajudando a fazer a mudança:

http://www.peticao.com.pt/responsabilizacao

Carlos Fragoso Malato disse...

Sou um cidadão comum e incomodado com o panorama actual em que vivemos.

Com três dezenas de Primaveras e tentando olhar para um futuro justo, adequado à nossa forma e vontade de viver, sinto que o desenvolvimento social (que influi muitas outras áreas) em Portugal está a estagnar.

Apesar de ter nascido na era do "25 de Abril" preocupa-me sentir que Portugal está a abrandar. É como que o inverso do Big-Bang, uma pequena explosão inversa em forma de contracção, que nos vai apertando lenta e eficazmente até não haver mais para apertar!

Ainda me lembro de outros tempos, que nem estão muito distantes, em que o sentimento positivo de Esperança se encontrava muito presente. De repente olho para trás e sinto que a mudança é radical.

Muito evoluímos, em termos tecnológicos, sociais, enquanto sociedade de consumo... Deixámos distante mais uns degraus atrás

o nosso lado primitivo. Hoje me considero um cidadão do mundo. Há uns anos atrás foramos apanhádos com a necessária tomada de posição se haveríamos ou não de entrar na "Comunidade Económica Exclusiva", hoje UE. Inegável é a "evolução" que todos de algum modo e de prismas diferentes observamos e sentimos.

Mas certo é que as coisas por estas bandas Lusas não estão bem. Nada mesmo! A justiça... uma vergonha. Leis lentas em aplicar. Tribunais pejados de funcionários que não justificam os seus salários. Processos que na maior parte das vezes acabam em prescrições. Milhões que tudo isto acarretam e alimentam. Advogados e Juízes que saiem, esses sim, sempre a ganhar. A justiça está completamente dominada pelos abutres.

A educação... um descontrolo que mais parece um tubo de ensaio. Alunos que por motivos pessoais e até mesmo familiares muitas vezes não têm a oportunidade de investir mais tempo e dinheiro na sua formação. Cursos também desadequados ao panorama do pretendido pelo mercado.

Um pequeno exemplo: Alguma vez faz sentido o estado promover cursos, permitir vagas para áreas de formação que simples e completamente estão saturadas em termos de saídas profissionais?

Como é possível actualmente sairem formados 1000 arquitectos por ano, em todo o território? Desde quando é que o mercado tem capacidade para tantos profissionais?

Ao contrário da manutenção dos números clausos as universidades haveriam de diminuir mais ainda os mesmos, restringindo sempre o mais possível os critérios de seriação do indivíduo. Mas poder-se-ia ir um bocadinho mais longe. Poderiam por exemplo as mesmas universidades, isso sim, ocupar essas vagas cada vez mais com candidatos provenientes do mercado... promovendo em chamar/desafiar actuais profissionais no mercado de trabalho para investirem num "upgrade" nas áreas dos seus conhecimentos profissionais, tornado-se assim mais actualizados e adequados às exigências de uma sociedade em contínua e franca procura de eficaz evolução.

Mas não é só na justiça e educação que deposito algumas das minhas preocupações. Há um imenso espaço cultural que importa saudavelmente promover. A cidadania. O empreendedorismo. A inovação, a começar pela forma como cada um de nós pode participar e alterar a actuação política, daqueles que escolhemos para nos representar quando lhes depositamos um voto de
confiança sobre os nossos futuros e também dos nossos netos.

Este é mais um ano de eleições! Desta vez Europeias, Autárquicas e Legislativas. Um ano em que cada um de nós obrigatóriamente deveria dedicar algum do seu tempo para formar opinião sobre o que com cada acto eleitoral está em causa...

Queremos ou não queremos mudar melhorando Portugal??!

Comecemos cada um de nós por maturar idéias, por partilhar e promover o debate sobre elas, mas sobretudo nunca deixar de participar, nem que seja com um voto nulo cheio de recados para os segundos responsáveis por todo o panorama em que vivemos, porque os primeiros responsáveis somos cada um de nós! Porque os elegemos.

Faça um desafio a si próprio: Arrisque na sua forma de pensar!

Viva Portugal, mas sobretudo viva Feliz!

Related Posts with Thumbnails