29.9.08

Nem PS, nem PSD e nem CDS

Desculpa Kaos por copiar mais um post teu..........mas está simplesmente perfeito e em total sintonia com o que eu penso.

Recebi do amigo "Protesto Gráfico" (a quem agradeço a simpatia e a qualidade do trabalho) esta imagem acompanhada pelo seguinte mail.

"Confesso que fui um dos que contribuiu para eleger o engenheiro Socrates como primeiro ministro. Pelo facto peço encarecidamente desculpa a todos os portugueses... É evidente que não tenciono repetir o erro. No entanto espanta-me a existência daqueles indivíduos que, com memória extremamente curta, se esquecem do mal que os desgovernantes oriundos do PS e PSD tem feito aos portugueses nestas últimas duas décadas; a sua arrogância, a sua completa displicência em dispôr do erário público para realizar investimentos elefantinos, o compadrio com os grandes interesses económicos, a imoralidade e falta de integridade, as políticas desastrosas ou, no mínimo, ineficazes... no fundo, e para resumir, a total falta de craveira governativa, sentido de estado e estatura moral. Este sistema perpetua-se a si mesmo com a alternância entre os dois partidos principais que se transformaram em agências de defesa dos interesses dos seus correligionários.
MERECEMOS MELHOR
Circula por aí uma campanha que diz: "Sou professor e não voto PS". Eu pretendo mais... Digo. "Sou professor e não voto PS nem PSD". E nos outros, logo se verá..."

Eu acrescentaria também o CDS que se tem amantizado com um ou com o outro só para se ir aproveitando das mordomias do poder.
Kaos

Eu acrescento ainda este comentário:

Para os que já me responderam "então votar em quem" só posso responder - PS, PSD e CDS já nos provaram em 20 e tal anos que são maus e ruinosos para o país.
Os outros? Não sei.
Pior? Duvido.
Arrisco? EU PREFIRO ARRISCAR.
O verde é de esperança.

O ensino está melhor

Sondagem: O funcionamento de há 20 anos e o de agora

Evolução do ensino divide portugueses

In Correio da Manhã
Os portugueses estão divididos quanto à evolução do ensino, de acordo com uma sondagem CM/Aximage. Mais de 40 por cento da população considera que a Educação está hoje pior do que há 15/20 anos, enquanto que 43 por cento defendeu que está melhor.

AVALIAÇÃO DO ACTUAL FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS

Muito melhor: 7,8%
Melhor: 35,2%
Igual: 10,5%
Pior: 31,2%
Muito pior: 10,4%
Sem opinião: 4,9%

COMENTÁRIO

Para mim está pior.
Responder que está igual é mau. Se o MAU está igual..............

Outra das razões porque está pior: há professores que já iniciaram o seu processo de avaliação e a burocracia (papeis, papeis, papeis) é tanta que além de levar ao facilitismo leva à falta de tempo para preparar e ensinar....

Se não vejamos:


28.9.08

Musica da semana

Pearl Jam-Even flow



Esta é uma nova rubrica que vou implementar no Democracia. A musica é uma das minhas formas de relax.

27.9.08

Exorcismo de Sarah Palin, seguido de Purificação de Corpo e Alma Titulares de Maria de Lurdes Rodrigues, para que possa repousar em paz

Graças a Deus que o KAOS acordou para Sarah Palin. Sarah Palin tem tudo o que eu adoro numa mulher, embora só a tenha visto uma vez, mas aquele ar iluminado de vidente disse-me logo, "esta tipa vai-se sentar na Casa Branca já para o ano..."
Enganei-me, era na Casa Negra, e lá irá, aliás, vamos todos com ela.
Gostei muito do Vídeo do Exorcismo, e acho que era uma coisa que nós, Portugueses, um dos povos mais avançados da Europa, devíamos aplicar a cada um dos Políticos, antes de os deixar ir às urnas. Adorava ver o Paulo Pedroso e o Ferro Rodrigues serem exorcismados, o Paulo Portas a fugir defronte do Crucifixo, o Louçã a deixar sair a freira que tem lá dentro, a Odete Santos a despejar íncubos e súcubos, e a Ferreira Leite, sim, sobretudo essa, a pesar cada demónio antes de o deixar sair do corpo, com medo de que estivesse a defraudar o Fisco. Quanto ao Constâncio, eram uns simples sapatos de betão, e, a seguir, as bordas frias do Poço de Boliqueime.
Foi então Frei Bartolomeu das Dores, e o Morgado Afonso de Vasconcellos, pela parte secular, acompanhado do Capelão-Mor de Lamego, D. Antão de Pevidém e Araújo, mais dois frades recém-tonsurados, e uma mulher que era sabido provocar milagres, em curas de abortos, e que havia muita fama em todos os lugares das Beiras e Badajoz. Trouxe-se a endemoninhada já imobilizada em tiras de serapilheira benzidas com água trazida das fontes santas de Vimeiro, e um pouco de água-benta da Sé do Porto, e deitou-se em um banco, como cama, a ré. Estavam ainda presentes as custódias da Capela da Senhora dos Navegantes e um fragmento do Santo Lanho, guardado, na Igreja Grande dos Frades Jerónimos, e conhecido por obrar múltiplos milagres na Capital.
Virou-se então Frei Bartolomeu para Maria de Lurdes, e lhe disse "Em nome do Senhor Santo Pai, Patris omnipotentis, te conjuro, Lurdes Rodrigues, a que confesses por tua própria boca estar possuída por todas as formas do Demo, e que de ti saiam os nomes todos dele, mais aqueles com que disfarçado nos queiras, em ti, enganar!..."
E havendo a mulher ficado calada, se avançou D. Antão, e a pronunciou, mais alto, em Latim: "Exorcizo te, omnis spiritus immunde, in nomine Dei!!!"
E nesse mesmo momento, a mulher chamada Maria, que havia estado numa calma como que morta, começou a agitar-se e o seu corpo a serpentear, embora, como nos autos depois ficou registado, só sua cabeça permanecesse imóvel.
E disseram então, em coro, os dois Padres Exorcistas: "Exorcizo te, omnis spiritus immunde, in nomine Directonis Regionalis Educatione Septentrionalis!!!..."
E foi então que se viram coisas nunca vistas, porque a cabeça se lhe revirou toda para trás, e espumejando, soltava impropérios e outras palavras de que não houvémos registo, enquanto seus membros de cima e de baixo tentavam soltar-se de suas prisões, e então avançaram os frades novos, para que beijasse a Santa Cruz, ao que ela se recusou dez vezes, batendo com a cabeça para trás e soltando pela boca umas babas pestilentas.

"Em nome do Pai Santo, Nosso Criador, nós te exconjuramos, para que libertes pelo nome de cada um, todos os Demónios que se alojaram na tua Matriz!...", e tendo-a todos agarrado naquele corpo que se revolvia como o de uma Besta, Frei Bartolomeu a segurou pela nuca, e forçou-lhe os lábios a beijar o Santo Lenho, enquanto dizia, em voz alta, "Exorcizo te, in nomine Portatibilis Magallanis!!!".
Houve então um sopro pela cela, e aquele corpo, como se ainda mais fosse possível, se retorceu, e as coxas se abriram, como as de uma mulher prenha, que ali fosse prestes parturir, e uma coisa revoltante se lhe soltou do vaso, rastejando pela cama, e pelo chão, com o maior terror das gentes presentes, e se foi encolher num canto, soltando bafos, e roncos como os de sapos em plenilúnio, e Frei Antão levantou a a voz, e disse, "qual o teu nome, IMUNDO!!!... Per eumdem Christum Dominum nostrum, qui venturus est judicare vivos et mortuos, et saeculum per ignem?..."
E a Coisa imunda se revolvia no canto, soltando cheiros pestilentos e grandes gargalhadas, e de cada vez que se movia, era como se a luz desaparecesse, e as suas casquinadas eram uma afronta a toda a Criação.

"Responde, Mulher!!!...", dizia Frei Bartolomeu, e, pela vez dele, aproximava o Santo Lanho, Dom Antão, da Coisa Repugnante, escondida em seu canto: e ambos os demos, a coisa possuída e a enteléquia possuidora, soltavam grunhidos e risadas de mulher perdida, e soltou-se-lhe então uma voz, que era mais de animal do que de cousa humana:
"EGO SUM VALTER LEMINUS!!!..."
E todos caíram de joelhos, em profundas orações, enquanto Frei Bartolomeu beijava a Santíssima Cruz, e lhe dizia pausadamente, como manda o Rito Antigo, "Exorcizo te, Valter Leminus, et omnis spiritus immunde, in nomine Dei", e soltando uma luz de trovoada, a criatura infame ali mesmo se dissolveu, no canto em que se escondera, e os frades novos rezaram o serviço de acção de graças à Virgem de Macao pelo regresso daquele temor ao Limbo do Mal e das faltas injustificadas, enquanto Dom Antão se virava para a mulher possuída, e lançando-lhe sobre a pele respingos de água benta, toda a gente pode ver que, em cada ponto que a água lhe tocava a pele, ficavam manchas verdes, como nas maleitas dos sapos, e outros animais repugnantes do maior desagrado de Deus.
"Exorcizo te, omnis spiritus immunde, in nomine Dei, libera nos nomine, in nomine Patris omnipotentis, et in nomine Jesu Christi Filii ejus, Domini et Judicis nostri, et in virtute Spiritus Sancti, ut descendas ab hoc plasmate Dei Maria de Lurdes Rodrigues", e ao Morgado de Vasconcellos lhe foi feito sinal de que lhe chegasse aos lábios um pouco da água santa da Sé do Porto, para que fizesse com ela que outra vez com tal água tivesse contacto, mas, ao tocar o santificado pingo, naquela boca imunda, a língua se lhe revirou para dentro, começando a soltar sons guturais, e o corpo tremia, em riscos de rasgar os abençoados panos que a seguravam, para que se fez sinal aos frades novos, para que lhe prendessem mãos e pés com grilhetas de calabouço, mas nem assim ela se repousava, e, quando o segundo pingo de água benta do Porto a alcançou, de novo a matriz se lançou em espasmos de mulher que ia dar à luz, e, no meio das maiores trevas se soltaram dois aleijões, que ficaram, no meio de líquidos pestilentos, a simular coisas que todos os presentes concordaram serem actos contra a Natureza.
E disse então Frei Bartolomeu, "Exorcizo te, omnis spiritus immunde, in nomine Dei!!!...", e ambas as criaturas simularam coitos e proferiram palavras imundas, ferindo, nos seus termos, a Santa Mãe do Senhor e a divindade do Senhor Santo Cristo. "... ad templum sanctum suum vocare dignatus est, ut fiat templum Dei vivi, et Spiritus Sanctus habitet in eo", e ao invocar do Santíssimo Espírito, se virou a parteira para ambos, e lhes perguntou: "Sois filhos da Besta, mas eu também sou parteira dos homens, e em nome dos santos sacerdotes que aqui vedes, vos ordeno que digais os nomes da Serpente que habita em vós!!!..."
E o cheiro era muito mau, como aquando do tempo da Peste de El-Rei João, mas quando a mulher sábia lhes lançou uns sais que só eram de sua sapiência e segredo, ambos se quedaram mudos e impávidos.
Disse então Dom Antão: "Fides, quid tibi præstat?"
E como eles se quedavam mudos, todos rezavam: "Caput mortum, imperet tibi dominus per vivum et devotum serpentem! Cherub, imperet tibi dominus per Adam Jotchavah! Aquila errans, imperet tibi dominus per alas tauri. Serpens, imperet tibi dominus tetragramaton per Angelum et leonem. Michael, Gabriel, Rafael, Anael, fluat udor per spiritum Elohim. Maneat terra per Adam Jotchavah. Fiat firmamentum per iahuvehu-Sabaoth. Fiat judicium per ignem in virtute Michael."
E voltou a perguntar-lhes os nomes, e eles se revolviam, de cada vez que o nome dos Arcanjos Miguel e Gabriel e Rafael eram pronunciados, e só com Anael e Elohim se agitaram, espumejando, e, quando lhes aproximaram as cruzes das peles peçonhentas, soltaram, à vez, com voz de almas agonizantes:

"EGO SUM MARIANUM GAGGUM!!!...", e o outro, "DAVID JUSTINUM SUM!!!...", e naquele mesmo instante se tornaram num bafo de campa recente, e não mais foram vistos.
Virou-se então Frei Antão para os homens e a mulher presentes, e lhes perguntou, "creis o Demo afastado deste corpo?...", mas todas as gargalhadas e palavras infames que o corpo exorcismado libertava mais vinham contrariar a ideia de que Satã já o tivesse abandonado. E esgotados todos os meios para que os íncubos e súcubos libertassem aquele pobre despojo carnal, despiu Frei Bartolomeu suas vestes de sacerdote, e de tronco nu, crucifico ao pescoço, molhou o dedo em sua própria boca, e se aproximou da pestilenta, preparando-se para lhe desenhar, com salivas, o Sinal da Cruz, na testa exangue, e lhe dizendo: "Accipe signum Crucis tam in fronte..."
Houve então um horrível trovão, e com a língua toda lançada para fora, e os olhos revirados para trás, a mostrar o branco, que fazia o maior horror dos presentes, o corpo de Maria de Lurdes Rodrigues se cobriu de negros, como os da Peste, e soltando um fedor de todas as podridões da Terra, uma COISA se lhe soltou da boca, tornada numa fossa de cadáver, e se escondeu debaixo da cama, sem que os homens de Deus a pudessem ver. E foi então que a mulher de partos se dotou de um vasculho e espantou a coisa repugnante de debaixo do leito, enquanto ambos os frades menores rezavam "CRUX SACRA SIT MIHI LUX NON DRACO SIT MIHI DUX VADE RETRO SATANA NUMQUAM SUADE MIHI VANA SUNT MALA QUAE LIBAS IPSE VENENA B I B A S", e a coisa se veio, rastejante, e com as mãos todas suadas, teve um ataque como o de uma serpe, agarrada à janela de uma marquise, com seus lábios primeiros se retraindo, como a cloaca de uma galinha antes de poer ovo, e logo se abrindo num O, e voltando a fechar-se, num U virado para baixo, e, antes de que dissesse seu nome, quer Dom Antão, quer Frei Bartolomeu reconheceram Pazuzu, na forma do íncubo ANÍBAL, que há muito atormentava as mulheres castas de Boliqueime, e era tema de muitas lendas de assombro de Lúcifer, pelas terras aldeãs da raia.
E ao ser pronunciado seu nome, cobardemente desapareceu da cela, para trás deixando a exorcismada morta, e quem dela se abeirasse, ao ver uns olhos fechados tão calmos e uma pele branca numa face tão serena, só pensaria na infortunada Desdémona, do grande bardo Shakespeare, da longínqua Albion, qual pequena Maddie, enfim levada em serenidade para seu repouso final, nos próprios braços de quem a progenitara.

(Pentágono satânico, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e em "The Braganza Mothers")

Do Primeiro Comando de Portugal à incomodidade do "Google", enquanto Memorabilia

Hoje, a nota é brevíssima, porque, felizmente, tenho uma vida infinitamente mais rica do que esta sinuosa aparição feérica, de que vocês tanto gostam, pela Blogosfera.
Agradeço que gostem de gostar, porque é das poucas coisas que me faz feliz.
Hoje, vem uma pequena nota de rodapé, em forma de observação: como qualquer mortal, recorro ao "Google" com a ligeireza de quem acha que é o mais fácil, embora o mais fácil seja mesmo alguém vir antes falar connosco, e dar-nos logo a informação que lá íamos procurar.
Este texto é filho dessas duas paternidades, e vamos já a ele.
Há meia dúzia de dias, quando o "Correio da Manhã" lançou aquele boato do "Primeiro Comando de Portugal", e chegámos a publicar o vídeo, uma brincadeira de gente brasileira, depois de esvaziar umas garrafas de cerveja, aproveitámos a boleia do "Google", que nos fazia descarregar marés de visitas no "The Braganza Mothers", e publicámos uma hiperligação para ESTE VÍDEO, bem mais interessante do que o do Comando.
Em forma de parêntesis, tenho de dizer que o vídeo, antes de começarmos, há um ano e tal, a sua divulgação maciça, tinha umas miseráveis 60 (!) visitas. Antes de acabar este mês, tudo indica que deverá chegar aos 20 000... O nosso objectivo, óbvio, era a sua visualização por 10 000 000 de Portugueses, e por toda a gente que entende Português, e percebe a gravidade do que lá está contido.
O que se segue é mais sombrio: sempre que se teclava, no "Google" a frase "Primeiro Comando Portugal vídeo", numa das dez primeiras posições disparava o nosso "post"..., o que aumentou brutalmente o número de pessoas que foram forçadas a ver o que eram os verdadeiros Comandos de Portugal, como funcionavam, e como provavam a promiscuidade reinante entre Poderes Políticos e Poderes Jurídicos.
Vem agora o curioso: desde hoje de manhã que, ao escrever a mesma busca no "Google", desapareceu a hiperligação.
Como não sou crente, não acredito em milagres; como cínico, vislumbro braços longos.
Aparentemente, há coisas que têm tais poderes que podem chegar a influenciar motores globais de busca...
Não não é já só o "Casa Pia", é todo um polvo gigantesco, como qual teremos de contar.
Quanto ao "post", será resposto, e desde já vos aconselho a gravar o vídeo e a difundi-lo por "post" e email: brevemente também virá alguma mão fazê-lo estranhamente desaparecer do http://www.sapo.pt/, e provar que nunca, jamais, nada daquilo foi dito, aconteceu, e muito menos, passou num canal de televisão.
Boa noite, e cuidem-se: ELES nunca dormem...
(Pentágono de alerta, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e em "The Braganza Mothers")

24.9.08

Eu VOTO mas não nesta gente

Tenho recebido algumas “críticas” por perder tempo com o supérfluo, como é o caso da Manuela Ferreira Leite, quando o importante é atacar o Engenheiro e os seus socretinos. Compreendo que haja quem esteja muito zangado com o “menino doiro” e o queira ver perder as eleições, que o queira ver morder a poeira do chão nas próximas eleições, compreendo porque também eu o quero. Mas, isso é só um prazer de vingança pessoal, porque o que eu realmente quero é que seja o sistema onde se instalou que caia. Não quero deixar de ver a cara dele para ver a da Manuela ou a do Portas ou de outro do mesmo género. O que eu quero é ver perder o Balsemão e os seus Bilderbergs. Quero ver derrotada esta comunicação social que nos engana todos os dias, quero ver uma escola pública onde se ensine, um sistema de saúde que sirva as populações, um país que não seja o Inatel da Europa. Quero ver o Sr. Silva aflito a balbuciar disparates sem saber o que fazer, o João Jardim a dizer que vai invadir o “Contenente”. É por isso que, ao criticar toda esta corja que por aí anda, quero criticar o sistema que os segura e que defendem. Quero fazer tremer a Europa dos Sarkozis e dos Berlusconis, quero deixar de ser governado pelas suas leis e directrizes, quero voltar a ter esperança no meu país. Quero ver o nosso “Zé Povinho” voltar a fazer-lhes um manguito.

Por tudo isto irei votar quando chegar a hora e fiz esta imagem, (que coloquei também na coluna da direita) para apelar ao voto contra esta gente. A abstenção não é solução porque lhes garante o poleiro, só mesmo o voto contra os pode derrotar.

Post copiado do Kaos

COMENTÁRIO: A luta vai ser dura mas para o bem deste país não podemos ter medo de mudar. Não podemos estar obtusos e colados à clubite partidária. Eleger um governo não deve ser uma acção desmedida de razão. Espero que a mentalidade do voto com palas de burro seja uma miragem e que o meu querido país ultrapasse este calvário de corruptos e incompetentes Rosas e Laranjas.


VAI BUSCAR!!!

O deputado socialista Paulo Pedroso e o seu irmão, o advogado João Pedroso, perderam o recurso interposto no Tribunal da Relação de Lisboa, após serem condenados a pagar uma indemnização de 2500 euros, numa primeira instância, ao autor do blogue Do Portugal Profundo, António Caldeira.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO ACIMA DE TUDO;

UMA VITÓRIA PARA A BLOGOSFERA;


23.9.08

Corrupção. Hidra imbatível?

Do Diário de Notícias de hoje extrai-se o seguinte

Há mais de 900 processos de corrupção pendentes em Portugal
Inês David Bastos

Investigação. Boa parte diz respeito, também, a peculato e branqueamento.
Um total de 925 inquéritos sobre corrupção, participação em negócio, branqueamento de capitais, peculato e crimes cometidos no exercício de funções públicas estão pendentes nos quatro distritos judiciais do País, revelam dados da Procuradoria-Geral da República (PGR), revelados ontem pela Lusa.

Destes 925 inquéritos, 427 (cerca de 46%) estão pendentes no distrito judicial de Lisboa, sendo que 213 são de corrupção, 155 de peculato, 12 de participação económica em negócio e 47 de branqueamento de capitais.

Alguns exemplos:
Neste número não estão incluídos os processos a cargo da Unidade Especial constituída no âmbito da Procuradoria (para investigações à Câmara Municipal de Lisboa), que, embora estejam registados no distrito judicial de Lisboa, têm tratamento autónomo.

No âmbito do combate à corrupção e à criminalidade económico-financeira, no distrito judicial de Coimbra estão pendentes 182 inquéritos: 87 por corrupção, 37 por peculato, 48 por outros crimes cometidos no exercício de funções públicas e 10 de branqueamento.

No Porto, dos 179 inquéritos pendentes, cerca de 60% (107) dizem respeito a corrupção, seguindo-se peculato (49), participação em negócio (10) e branqueamento (13).

Cento e trinta e sete inquéritos estão sob investigação no distrito judicial de Évora, sendo que 74 são de corrupção, 35 de peculato, 20 de outros crimes cometidos no exercício de funções públicas e oito de branqueamento.

Este levantamento foi feito pelos procuradores-gerais distritais na sequência de deliberações tomadas pelo Conselho Superior do Ministério Público em 11 de Março e 21 de Maio e surgiu no seguimento de uma iniciativa do advogado e vogal do Conselho João Correia, tendo o Conselho concordado com a necessidade de se acompanhar de perto a actividade do MP nesta matéria e de, periodicamente, dar conhecimento da acção desenvolvida.

Vários intervenientes na área da investigação, nomeadamente o próprio PGR, Pinto Monteiro, têm avisado que as alterações ao Código de Processo Penal - segredo de justiça e novos prazos de investigação - põem em risco muitos dos processos que estão em curso.| LUSA

NOTA: Não me atrevo a fazer um prognóstico do resultado de tanto trabalho de investigação em curso. Pelo que se conhece de casos mediáticos anteriores, posso garantir que, contando todo esse trabalho, cada uma das poucas condenações que surgirão, representa o resultado de um investimento em trabalho da PGR de muitos milhares de euros.

Valerá a pena tanto «investimento» para resultados tão insignificantes? Qual foi o resultado do esforço da Alta Autoridade contra a corrupção que existiu há décadas?

Os mais cépticos – ou realistas – dizem que o crime de colarinho branco fica sempre impune.

Parece que não há cidadão com boa formação moral que não advogue a erradicação de tal hidra, de qualquer forma. Claro que, nas excepções, se podem encontrar muitos políticos que o podiam ter feito e têm adiado sucessivamente a tomada de medidas eficazes. E, quando nos queiram convencer que as tomaram, elas não terão sido minimamente eficazes, o que é lógico porque não seria sensato matarem a «galinha dos ovos de ouro»!!!

Poderá, na melhor hipótese, sair uma lei tão «eficaz» como a das armas, as sucessivas alterações do Código das Estradas, da toxicodependência, da reformulação da Justiça, das Forças de Segurança, e as referentes a muitas outras pragas que aniquilam o património humano, social e moral de Portugal!

Para os interessados e com tempo disponível, informa-se que, sobre este assunto, da corrupção, muito se tem aqui publicado. Seguem-se os links de 14 posts do blogue «Do Miradouro» com esta palavra no título, mas há muitos mais que abordam o tema e constam da relação dada pelo blog quando se pede a pesquisa de «corrupção».

- Corrupção cresce
- No Auge da Corrupção
- A corrupção por cá
- A corrupção e a deontologia dos jornalistas
- Corrupção. Porém, ela existe!
- Corrupção. PR voltou ao assunto
- Corrupção em vários níveis
- Corrupção de novo adiada
- Antigo professor foi acusado de corrupção
- É difícil o combate à corrupção
- Combate à corrupção?
- Corrupção. a ponta do iceberg?
- Sócrates, Mendes e a corrupção
- Corrupção. Falta de vontade política

A triste história de uma porteira de mau porte que andava amigada com um Cabo Raso do 1º Regimento de Vilar de Maçada

Imagem do KAOS
É público que adoro Lurdes Rodrigues e o seu explicando, José Sócrates.
Já escrevi quilómetros de coisas contra a mulher, algumas delas que já deram a volta ao Mundo, ao ponto de me as reenviarem por email, como se não tivesse sido eu o autor... Hoje, pelo contrário, venho dizer bem dela, por uma razão simples: porque sou um romântico incurável, e num momento grave, como o que atravessamos, comoveu-me ver o "Engenheiro", cujos gritos já não impressionam ninguém, e só levam as vizinhas de baixo a bater com a vassoura no tecto, sempre que ele entra em hipoglicemia política... comoveu-me vê-lo de mão dada com Lurdes Rodrigues, sinal de que já nem em Paulo Pedroso confia, apesar de o Estado ir fazer nele um valente esforço de reequipamento de 100 000 €, como se qualquer má reputação se pudesse comprar com cosméticas financeiras...
Gosto de mulheres assim, que surgem nos momentos difíceis da vida de um homem, lhe dão a mão e se sujeitam a aparecer em público com ele, mostrando que, no fundo de cada coração feminino, há sempre uma discreta Penélope, à espera do seu Ulisses.
Maria de Lurdes Rodrigues, dizem os que com ela privam, é uma mulher dócil, tão capaz de ter em casa um marido, corcovado, como 50 gatos, daqueles que empestam uma escada, e estão aluados o ano inteiro.
Como não conheço o marido, optei, nesta ficção, pelos 50 gatos.
Há um ditado que reza que, com os anos, todos os donos se começam a assemelhar com os seus animais, e vice-versa. Presentemente, Lurdes Rodrigues, vítima de uma gravíssima explosão ocorrida há uns quantos meses, em que foi dada como morta, perante 100 000 testemunhas, é a prova viva de que a Medicina da Comunicação tudo pode, e o esforço de plásticas atrás de plásticas, conseguiu que ela recuperasse um pouco daquela figura imponente, sedutora e magnética, que nos levava para diante das televisões, como se as "Twin Towers" estivessem para vir abaixo outra vez.
A verdade é que ressuscitou e anda aluada, como os seus 50 gatos.
Aliás, anda aluada ela e o gajo que costumam tratar por "Engenheiro": não se fala senão de "Sucesso", na Educação, e consta por aí que já há qualquer coisa a "rolar" entre eles... Também era tempo, e não se espantem, se, lá mais para o Outono, ele aparecer de "balão", como a vitelinha da Sarah Palin, nova prova de coragem de ambos, já que, como Ferreira Leite anunciou, "urbi et orbi", o casamento é mesmo para procriar.
Adorava ver o Sócrates a fazer o papel da saloia prenhuda, de chancas, e com a cinta de ligas a aparecer por baixo, depois de inseminado pela sua bela Vaca Charolesa...
Suponho que a criança venha a ter necessidades educativas especiais, mas isso, hoje em dia, é irrelevante, já que funciona tudo ao molho e fé em deus, e logo veremos, quando o momento chegar.
No entanto, não é nada disso que aqui me traz: venho só dizer que AMO o amor que une ambos em público, e que revela que, finalmente, o sebastiânico sonho do Eng. Guterres, a "Paixão da Educação", vai, com 13 anos de atraso, arrancar.
Irá haver milhões para escolas "high-tech", com os professores a cair da tripeça e uma população que continua no nível cultural e intelectual da "Liga dos Últimos", mas isso é totalmente irrelevante, já que, dentro de meia dúzia de anos, talvez menos, tudo será computadores e quadros interactivos, e todos os alunos do 9º Ano irão ter aprovação, quer seja com o abaixamento da fasquia dos exames, quer seja nas Novas Oportunidades, quer seja por terem passado a integrar o contingente dos "Maiores de 23". Em último caso, se a coisa não funcionar mesmo, faz-se um "franchising" com a (extinta) Universidade "Independente", e a coisa passa à pressão, e "cum laude", ou compram-se os árbitros.
Sinceramente, gosto desta espécie de Presidência Aberta que a Lurdes e o Zé andam a fazer pelo País governado pelo Primeiro Comando de Portugal: para mim, que não sou religioso, assemelha-se à Via Crucis do Senhor Santo Cristo, com todas as etapas e apeadeiros da sua errância escatológica, com a pequena diferença de que, no final, os crucificados não serão eles, mas... todos nós.
Com a Educação não se brinca, e nós perdemos qualquer dos comboios possíveis, excepto o da cosmética, que vai em marcha acelerada contra um paredão que todos nós já conhecemos, uma célebre muralha impenetrável, chamada Cauda da Europa.
Nem tudo, no entanto, podem ser rosas, e eu ando numa fase de voltar a provocar os meus leitores, que andam demasiado anestesiados com uma realidade que já se lhes tornou insuportável, e aqui venho eu, com um final para me comerem vivo: ao contrário da maioria dos docentes deste país, não considero Lurdes Rudrigues uma mulher mal informada. Pelo contrário, acho que é das pessoas com maior quantidade de informação sobre a "Coisa" Educativa, uma espécie de lamaçal, que, se tivessem de lhe analisar a "Caixa Negra", como fazem com os acidentes de aviação, iam levar 5 séculos a descodificar toda a trampa que se enredou lá dentro...
O mal de Lurdes Rodrigues não é saber pouco, é saber demasiado, e conhecer até ao tutano certas coisas que as pessoas em causa odeiam que se saibam. Não é nisso que peca, é no mau uso que faz da informação excessiva que lhe forneceram.
Ontem, se não me engano, e a provar isto, veio enfiar aquela mãozinha sapuda dela, de quem lavou muitas escadas com sabão amarelo, numa das feridas mais bem guardadas do Sistema, o flagelo das "Explicações", e de como muito boa gente, aproveitando-se da menor mancha que a leccionação lhes ocupa na vida, adora ter os horários arrumadinhos, de manhã, para ficar "despachadinho/a", e depois ir para casa, enfardar meninos e meninas a quem tornou a vida num inferno, na sala de aula, ou a cumprir a tarefa de treinador/a para os exames, coisa que rende fortunas, com muita da gente que torna os exames enigmáticos e intransponíveis, a ser a mesma, que, a soldo de ouro, depois oleia as engrenagens dos pobres diabos que a eles se têm de submeter. Matemática, Física e coisas congéneres, então, parece que são a galinha dos ovos de ouro. Oficiosamente, há empresas que se dedicam a esse tráfico do Intelecto; particularmente, muitas mesas redondas, com naperon de renda por cima, encobrem uma autêntica economia paralela, que foge ao Fisco, saqueia os Pais, torna explicativo-dependentes os Filhos, e arruina a seriedade do Sistema Público de Ensino, já que o carrasco da aula é, depois, o enfermeiro que, muito solícito, vai a casa.
O paralelo com isto só tem igual nos médicos que, a soldo do Estado, escolhem os melhores doentes, para depois os espremerem nas suas clínicas e consultórios privados, ou noutras tantas outras coisas, que vocês conhecem tão bem como eu, e assim foram tornando este País num angustiante estertor do Terceiro Mundo...
Para que não se sintam desconfortáveis, já que este é um texto notoriamente de provocação, fica-vos o consolo dos aflitos: não fosse a mão dócil da querida Milú, e não se sabe como o seu "explicando" Sócrates teria chegado ao "Diploma" e ao "MBA".
Sabe-se lá com o que terá pago a "explicação": a meu ver, foi com uma Pasta Ministerial, eventualmente a da Educação, mas eu sou uma má-língua, não sou?... Sim, escusam de responder, eu sei que sou: eu sou um genuíno fruto do Sistema de Ensino Português, oh, oh, se sou...
(Pentágono esotérico, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e em "The Braganza Mothers")

20.9.08

O Primeiro Comando de Portugal e a "Nomenklatura" da III República

Imagem KAOS
Hoje é uma daqueles dias difíceis, em que me encontro encurralado, na situação de ter de me pronunciar sobre um assunto que é um enigmático "puzzle", para mim, e, ainda por cima, um "puzzle" do qual só tenho algumas peças, que nem sequer encaixam.
Hoje de manhã, antes de ter sido retirado do Youtube, tive a oportunidade de ver o vídeo do Primeiro Comando de Portugal: àparte uma parvoíce, em que uns rapazes brasileiros simulavam encostar uma faca ao pescoço uns dos outros, era uma das muitas produções caseiras que os nossos amigos do outro lado do Oceano produzem, em massa.
Os Brasileiros, ao contrário deste Sepúlcro Mental, em que nos encafuámos, há séculos, são sinónimo de expansão, de alegria e de à-vontade com o corpo. Teríamos de aprender muito, a ser felizes com muito pouco, em vez de andarmos com o nosso permanente ar de gatos pingados, e enjoados do passa-fome.
Enquanto escritor e poeta defendo, com radicalidade, que a vida do sotaque português, a querer comparar-se com a jactância das pronúncias espanhola, francesa, inglesa, ou alemã, por exemplo, só encontra paralelo no Hemisfério Sul, onde trocámos o falar para dentro e o che-che-che e o ão-ão-ão, que todos os entrangeiros gozam descaradamente, por uma língua exuberante, contagiante, e capaz de tirar qualquer um do sério.
Tudo isso tem um preço social, e todos sabemos qual é. Independentemente disso, e desde que me divorciei de Paris, considero o Brasil o meu segundo país, até mais ver, e estou a pensar comprar uma casa no Leblon, onde vivo num misto de Lutécia e Nova Iorque, com temperaturas fantásticas, e gente educadíssima, a relembrar-me, constantemente, que nasci num país arruinado e decadente. Volto a repetir: até mais ver...
Quanto aos "gangs", já aqui falámos deles por diversas vezes, e vou regressar enviesadamente ao assunto. Por força das circunstâncias, tornei-me céptico e cínico. Desconfio de jornais que assentam em vídeos do Youtube, que, mal são publicados desaparecem. Tenho pena de não ter feito o habitual "download", senão voltava a chapá-lo no sítio original, ou aqui.
É uma questão de tempo e de eu ir às minhas... fontes.
O resto são fragmentos: mais uma vez, repito, me enerva solenemente que descarreguem as energias sobre os tentáculos menores do Polvo. Este Verão, como a cegada dos Fogos já não pegava, alguém pôs gente a mando, para mostrar aos Portugueses que, se os fogos não lhes faziam arder as suas barracas de betão do subúrbio, já um assalto no banco ou na pastelaria da esquina lhes dizia directamente respeito. E disse.
Quem montou a campanha montou-a bem, e tenho de reconhecer que conseguiu uma coisa rara em mim, geralmente insensível a esses estímulos, que foi sentir ainda maior desprezo pelo "Cérebro Operacional" da Coisa. Fica registado.
Já aqui falei das "pessoas a mando", instituição muito antiga em Portugal, que é dar uns trocos para partir uns braços, uns murros na cara, ou pregar um susto. É fácil, barato e dá milhões. Os Senhores Pinto da Costa, que vamos indemnizar, e o outro cafre, o Valentim Loureiro, sabem bem com a coisa se faz. Até eu poderia saber, se me apetecesse, mas não me apetece.
A realidade é que, com o Desemprego num nível insuportável, com o subemprego em níveis indecentes -- tenho amigos brasileiros, "gente fina", como eles dizem, que têm de saltar de um lugar para o outro, para assegurar dois postos de trabalho... -- daqueles nos quais os Portugueses, gente reles, já não pega. Em qualquer restaurante, ou balcão, imediatamente distinguimos a simpatia, de um brasileiro, do toca-a-despachar do taberneiro ou da vaca portuguesa.
A hora má soa quando o desemprego também bate à porta dos imigrados: esses são a massa fácil para os "crimes a mando de". São baratos, disponíveis, e podem orquestrar um Verão Quente, de velhinhas assustadas, e "barbies" "carjackinadas" às portas de apartamentos comprados com dinheiros duvidosos.
Em São Paulo, matar o bandido que tenta entrar na casa, por cima das vedações electrificadas e dos holofotes, que acendem com sensores, é considerado legítima defesa. Cá, onde os Códigos Penais são alterados para proteger determinados crimes de determinadas pessoas, Códigos Penais feitos à medida, o juíz é interpelado pela polícia e põe o "malandro" imediatamente na rua. É normal que o "malandro" passe palavra, e diga "cara, aqui policial não mata, e juiz liberta logo você!..."
Até eu me tornava marginal Brasileiro, num país destes...
Desconheço a realidade do tal Primeiro Comando de Portugal, e até pode ser a pior coisa do mundo. A verdade é que o tratamento jornalístico dado ao tema irá envenenar, ainda mais, as já tensas relações entre as comunidades do instável País Multicultural. Não é inócuo que ontem -- eu não vi -- estava a "esnobar" duas putas alemãs que tinham vindo engatar para a Baixa de Cascais e que achavam que eu era o alvo ideal para elas: deviam pertencer ao Primeiro Comando Alemão do "Viémos para ser Aviadas". Tiveram azar, mas vamos adiante: parece que passava na televisão uma coisa velha como o Mundo, de um preto que tinha "seqüestrado" um "ónibus" na Cidade Maravilhosa. Essa merdunça passou na SIC, a televisão do Patrão de Bilberberg, e obviamente não estava a dar pistas, pois não, para a próxima coisa a acontecer em Lisboa e Vale do Tejo: um malandrão de São Paulo, a apontar uma pistola à cabeça de um gajo da Carris, e a manter prisioneiras umas velhas com as partes mal lavadas, e uns drogados sem dentes, que iam buscar a dose à Rua do Benformoso.
Tudo isto hipóteses, claro, porque eu até sou ceguinho.
Ora, uma coisa destas, entre outras, vai ter consequências, e vamos às que nos tocam directamente. Por acaso, durante a pequena parte do Verão em que estive em Portugal, cruzei-me com dois mafiosos desses presumível "gang", que estavam onde menos deviam estar, na praia, e parece que são exímios em assaltos, como a Polícia Marítima da Fonte da Telha sabe tão bem como eu. O Carro era vermelho, demasiado novo para o tipo de ocupantes de má catadura que os ocupava, e o discurso reles, ao nível do "Major" Valentim Loureiro. Deviam ter pensado que aquilo era Gondomar, mas não era, era a arriba fóssil da Caparica, e eles eram lixo humano em cenário impróprio... Outro episódio, que desconhecem, mas que vem a talho de foice, é que um dos nosso colegas de blogue, com formação, por acaso, para além da correntemente civil, esteve com uma pistola apontada à cabeça, demasiado tempo, durante um desses assaltos, que se banalizaram.... Mais não posso contar, mas não gostei do episódio nem da sua descrição: três profissionais, encapuçados, nada de amadorismo, nem nos métodos, nem nas palavras, nem nos disfarces, nem no treino: botas militarizadas, uniformes sérios e duas peles brancas e uma negra.
Vem agora a parte mais dúbia: se agem a mando de quem, quem é que os manda agir?
E a pergunta seguinte é: se os mesmos investigadores que, há muito, sabem de organizações deste tipo, por que não agem, como por exemplo, agiram, quando se tratou de associações, como a de Mário Machado, e os "Hammerskins", que, aliás, já estão a fazer a leitura radical do cenário, como poderão confirmar aqui? Acontece que os primeiros estavam a preparar-se para espalhar o terror na População Portuguesa, enquanto os segundos já tinham uma lista, muito pragmática, dos responsáveis políticos a abater... Como se pode imaginar, a prioridade não foi a defesa das populações mas a dos... Políticos. Prisão, pois.
Os nossos Políticos em muito pouco divergem dos Brasileiros: têm menos recursos, um cu de terra, mas sabem bem os sentidos dos "mensalões", dos desviar os dinheiros públicos, e de serem cabecilhas de tudo o que é rede de tráfico de gente, armas e droga. Se há brasileiros sem papéis e cadastro em Portugal, perguntem-lhes quem os meteu cá e com que intenções. Se os bordéis estão cheios de escravas brasileiras, perguntem-lhes quem são os clientes, identifiquem-nos, um a um, e tornem públicos os nomes. Se há gente que vai à Bahia lançar os búzios, para saber como vai "rolar" o ano -- agarra, Cavaco, esta é direitinha para ti!... -- em nada diverge dos Congressistas e Senadores Brasileiros, e já que a hora é tardia, a minha proposta era que, em vez de andarem a sacrificar e a imolar peões de ambos os lados -- esta semana já se suicidaram mais três polícias e um GNR... -- e em vez de nos andarem a transmitir a morte em directo, como no caso do BES, as forças especiais avançassem, com o GOE, a Judiciária, o SIS, e tudo o que investiga em Portugal, pela Assembleia da República, passassem a pente fino as conexões, os negócios, as acumulações, o quem paga o quê a quem, as sociedades secretas, e limpassem, de vez, o País desse "Primeiro Comando de Portugal", que já está instalado, há demasiado tempo nas Bancadas do Poder.
Nós agradecemos.
Sinceramente.

19.9.08

Da Instabilidade Crescente das Caixas de Comentários à Coacção Assumida da Liberdade de Expressão

Imagem do KAOS
Antes de mais, uma saudação ao "Democracia em Portugal", que voltou a reabrir as portas, justamente num momento crítico, em que somos poucos para uma terrível maré que por aí vem.
As coisas correm com uma velocidade que ultrapassa, em muito, as ordens "superiores" de disciplinar a Visão da Realidade que dominam os tradicionais Meios de Comunicação Social, nalgumas esferas já tratados como "Meios de Intoxicação Social".
Explicitando, e exemplificando, aquilo que, ontem, se assemelhava a uma incontrolável desordem do Sistema Financeiro, já começa hoje a deixar cair a máscara e a surgir como um cenário "catastrofista" onde o cidadão comum ajoelhará, perderá um pouco mais, e achará natural, enquanto os Grandes são devorados pelos Super-Grandes, e uma espécie de Cartel da Especulação toma forma, num Mundo devastado pelo Desemprego, pela Escravidão, pelos papéis em forma de "Diploma", e de endividados até à Quinta Geração.
O Ministro das Finanças, ou da Economia, não vi, contaram-me, do Reino Unido, já soltou a sinistra frase que rege Bilderberg: "Tudo, mas TUDO faremos, para garantir a estabilidade do Sistema Financeiro..." Ora, para mim, que sou tendencialmente Sindromático de Dawn, imediatamente saquei de um guardanapo, enquanto jantava em Cascais, e escrevi "Tudo mas TUDO=GUERRA".
Sim, eu sei que isso é de La Palisse, mas tudo, hoje em dia é de La Palisse, excepto o descaramento com que nos servem a "pizza", embora, revendo esta fantástica súmula do Tratado de Bilderberg, está lá claramente dito que, em que caso de Crise, a precedência, vai, de facto, para a Estabilidade dos Mercados. Ora, a Europa Utopista, filha do Iluminismo Tardio, e que era ensinada nas escolas, quando ainda havia escolas, e não mercados de peixe podre, onde a Dona Lurdes, Porteira, agora vende o declínio da Cultura Portuguesa e o apogeu das técnicas de enfardamento chinês, desapareceu.
Tinha sido fundada com um fundamento, que era terminar com todas as Guerras.
A Nova Europa, dogmática, parda, esclavagista, inculta, drogada, egoísta, devastada e totalitária, apenas sonha com a establidade dos "Mercados", não dos Mercados onde você ia comprar carne, legumes e fruta, mas com o Mercado onde o Capital desenfreado vai lavar os lucros duvidosos, disfarçar falências, e criar Mega-Instituições, que amanhã lhe venderão livros escolares, bifes, e meia-assoalhada a crédito de 80 meses e 80 anos, com juros infinitamente maiores do que os empréstimos.
Na Idade Média, os escravos eram marcados com um ferro em brasa: hoje em dia, chapam-lhes com um "chip" de Lista Negra de Insolvência das necessidades do Quotidiano.
Ora, tudo o que eu acabei de escrever é perigoso, perigosíssimo, porque se trata de uma autópsia antecipada de um Frankenstein que eles ainda estão a montar, mas nós já começámos a esquartejar.
É o papel histórico do Livre Pensamento, e a Coroa de Glória do seu mais recente meio de expressão, a Blogosfera, pelo que a Blogosfera, mais do que qualquer frente de batalha, é hoje um alvo que será submetido a terríveis provações e exercícios de diversão nunca dantes navegados, tão-só porque, ao contrário das pressões sobre jornalistas, não é controlável.
A técnica está em muitos manuais da retórica bélica, e basta folheá-los, um a um: ponham-lhes, pelo meio, uns Processadores da Intel, uns monitores TFT, uns ratos ópticos, e teremos Maquiavel, em todo o seu esplendor.
Há uns pessimistas que dizem que "Mein Kampf" anda agora a ser relido por quem não devia, e os Manuais de Beria, e da Besta Estaline tornaram-se, de novo, actualíssimos. Os meios, de facto, assemelham-se, e parece que regressámos aos tempos do Livrinho Vermelho do Camarada Mao, e às eras em que os infiltrados da PIDE se enfiavam pelos cafés e começavam a falar, muito alto, contra a "Situação", para ver quem eram os parolos que, pela oralidade ou pela expressão facial, caíam na armadilha. Durão Barroso, uma das coisas mais sinistras que a Matriz Lusitana produziu, era nisso exímio, e a tal se deve o reles cargo que ousou assumir: dizem as más-línguas que chegou a estar simultaneamente inscrito em Direito e em Letras, para melhor poder sabotar as reuniões de efervescência académica.
Agora, eu vou passar do implícito ao explícito: gozando de uma invulgar liberdade e popularidade, espaços como as caixas de comentários do "Do Portugal Profundo" tornaram-se em campos de torneio de tal ordem que acabaram nas barras dos Tribunais do Santo Ofício, vulgo, "Justiça Portuguesa". É-me cada vez mais penoso ir lá, e escrever o que quer que seja, porque o amontoado de lixo é tal que qualquer intervenção que queira ser pertinente é imediatamente afundada pela maré negra que lá reina.
O processo também é clássico: os "agitadores" têm, como função, desviar a atenção do essencial para uns certos arredores. "A la limite", conseguem desorientar o próprio dono do espaço, e quando se entra no nível da interpelação pessoal, da ameaça física, do "bullying" e do "cyberbullying", a vontade é de, como no "Democracia em Portugal", de deixar de escrever. Esse é, obviamente, o objectivo do desestabilizador ou desestabilizadores, e eles não perdoam.
Este é um tema que tenho tentado abordar, mas esperei que amadurecesse, e está, como previsto, a amadurecer: no "We Have Kaos in the Garden", outro dos lugares altamente polémicos, pelo imediatismo e qualidade das intervenções imagéticas e de texto, o clima de desordem das caixas de comentários tem vindo a tornar-se efervescente. Contas feitas, e tudo espremido, para lá dos genuínos gestos de apreço e dos aplausos, ao que se assiste agora é a uma série de "sombras", que procuram desviar a atenção da temática abordada, para as suas pequenas quezílias, conseguindo, a médio prazo, paralisar qualquer tipo de diálogo, e evitar que temas candentes ali sofram desenvolvimento, ou que o autor perca tempo a responder a disparates, em vez de CRIAR, a arma mais nociva que ele tem contra essa escumalha escrevinhadora.
É clássico, e premeditado, maligno e coercivo.
Se estivéssemos na Atmosfera, corresponderia a tentativas de boicotar uma reunião, e tenderia para uma limitação da Liberdade de Expressão.
Em termos de níveis sonoros, o processo corresponde à diferença entre SOM e RUÍDO.
Caros colegas, que participais em espaços polémicos, como os já citados, e lhes acrescento agora "A Sinistra Ministra" e "The Braganza Mothers": como já tive oportunidade de escrever AQUI, há uma tipologia dos comentários, facilmente classificável, numa Axiomática de Lineu, e já descontando as patologias próprias de cada um dos nossos espaços de intervenção específicos, com aquelas pequenas sombras, que insistem em perpetuar as suas pequenas frustrações e vinganças de cozinha, e essa proliferação dos comentários erráticos, em crescente tom de violência e ameaça, nada mais ouvimos do que RUÍDO, mas um ruído, em nada, inocente: é uma tremenda e imparável tentativa de importar, do Mundo Quotidiano, para a Noosfera, lúgubres técnicas de Coacção da Liberdade de Expressão.
Aqui fica lançado o aviso, porque em plena guerra já estamos: somos perigosos para assegurar "a Estabilidade dos Mercados", sobretudo do Mercado das Ideias Feitas e do Politicamente Correcto, o pior lesa-majestade em que poderíamos incorrer.
Força e coragem, porque nós não estamos sós.

(Pentágono esotérico, no "Arrebenta-SOL", no "A Sinistra Ministra", no "Democracia em Portugal", no "KLANDESTINO", e no "The Braganza Mothers")

15.9.08

Olha eu ali tb

Público, 10 de Setembro de 2008

Por motivos de cancelamento (cancelado) este artigo vem atrasado. lol

Olha tantas caras conhecidas da luta da blogosfera contra os poderes instalados. A nossa voz já se faz sentir.


No comments

Por motivos pessoais não faço mais comentários a este assunto.

Um aparte - um abraço para o nº anónimo que me ligou hoje a fazer-se passar por uma jornalista do JN. Estava mal informada. Não me apanhou. O verdadeiro jornalista falou comigo há uns dias...

DESCULPEM

Peço desculpa.
Peço desculpa a todos os que se sentiram enganados pela minha fraqueza.
Peço desculpa aos que também perderam a vontade de lutar.
Peço desculpa aos meus alunos.
Peço desculpa aos meus futuros alunos.
Peço desculpa a todos os colegas solidários.
Peço desculpa à comunicação social que me deu mostras de estar atenta ao blog
Peço desculpa aos que me insultam sistematicamente por emails anónimos.
Peço desculpa aos que se sentem ofendidos por eu revelar a sua imagem.
Peço desculpa à Sra. Ministra.
Peço desculpa ao país.

Hoje mesmo tomei a decisão de me contrariar. Hoje demonstro que não passo de um ser que comete erros. Hoje transformo-me. Hoje volto a sorrir.

O Democracia em Portugal reabriu


Prometo que a partir de hoje vou lutar com todas as minhas forças.

Pelos princípios de vida que os meus pais me transmitiram.

Pelas vivências que os meus Professores me proporcionaram.

Pelas amizades que construí.

Pelo futuro das minhas filhas.


Desculpem filhas por ter tido um momento de fraqueza e ter posto a minha paz à frente da luta pela vossa vida.

Vou lutar.

O ensino é mais complexo do que os políticos pensam

Peço ao administrador deste blog que não desista de lutar ou que, pelo menos, deixe aos colaboradores espaço para continuarem a missão deste «órgão» de serviço público na função de colaboração com os portugueses, no sentido de melhorar o futuro do País. Nesta ordem de ideias, tomo a ousadia de trazer aqui o post que hoje coloquei no Do Miradouro.
Espero ser amnistiado por esta desobediência ao amigo Tiago Soares Carneiro. Provavelmente, o General Soares Carneiro, que pelo apelido parece ser seu parente, e que conheci quando ele era jovem capitão, me desculparia, atendendo à intenção!!!

Depois do post «Reagir pela positiva» e de outros anteriores, deparei hoje, dia da abertura das aulas, com dois textos interessantes que ajudam a melhor compreender o problema e a forma como este está a ser encarado pelos políticos.

O milagre socrático na educação

Sofia Barrocas
Em Global Notícias 080915. Editora-executiva da ‘Notícias Magazine’

Milhares de estudantes e professores começam hoje um novo ano escolar que o Governo gostaria que deixasse uma imagem de idílico: alunos “de ponta” especializados em informática graças à distribuição dos Magalhães a custo reduzido, crianças bilingues devido à introdução do Inglês curricular nos primeiros anos, adolescentes esclarecidos mercê das novas aulas de Saúde agora com a componente de Educação Sexual, melhoras espectaculares nos resultados dos exames nacionais de Português e Matemática convenientemente “almofadados” pelas provas intercalares que dão a medida do saber (?) dos alunos e permitem a elaboração de enunciados finais “à medida” para o sucesso escolar que se pretende.
Um verdadeiro “milagre socrático” na Educação que, infelizmente, deixa a sensação de não ter tradução na vida real das escolas.

Políticos inspiram-se na 3.ª classe

Isabel Stilwell
Destak . Editorial 15 | 09 | 2008

Esta mania de inventar o que já foi inventado, pondo-lhe um nome novo é um tique nacional insuportável. Com a agravante de que a recriação é geralmente pior do que o original. Foi a conclusão a que cheguei ao (re)ler o Livro de Leitura da 3.ª Classe, agora reeditado. Nele existe matéria-prima para todos os discursos e declarações dos nossos políticos. Não resisto a dar algumas sugestões.
Cavaco Silva, por exemplo, tinha poupado esforço se, na visita ao Douro, se tivesse limitado a citar o texto da pág. 5: «É nossa Pátria todo o território sagrado que D. Afonso Henriques começou a talhar para a Nação Portuguesa, que tantos heróis defenderam com o seu sangue ou alagaram com sacrifício de suas vidas (...) Na Pátria estão os campos de ricas searas, os prados verdejantes, os bosques sombreados, as vinhas de cachos negros, os montes com as suas capelinhas votativas.»
José Sócrates, por seu lado, só tinha vantagem em usar o texto da pág. 161; «Com o Estado Novo (alterar para "o Governo socialista") abriu-se uma época de prosperidade e de grandeza. Começámos a ter dinheiro para todas as despesas do Estado (...) Os nossos campos foram mais bem cultivados. A nossa indústria tornou-se próspera, desenvolveu-se o comércio. Repararam-se as estradas. (...) Levou-se o telégrafo e o telefone (substituir por "o Magalhães") a muitas localidades (...). Construíram-se escolas, e hão-de construir-se as que forem precisas (...).» Depois de uma pausa, deixar cair a bomba: «agora os patrões e os operários entraram em boas relações e passaram a estimar-se e a auxiliar-se uns aos outros.»
Santana Lopes, que pondera candidatar-se a Lisboa, devia fazer uso do programa eleitoral descrito na pág. 130: «Os benefícios de que precisamos, tais como a protecção à escola, o arranjo das estradas e caminhos, a abertura de fontes e a construção de lavadouros, só podem conseguir-se (...) por pessoas aqui nascidas e criadas que tenham amor a tudo o que é nosso (...).» Convém que termine dizendo que, como o pai do Rui, o menino da história, todos os bons cidadãos «aceitam com a maior boa vontade os incómodos e sacrifícios, para que o País possa ser bem administrado». Esta, aliás, dava jeito a todos!

9.9.08

Último post do Democracia em Portugal. A vergonha que eu tenho em ser professor


Hoje, ao chegar a casa, tive uma notícia que me envergonhou enquanto
professor. Escrevo a palavra professor com letras pequenas porque é assim que me sinto.


Vou contar esta minha pena em dois episódios:

1ª parte - de manhã (08:30h), a fazer os 140km que me separam da escola, ouvi nas notícias a fantasia estatística glorificada pela Lurdes. O facilitismo é evidente mas a Dona jura a pés juntos que os resultados alterados drasticamente em 1 ou 2 anos mais não é do que o sucesso da política educativa do ministério da (des)educação.
Já há muito que me repugna o que várias pessoas ligadas a estes meandros dizem e não liguei muito pois nós, professores, somos meros peões deste tabuleiro.

2ª parte - cheguei a casa de trabalhar (21:00h), jantei com as minhas meninas e recebi um CHAPADÃO como nunca tinha recebido na minha vida profissional. Recebi uma notícia que me deixou com vergonha da profissão que exerço. Sou professor porque gosto e, apesar dos maus tratos infringidos à minha classe, cada vez gosto mais de dar aulas. Sou burro.
E então qual seria o facto que me fez abandonar a mesa e andar pela casa como um leão na jaula?
Afinal a Lurdes tem razão. Há mérito nos resultados. Não é facilitismo.

Fiquei a saber hoje (09 de Setembro de 2008) que há uma escola perto de Barcelos que decidiu no último conselho pedagógico que neste ano lectivo os alunos com 5 (sim, CINCO) negativas PASSAM.

Pois é!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Com 5 níveis inferiores a 3 passam todos.
E não é passagem administrativa. Não é em Conselho de Turma. É sempre.

COM CINCO NEGAS JÁ TRANSITOU.

.................................Passam todos................................................só com 5.

E ao fim de 3 anos no 7º ano passam com TODAS.

Eu estou parvo. Eu devo ser uma besta. Nem sei que nomes mais me devo chamar pois tenho lá amigos e não sei como poderei voltar a conviver com eles.
Sou burro.
Sou anormal.
Sou um palhaço.

Que coisa. Que vergonha eu tenho em ser professor.
Vou seriamente repensar a minha vida pois não posso continuar a defender a causa da boa Educação de um país que não quer ser educado.

Este é último post deste blog.

Peço aos restantes colaboradores que não escrevam mais aqui.

Este blog está encerrado.

As minhas filhas mereciam um futuro melhor.



Related Posts with Thumbnails