31.5.08

«Tachos dourados» e «reformas milionárias»

Tenho usado estas expressões há uns tempos a esta parte e vou recebendo provas de que não estou a exagerar nem a ser demasiado ousado nestes pontos de vista, porquanto são essas realidades que criam a injustiça social, aumentam o fosso entre os mais ricos e os mais pobres e geram crises económicas e financeiras perigosas para a sociedade em geral.

A União Europeia já tomou consciência da gravidade deste fenómeno e o Eurogrupo vai analisar se os prémios aos executivos pelos lucros de curto prazo têm contribuído para a crise financeira. Em meu entendimento, mesmo que não contribuam directamente para a crise financeira, contribuem sem dúvida para a imoralidade do regime e para a crise social que conduzirá, a breve prazo, a resultados catastróficos.

Apesar de não gostar de aqui publicar textos e idioma estrangeiro, transcrevo um artigo do El País, que é sugerido num link colocado no blog «Ecos e comentários» no post «ARTIGO DE MÁRIO CRESPO. DN 26/5/2008»

La UE cuestiona los sueldos de los ejecutivos
ELPAIS.com . Economía

El Eurogrupo analizará si los pluses ligados al corto plazo han contribuido a la crisis financiera
ANDREU MISSÉ - Bruselas - 11/05/2008

La Unión Europea ha puesto en el punto de mira los sueldos de los altos ejecutivos por su influencia en el agravamiento de la crisis financiera internacional. El Eurogrupo, que reúne a los ministros de Economía de la zona euro, analizará el próximo martes, en qué medida la remuneración de los directivos, en función de los beneficios a corto plazo, "puede contribuir a la adopción de riesgos desproporcionados" y al desequilibrio del sistema financiero. Varios países europeos como Alemania y Holanda están preparando medidas contra los pluses y primas supermillonarias.

Hay altos directivos que ganan mil veces más que sus empleados
Holanda defiende gravar con un 30% los bonos de más de 500.000 euros

En los documentos preparatorios del Eurogrupo se afirma: "La pregunta que hay que plantearse es si los incentivos procedentes de una estructura de remuneración centrada en objetivos de beneficios a corto plazo, más que en una rentabilidad sostenible, pueden haber contribuido a la toma de riesgos desproporcionados" en "el contexto de las turbulencias financieras". "La preocupación está", señala un técnico comunitario, "en si la obtención coyuntural de beneficios a costa de despidos masivos, o medidas que suponen un serio deterioro del medio ambiente", son los causantes del desequilibrio del sistema.

Es la primera vez que los ministros de Economía de los 15 países del euro debatirán sólo con argumentos económicos y financieros, los efectos perversos de la vinculación de los pluses de los ejecutivos (bonos, stock options y contratos blindados con indemnizaciones millonarias) a los rendimientos a corto plazo y su contribución a aumentar los riesgos de la estabilidad financiera internacional. Es decir, en qué medida la persecución de la rentabilidad a corto plazo ha contribuido a la crisis financiera.

La crítica a los supersueldos, ya se había suscitado en el seno del Eurogrupo, por razones éticas y morales, por su presidente, el primer ministro luxemburgués, Jean-Claude Juncker, líder del Partido Popular Social Cristiano. El verano pasado, Juncker planteó la necesidad de un debate sobre la distribución de la renta al señalar la contradicción de las propuestas de líderes políticos y económicos. "Continuamente", dijo Juncker, "pedimos a los interlocutores sociales la moderación salarial, pero los trabajadores ven que mientras a ellos les proponemos que sean moderados otros actores en la economía están disfrutando de aumentos ilimitados".

El presidente del Eurogrupo se sumó así a la línea defendida por el presidente del Banco Central Europeo, Jean-Claude Trichet, y a la postura del Parlamento Europeo. La Eurocámara ha expresado también su preocupación por las políticas de remuneración de los altos ejecutivos "que tienden a crecer de manera desproporcionada con los salarios ordinarios, lo que supone dar una señal equivocada y desmotiva el apoyo a una política salarial responsable".

Lo relevante del próximo debate en el Eurogrupo sobre los pluses de los altos ejecutivos es que no obedece a una motivación ética o moral, sino a una comprobación de que su vinculación a los objetivos de beneficio a corto plazo "pueden contribuir a aumentar la adopción de riesgos desproporcionados". El análisis de esta cuestión fue suscitada por el viceprimer ministro y titular de Finanzas holandés, el socialdemócrata Wouter Bos, el pasado noviembre. Bos impulsa una ley para gravar con un 30% los bonos de los ejecutivos superiores a los 500.000 euros.

También en Alemania la canciller Angela Merkel ha criticado los salarios de los altos ejecutivos del sector automovilístico, como el de 60 millones de euros del máximo directivo de Porsche, Wendelin Wiedeking. La canciller censuró el sistema de remuneración en el sector automovilístico de Estados Unidos, donde los ejecutivos ganan mil veces más que los empleados, frente al de Japón, donde los directivos ganan 20 veces más que los obreros.
La propuesta del Eurogrupo se basa en el informe elaborado por el Foro de Estabilidad Financiera (FSF), dependiente del G-7, que reúne a los ministros de Economía de los siete países más industrializados (Alemania, Francia, Reino Unido, Italia, Estados Unidos, Japón y Canadá). El FSF sugiere que "los reguladores y supervisores deberían trabajar con los participantes del mercado para mitigar los crecientes riesgos de las políticas de remuneración".
El Foro señala que "una de las características más sorprendentes de los recientes acontecimientos ha sido las importantes cantidades pagadas a los directivos en ciertas áreas de las empresas las cuales después han incurrido en grandes pérdidas cuando los riesgos se han materializado". El FSF afirma que "los convenios de compensación a menudo alientan la toma de riesgos desproporcionados sin tener en cuenta suficientemente los riesgos a largo plazo". "Este problema", añade, "podría ser disminuido si las empresas relacionaran fielmente los incentivos en su modelo de compensación a la rentabilidad a largo plazo".

Indemnizaciones supermillonarias

Los escándalos por las indemnizaciones supermillonarias a algunos ejecutivos después de una probada mala gestión han alentado el debate. Tal fue el caso de Noël Forgeard, ex copresidente de Defensa Aeronáutica Espacial Europea, sociedad de referencia del fabricante de Airbus, que recibió una indemnización de 8,5 millones de euros, a pesar de la grave crisis que sufrió la sociedad con anuncios de 10.000 despidos. Otro caso que provocó una fuerte polémica y acabó en los juzgados, aunque sin condenas, fue el convenio con primas por valor 57 millones al consejo de la empresa de telefonía alemana Mannesmann en el momento de la oferta de Vodafone. También el desastre de la fusión Sabena con Swiss International Air, que acarreó una fuerte pérdida de empleo, por la introducción de criterios de corto plazo en la gestión.

"La alternativa a esta situación", sugiere una fuente comunitaria", sería vincular los beneficios a otros criterios a largo plazo, como la estabilidad del empleo, inversiones en investigación, desarrollo e innovación, respeto del medio ambiente". "Estos indicadores", añade, "deberían ser incluidos en las memorias".

Inés Ayala, portavoz socialista en el Parlamento Europeo, intentó introducir una enmienda, que no prosperó, en la resolución sobre los objetivos de Lisboa en la que pedía "un control de las decisiones de los directivos que afectan a la viabilidad de las empresas y a la seguridad de los trabajadores". El documento preparado por el Eurogrupo señala que "a la vista de la alta tasa de crecimiento de las pagas de los ejecutivos en los últimos años se ha abierto una discusión pública en muchos países dentro y fuera de la zona euro sobre la idoneidad y transparencia de tales pagos". El debate está impulsado por "la percepción de una creciente brecha en la paga de los ejecutivos y los no ejecutivos".

Após a publicação deste post tive conhecimento do artigo «PR pede intervenção no rendimento dos gestores» com muito interesse para este tema.

Orchestral Manoeuvres in the Dark

Voltamos hoje ao tema da Censura e da Visibilidade. Portugal não é, nunca foi, dificilmente será, alguma vez, um país de transparências. Como citei, no acto abrupto de encerramento do primeiro "The Braganza Mothers" (convém que releiam e revejam os estilos dos comentários, pois, brevemente, voltarei a eles, num texto que se intitulará "Os Quatro Temperamentos"), já, no séc. XVIII, o Abade Correia da Serra, emérito pensador e cientista desta terra de iliteratos das coisas exactas, dizia que "Dentro de cada português, mas dos puros, vibra a alma d'um familiar do Santo Ofício. A Nação não presta", e todos nós, pelo menos os que ainda pensamos sabemos que não presta mesmo.
Blogosfericamente, temos sido um espaço de livre criação e pensamento, coisa que é fatal num país de gente que não presta. O "Arrebenta" -- e agora falo eu, enquanto ortónimo -- é uma personagem com o seu carácter, força e fragilidades típicas de qualquer criação literária. Sobrevive, por mim, enquanto puro exercício de estilo; pelos outros, porque sei que muita gente sente, através do seu modo muito característico de expressão, uma forma de alegria. Desde a reabertura do Segundo "Braganza" que vos preveni para poder, eventualmente, ser uma figura a... prazo.
Vivemos um dos períodos mais pardos da nossa História. Não sei como vamos sair dele, nem se sairemos a bem. De dia para dia, me chegam rumores e relatos de que não sairemos a bem... Brincámos um pouco a tourear governos, mas as coisas agravaram-se de tal modo que tourear governos pode levar ao colapsar do Regime. Creio que, nisso, todos nós temos a velha posição churchilliana de que a Democracia é o pior dos Regimes... depois de excluídos todos os outros, e isso contaminou-me o humor. Não me apetece gracejar num tempo assim, porque, sinceramente, não me apetecem totalitarismos, nem contribuir para o seu florescimento.
"The Braganza Mothers" não é um ninho de revoluções, mas antes um espaço de intervenção cívica. Isso, num país de censores e de lixo humano, gera corpos e anticorpos, e não é por acaso que o nosso "deficit" de intervenção, ao nível da Cidadania, nos atirou para a Cauda da Europa, pelas mãos de figuras menoríssimas, como Durão Barroso, Cavaco Silva, ou José Sócrates, entre aqueles de que me lembro agora, pela sua actualidade, mais os respectivos "abades", que os cercam, e cada vez mais cercarão.
Temos inimigos com poder e relações, que realmente não prestam, e que se dão ao luxo de nos insultar, como poderão rever AQUI. Não é isso que nos preocupa. É justamente para, e contra esses, que a nossa actividade tem sido profícua. Somos o país dos monopólios, dos cartéis, dos conluios e dos "polvos", a terra fria da Justiça selectiva, onde nada que é mercado funciona, mas apenas o poderoso imperar estrangulador de gente censória e medíocre, que nem os piores sonhos de Marx ou da Santa Inquisição poderiam deixar prever. Morrem (?) algumas coisas, como o "Vaga Liberdade", e erguem-se outras, como a "Nova Águia", e talvez tenhamos de reflectir sobre o que se está a passar por lá...
Somos, na nossa estranha maneira, uma Odisseia, recheada de peripécias, actos gloriosos e tempos de nuvens. Hoje, mais uma vez, uma mão cobarde lançou outro dos seus traços patéticos, transformando -- podem clicar na imagem, para confirmar -- o projecto www.twingly.com , de interacção Jornais/Blogues, num espaço de censura.
É verdade: lá está, à direita, um botãozinho "RELATAR", onde, em hipótese, as mesmas mãozinhas que "relataram" "As Vicentinas de Braganza" como espaço de conteúdos reprováveis, bloqueiam agora, ou tentam bloquear, a interactividade entre os espaços jornalísticos e blogosféricos.
Em termos práticos, é... irrelevante. Sei quem nos lê, e não é por vir por blogues... relatados, ou referenciados, que virá menos ler-nos. O problema está no acto, em si, que revela a porcaria do costume, e aquele velho modo português de estar, como referiu -- contaram-me -- o Pulido Valente, que execro, enquanto carácter, mas considero de notável escrita, ao dizer que "o Português não gosta de Liberdade, mas de Igualdade", e Igualdade deve entender-se aqui como um total nivelamento por baixo. É, nisso, um povo notável, que conseguiu cumprir o seu objectivo: criar um ajuntamento de medíocres que enformaram, e enformarão, a Cauda da Europa.
Ficámo-nos pelos inimigos hipotéticos. O clima entre colaboradores deste espaço não tem sido, pelo que tenho observado, dos melhores. A agressão interna tenderá para a desagregação do espaço, e para o esfregar de mãos de contentamento de todos os que nos detestam, e, embora menos do que aqueles que nos cultuam, são muito menos, mas infinitamente mais poderosos.
Passadas as hipóteses, regressamos aos velhos espectros. Desde o primeiro "The Braganza Mothers", há sarro que não sai com produto de limpeza nenhum. Anda por todo o lado, e as caixas de comentários são, enfim, um nicho natural, como os ácaros e os colchões. Não vou voltar a ele, porque -- e volta a falar o ortónimo -- vi-o uma vez, e era igual a milhões de almas sem rumo, tirando os tiques dos olhos, que não percebi, na altura, serem sinal de desequilíbrio mental. Paciência. Não me parece que por causa de uma tarde se tenha de penar o resto da vida... Aparentemente, é alguém que coexiste muito mal com os seus actos e a sua consciência. Tenho de confidenciar que há pessoas, colaboradoras deste espaço, que me começaram a pressionar para tomar medidas mais drásticas. Não faz parte do meu carácter, mas não sei até onde irá a paciência. Investigaram por mim, e descobriram coisas extraordinárias, que deixam revelar o pior: apagou, ou tentou apagar, tudo o que era rasto virtual, o que é difícil -- deve dar muito trabalho -- e revela um interior... execrável. Que poderá pensar cada um dos nossos leitores de alguém que se tentou irradicar de usuário da "Wikipédia", que alterou os seus contactos de telemóvel, que apaga o seu próprio blogue e muda de próprio telefone fixo (!), e mais tudo aquilo que não sabemos e de que nem sequer desconfiamos... Não, não é brincadeira: são dados fornecidos por quem connosco trabalha e colabora, muitas das vezes, invisivel e gratuitamente, como sempre.
Sinceramente, não me apetece dar mais pistas: têm todos os motores de busca para procurar os rastos e referências suficientes.
Perguntar-me-ão, depois de todo este texto, qual o sentido da minha intervenção. É muito simples: cansa passar o tempo com esta porcaria atrás. Criar textos do "Arrebenta", por mais corridos e naturais que possam parecer, consomem energias e requerem uma minúcia artística muito peculiar. Sendo este um espaço colectivo, serve este meio para que, entre criadores, leitores e comentadores, se tente encontrar uma ou várias saídas para acabar, de vez, com este flagelo. Trata-se pois, de a abertura de um espaço de reflexão, para encontrar uma saída COLECTIVA para mais um impasse. Meus caros, o destino deste espaço, está, a partir desta hora, nas vossas próprias mãos.
Agradeço-vos antecipadamente.
Muito boa noite.

30.5.08

Lá Lá land

No seguimento do post anterior, e dando tb uma bofetada no discurso patético do nosso 1º ministro, segue então uma listagem do que é o País do Governo Sócrates:

-Uma adolescente de 16 anos pode fazer livremente um aborto mas não pode pôr um piercing.

-Um cônjuge para se divorciar, basta pedir.

-Um empregador para despedir um trabalhador que o agrediu precisa de uma sentença judicial que demora 5 anos a sair.

-Na escola um professor é agredido por um aluno. O professor nada pode fazer, porque a sua progressão na carreira está dependente da nota que dá ao seu aluno.

-Um jovem de 18 anos recebe €200 do Estado para não trabalhar; um idoso recebe de reforma €236 depois de toda uma vida do trabalho.

-Um marido oferece um anel à sua mulher e tem de declarar a doação ao fisco.

-O mesmo fisco penhora indevidamente o salário de um trabalhador e demora 3 anos a corrigir o erro.

-O Estado que quer gastar 6 mil milhões de euros no novo Aeroporto da Ota
recusa-se a baixar impostos porque não tem dinheiro.


-Nas zonas mais problemáticas das áreas urbanas existe 1 polícia para cada 2 000 habitantes; o Governo diz que não precisa de mais polícias.

-Numa empreitada pública, os trabalhadores são todos imigrantes ilegais, que recebem abaixo do salário mínimo e o Estado não fiscaliza.

-Num café, o proprietário vê o seu estabelecimento ser encerrado só porque não tinha uma placa a dizer que é proibido fumar.

-Um cão ataca uma criança e o Governo diz que vai fazer uma lei.

-Um professor é sovado por um aluno e o Governo diz que a culpa á das causas sociais.

-O IVA de um preservativo é 5%. O IVA de uma cadeirinha de automóvel, obrigatória para quem tem filhos até aos 12 anos, assim como o das fraldas descartáveis, é 21%.

-Numa entrevista à televisão, o Primeiro-Ministro define a Política como "A Arte de aprender a viver com a decepção".

-Um polícia bate num negro é uma atitude racista, um bando de negros mata 3 polícias, não estão inseridos na sociedade.

- Um clube inscreve um jogador mal, são lhe retirados 6 pontos, um clube suborna um arbitro são lhe retirados 6 pontos.

- O café da esquina fechou porque não tinha WC para homens, mulheres e empregados, no Fórum Montijo a WC da Pizza Hut fica a 100mts, nem tem local para lavar mãos.

- O governo incentiva as pessoas a procurarem energias alternativas ao petróleo e depois multa quem coloca óleo vegetal nos carros porque não paga ISP (Imposto sobre produtos petrolíferos).

- O ministério do ambiente incentiva o uso de meios alternativos ao combustível, no edifício do ministério do ambiente não há estacionamento para bicicletas, nem se sabe de nenhum ministro que utiliza a bicicleta.

- Nas prisões é distribuído gratuitamente seringas por causa do HIV, mas como entra droga nas prisões?

- No exame final de 12º ano és apanhado a copiar chumbas o ano, o Primeiro Ministro fez o exame de inglês técnico em casa e mandou por fax e é Engenheiro.

- A inflação para ter os valores que tem, é baseado em que produtos? Eis a lista:

ÁGUA DE MARIALVA, MARGARINA MARIA INÉS, PAO DE TRIGO DAS BERLENGAS, SAL PURIFINADO DAS ILHAS SELVAGENS, COUVE DE AMARELEJA, FEIJAO BANHA, CARNE DE SUINO ISRAELITA, LEITE DE LAMA, AZEITE IMPORTADO DO SURINAME, BANANAS DA ISLANDIA, FRALDAS DESCARTAVEIS PARA ADULTOS COM 2,15 MTS, PASSE SOCIAL ENTRE AS ILHAS SELVAGENS, CARNE DE DINOSSAURO, PEIXE RARO, CAMARÃO DE TROMBA ARREGAÇADA, CHOCOS COM TINTA TRANSPARENTE, ALHOS DO SRILANKA, AZEITONAS DA GUATEMALA, LIMOES DO SARA OCIDENTAL, ARROZ DA JORDANIA, CARACOIS DA MONGOLIA, TOMATES DE LILLIPUT E SABÃO MERCURIAL DA ETIÓPIA.

Com estes produtos e a sua variação anual se fixa a taxa de inflação em Portugal de 2,1%

- Um jovem de 14 mata um adulto, não tem idade para ir a tribunal, um jovem de 15 leva um chapada do pai, por ter roubado dinheiro para droga é violência doméstica.

- Uma família a quem uma casa ruiu e não tem dinheiro para comprar outra o estado não tem dinheiro para fazer uma nova, tem de viver conforme podem, 6 presos que mataram e violaram idosos numa sela de 4 e sem wc privado, não estão a viver condignamente e associação de direitos humanos faz queixa ao tribunal europeu.

- Militares que combateram em África a mando do governo da época não lhes é reconhecido nenhuma causa nem direito de guerra, o primeiro-ministro elogia as tropas que estão em defesa da pátria no KOSOSO, AFEGANISTÃO E IRAQUE.

- Começas a descontar em Janeiro o IRS e só vais receber o excesso em Agosto do ano que vem, não pagas as finanças a tempo e horas passado um dia já estas a pagar juros.

- Fechas a janela da tua varanda e estas a fazer uma obra ilegal, constrói-se um bairro de lata e ninguém vê.

- Se o teu filho não tem cabeça para a escola e com 14 anos pões a trabalhar contigo num oficio respeitável, é exploração do trabalho infantil, se és artista e o teu filho com 7 anos participa em gravações de telenovelas 8 horas por dia ou mais a criança tem muito talento, sai ao pai ou à mãe.

- O primeiro-ministro diz que o serviço de saúde com as medidas tomadas está mais prático e eficiente, não há registo de na última década alguém ter visto, ministro, esposa ou enteados nos SAP´s.

Pobreza e injustiça social

Saíram notícias de um relatório estrangeiro que coloca Portugal em muito má posição entre os parceiros da União Europeia no que se refere ao desenvolvimento da riqueza nacional e à sua distribuição desequilibrada, aprofundando e alargando o fosso entre ricos e pobres, numa crise de grave injustiça social.
Ontem na AR a oposição frisou isso ao PM o qual, de forma habilidosa, respondeu que o tal relatório se refere a 2004, época do anterior Governo. Só que o seu interlocutor não teve a presença de espírito de dizer que tudo indica que agora seja pior.

E é pior, como vários jornais hoje relatam, como o JN, que as casas de penhores estão a ser mais procuradas, tendo em Lisboa e Porto a procura crescido quase 50% em relação a igual período de 2007. E o que é mais sintomático é que, de acordo com responsáveis por estes estabelecimentos, as pessoas penhoram tudo ouro, prata, linhos e a própria roupa.
Os penhoristas referem que são procurados por pessoas de todas as camadas sociais e as épocas de maior procura são as de Setembro/Outubro, regresso às aulas, na época de pagamento das contribuições autárquicas e depois das festas.
O funcionamento destas casas assenta no empréstimo de dinheiro a clientes que depositam na loja determinado bem, como garantia. Este é avaliado e a quantia a emprestar depende desse valor. O objecto ficará na loja por três meses, durante os quais poderá ser recuperado. Depois desse tempo a loja pode vendê-lo.
Os responsáveis por estas lojas dizem existir o desejo de recuperar os objectos, mas são cada vez menos os que conseguem.
Isto não precisa de grandes congeminações para se concluir da pobreza, da miséria, que afecta grande parte dos portugueses, resultado da injustiça social, da má distribuição da riqueza, do grande fosso, entre os mais ricos e os mais pobres, entre os que têm fome e os que usufruem de «tachos dourados» e de «reformas milionárias».

E o que fazem os governantes para melhorarem esta situação? Qual é a política social do Governo?

O Pinóquio de carne e osso


Logo, Sócrates não é democrático. José Sócrates é contra a Democracia.
Senão vejamos......

No blog não compreendo as mulheres podemos ler o post "o mentiroso compulsivo":


Sócrates chamou mentiroso a Louçã quando este criticou o socialista João Proença, secretário-geral da UGT, de participar em sessões de esclarecimento sobre o Código de Trabalho para militantes do PS. Basta ler a página 8 do jornal Púbico de 10 de Maio, num artigo assinado por Margarida Gomes, para ficar a saber que Louçã disse a verdade. Para quem tiver dúvidas basta clicar na imagem.

Acho apenas que Louçã apenas não respondeu como devia/podia. É fácil perceber que é perante Sócrates que estamos um mentiroso compulsivo. Onde estão os 150 000 empregos que prometeu? Onde está o referendo ao tratado de Lisboa que prometeu? Onde estão as scuts sem portagens que prometeu? Pois é... ficávamos por aí.

...mas eu não me fico por ali....

"não vamos subir os impostos" - subiu o IVA, o ISP, o IRS, o IA, o ICU.........
"não conhecia o professor" - ver AQUI a mentira

Peço a quem se lembrar de mais que coloque nos comentários e eu irei acrescentando....

29.5.08

Estado da nação

Desenhos do Henrique Monteiro

Fado, Futebol e Fátima....
Desde que haja esses 3 Fs tudo vai bem no país.

O Governo, sempre de braço dado com os Poderosos (e futuros patrões), amam (c/ F ) o povo.

Videovigilância é segurança ou ameaça?

No post Futuro com graves ameaças à liberdade era referido o perigo do excesso de controlo das populações, por poder contrariar os direitos, liberdades e garantias constantes na Constituição da República, em concordância com a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Ao assunto é reconhecida tal relevância que foi realizado no Porto um seminário com o título "Videovigilância - Vantagens e limites da sua aplicação", que serviu de motivo para o artigo do DN que a seguir se transcreve.

Excessos põem em causa sistemas de videovigilância

Helder Robalo

Os excessos cometidos na instalação de sistemas de videovigilância têm posto em causa a credibilidade deste sistema de segurança. Afirmações do advogado António Raposo Subtil à margem de um seminário organizado por uma empresa de segurança privada, no Porto, e subordinado ao tema: "Videovigilância - Vantagens e limites da sua aplicação".

Para António Raposo Subtil, o que falta é a discussão pública do problema, um pouco à semelhança "do que aconteceu há uns anos com a licença de uso e porte de arma". "Há aqui um colocar da cabeça na areia, há a atribuição de responsabilidades à Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) e não tem havido formação", asseverou. O que, afiançou, "gera pouca identificação do problema e, naturalmente, manipulação dos dados que se podem recolher". O que, garante, "contraria o sentimento de segurança que o cidadão deveria ter".

Por isso, a instalação de sistemas de videovigilância em locais públicos não tem sido pacífica. De um lado estão os que apontam estes meios como forma de combater a insegurança que se sente no País e que levaram já diversas associações e autarquias a pedir a instalação de câmaras nos seus concelhos. Do outro lado estão aqueles que consideram estes sistemas uma violação dos direitos individuais definidos na Constituição da República.

Com o aumento do número de pedidos de instalação de sistemas de videovigilância por parte das autarquias e outros organismos, Isabel Ribeiro, representante da CNPD no seminário - que se escusou a prestar declarações aos jornalistas porque a comissão não a autorizou - defendeu que é preciso conciliar o objectivo de uma sociedade mais segura com a liberdade de cada cidadão. Pelo que "é preciso analisar caso a caso" antes de autorizar o pedido.

Em 2007, recorde-se, a CNPD recebeu 2.667 notificações para instalação de sistemas de videovigilância, mais 603 do que em 2006. Estes sistemas ganharam especial destaque com o projecto lançado na Ribeira pela Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP).

Aos presentes, Isabel Ribeiro explicou que "os municípios podem requerer a instalação de câmaras no município". Pedido que terá de ser endereçado ao Ministério da Administração Interna, padecendo de autorização da CNPD. Já nas empresas, referiu aquela responsável, "a lei exige que o pedido seja sempre acompanhado de um parecer da comissão de trabalhadores".

28.5.08

Promoção pelo mérito de estar 8 anos sem lá ir

"Indo eu, indo eu, a caminho de............louca blogosfera!!!Encontrei o meu amor, ai Jesus que lá vou eu".........Denunciar mais um tacho!!!
Em O Reino da Macacada descobri esta pérola:

Uma Questão de MÉRITO

Esta só a consigo perceber/aceitar da seguinte forma:
Se o homem não esteve no banco significa que não cometeu erros... logo tem o mérito de não ter feito asneiras nos últimos anos, logo, uma promoção por mérito! LOL!!!!
BE questiona promoção por mérito de Vitor Bento no Banco de Portugal, há oito anos de licença sem vencimento
16.05.2008 - 18h19 Lusa
O Bloco de Esquerda (BE) pediu hoje esclarecimentos do Banco de Portugal sobre os critérios que ditaram a promoção "por mérito" de Vítor Bento, o presidente da Sedes, a Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, e da SIBS, sociedade interbancária de Serviços, que há oito anos está com uma licença sem vencimento."Como se pode promover por mérito alguém cujo mérito é não estar no banco", questionou o deputado bloquista Francisco Louçã, em declarações aos jornalistas para justificar o requerimento entregue hoje na Assembleia da República. O pedido do BE surge depois de a Comissão de Trabalhadores do Banco de Portugal ter solicitado explicações ao governador sobre a situação de Vítor Bento, que desde 2000 "se encontra em situação de licença sem retribuição", de acordo com o próprio banco. Na resposta, em documentos distribuídos pelo BE, o próprio Banco de Portugal fundamentou a decisão de promover Vítor Bento a partir de 1 de Janeiro de 2008 por "critérios de gestão e equidade interna", de director de escalão "18A" a director "18B". "Na sequência dos esclarecimentos insatisfatórios que deu aos trabalhadores do banco", o deputado Francisco Louçã questionou "por que razão os critérios de promoção não são os critérios da verificação da actividade das pessoas no banco". A Comissão de Trabalhadores questionou que Vítor Bento se "o trabalhador não esteve ao serviço efectivo do banco", dúvidas partilhadas pelo deputado e coordenador da comissão permanente do Bloco: "Como pode haver uma promoção salarial por mérito absoluto se a pessoa não desempenha funções?"

Viajar pela net tem destas coisas...
... e esta eeiiihhhh.

... por baixo da pele!


1
O Tiago resolveu - perguntem-lhe! - desassossegar-me. A mim que estava confinado no meu cantinho - Pleitos ... - (opinando, escrevendo as "asneiras" a que também me sinto com direito)... por isso, se tiverem de pedir responsabilidades sabem a quem o fazer. Aceite o convite, a minha disponibilidade será a de vir por aqui com uma periodicidade semanal, deixar umas "notas", "apreciações", "críticas", "alertas" que designarei "... por baixo da pele!"porque o embrulho esconde e, porque a capa tapa e, porque a luz não é branca e, se a pele é importante, tão ou mais importante é o que por debaixo dela está.
000O000
O discurso político com que vimos sendo mimoseados tem funcionado como soporífero ou pior ainda, como uma droga entorpecente. Se há coisas em que carecemos de exemplos disto é que não carecemos de certeza. Por exemplo ... a cavalgadura em que, por cá, se transformou aquela coisa do PIB. O PIB tem servido para tudo e para nos adormecerem também.
Se olharmos o PIB desde o ano de 2001 (o ano em que o terreno pantanoso sujou as botas de Guterres) -129.308 milhões de euros - e o compararmos com o do ano passado - 162.000 milhões de euros - encontramos um suplemento de alma. Pior ou melhor crescemos! um sobre o outro, em seis anos, crescemos 22,9%. Acha que sim?! Eu acho que não. Isto não é crescer, é apodrecer. Porquê? por um pequeno pormenor: é que os números que lhe deram esse brilho no olhar são valores nominais ou a preços correntes. O percentual médio de crescimento, em seis anos, foi de uns miseráveis 4,78%.
Há mais pormenores (ficam para depois) mas sempre lhe deixo umas "dicas". Por exemplo, a relação ou a não relação que, pode haver ou não haver quando o PIB cresce e isso não lhe proporciona nenhum benefício à bolsa ou, quando o PIB decresce e isso significa sempre que a sua bolsa se vai ressentir.
oooOooo
Se outras razões não houvessem para nos indignarmos e ficarmos profundamente ofendidos hoje, Teixeira dos Santos, no-las deu. Pela insensibilidade, pelo mais descarado desrespeito com os cidadãos. Disse que «a queda no consumo de combustíveis que o mercado nacional está já a registar, como consequência dos elevados preços, que desviam também muita da procura para Espanha, custou já aos cofres do Estado uma descida de 2% nas receitas do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP), o equivalente a 20 milhões de euros» e «não se mostrou preocupado» porque «em contrapartida, o Estado encaixou mais receita de IVA, por força do aumento dos preços» que é «claramente superior à perda registada no ISP, ou seja, uma coisa mais que compensa a outra e o Estado acaba por ganhar mais».
Não que nos tenha dado alguma novidade. Não! quem sabe fazer contas e quem saiba como funcionam o ISP e o IVA sobre os combustíveis sabe que é assim – a receita do ISP é proporcional ao consumo enquanto o IVA é função quer do consumo quer do preço. É a todos os títulos miserável, é uma pulhice! Quando o ministro assim diz confirma que é possível encontrar uma fórmula em que o ISP flutue de acordo com o preço da matéria-prima de tal modo que a receita gerada para o Estado se mantenha e que mais, o preço dos combustíveis no consumidor final sofram menos oscilações. Uma fórmula que, em termos de receita, resulte neutra. Garante a receita, minimiza os impactos no consumidor e tem efeitos benéficos na economia.
Não sou eu que o digo ... foi Teixeira dos Santos que o disse. Com certeza falou de mais mas se falou de mais, ainda assim, chamar-lhes miseráveis talvez seja pouco. Tem razão como é óbvio todo aquele que exige ao governo que mexa no ISP. Foi o ministro que o confirmou!

27.5.08

Boicote ao CARTEL II - continuem que eu tb...

Desde que começou a "palhaçada" da escalada dos preços dos combustíveis eu nunca mais abasteci nas duas GRANDES do cartel. BP e GALP nunca mais me levam dinheiro. Bem sei que é a GALP que vende tb para os hipermercados, etc, etc.... mas desta forma os lucros baixam. Já que a ganância é tanta..... comigo não.
Adiro a este boicote mas não concordo com o prazo. Compreendo que estes 3 dias são para marcar uma posição mas a minha vai ser mais profunda. Se depender de mim, TODAS as bombas BP e GALP podem fechar. Nunca mais lá vou.


In Do Portugal Profundo
A Galp tem o monopólio da refinação de combustível em Portugal. Portugal é um mercado pequeno, menos de um quarto do espanhol e as grandes multinacionais não têm tido interesse em instalarem uma unidade específica no nosso País. Acresce a este facto que este Governo de José Sócrates, que ultrapassa pressurosos qualquer contingência ambiental quando quer, , recusou apoio ao projecto de uma nova refinaria apresentada pelo empresário Patrick Monteiro de Barros, protegendo o monopólio da Galp. A Galp abastece a generalidade dos revendedores em Portugal: como o custo de transporte é importante no preço final, aos revendedores sai mais barato comprar à Galp do que abastecer, por exemplo, a partir de Espanha - a Galp só tem de ajustar o seu preço imediatamente abaixo do limite a partir do qual compensa, por exemplo, aos revendedores comprarem a refinarias espanholas. A Galp exporta combustível e vendê-lo-á, numa política que tende para dumping, a preço inferior ao que pratica no seu mercado privativo, Portugal, onde é monpolista: ao vender para os EUA bate-se com a concorrência internacional que lhe aperta as margens, mas qualquer ganho é bom desde que suba acima do custo variável (o mercado nacional paga-lhe os custos fixos). A Galp vende, então, mais caro em Portugal porque pode... E, acrescento, pode e o Governo deixa-a - por razões que nenhum consumidor em Portugal compreende, senão pela promiscuidade político-capitalista evidente e até ostensiva. Deveríamos remontar a 2004 para explicar melhor...

A Galp domina o mercado da revenda de combustíveis em Portugal, através da sua quota de mercado directa e dos associados. Essa posição dominante, um verdadeiro trust, não lhe chega porém. Os consumidores repararam na coincidência dos aumentos entre as grandes marcas. Os defensores apresentarão a tese de que a coincidência dos aumentos e dos momentos não chega para justificar o cartel. Mas só a ingenuidade, e a malícia dos cegos que negam a evidência, é que acredita que se trata somente de um cartel tácito - a Galp aumenta e os outros seguem dias depois o movimento; depois trocam e é algum dos grandes que aumenta e a Galp vê-se forçada a segui-los contra-vontade. Nessa ingenuidade e cinismo, ninguém da Galp falaria com os concorrentes e, mesmo que falassem, não tocariam no assunto que mais lhes interessaria: preços de venda ao público. O que daqui digo é que se o Governo quisesse, no estado de necessidade que atravessamos, pediria ao Ministério Público que investigasse e, depois da necessário inquérito, poderia concluir-se, como se passou nos EUA com a Microsoft, se não houve e-mails internos trocados sobre o assunto e contactos telefónicos e correspondência electrónica com dirigentes dos concorrentes. Custa-me a crer que o despudor, que o Governo consente, leve os dirigentes das empresas a evitar qualquer contacto e qualquer missiva. Pois, se nem nos EUA a ameaça da fiscalização dos abusos de posição dominante inibiu os responsáveis da Microsoft de o fazerem... A imunidade capitalista nesta era Sócrates não conhece esses limites.

De modo, que a ameaça de boicote à compra (directa...) de combustíveis da Galp tem justificação no abuso de posição dominante da petrolífera portuguesa e na evidência do cartel de preços com os concorrentes. Mas só terá eficácia plena, se o boicote for generalizado. Ora, como ensinava o professor Manuel Lopes Porto nas suas aulas de Teoria da Integração no ano de 1991, no anfiteatro da sala Beleza dos Santos da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, os consumidores são free-riders, preguiçosos passageiros que viajam de borla e raramente se manifestam e agem, ao contrário de empresários e trabalhadores. Mesmo assim, porque a condição dos preços se agrava ao ponto de se tornar insuportável, a ameaça de boicote, que já provocou o efeito de adiamento da subida anunciada dos preços da Galp, constitui um aviso à continuação dos abusos. Mas sem concorrência, nem vigilância do Governo, não é provável que a situação possa melhorar no médio-prazo.

COMENTÁRIO: como sempre o POVO IGNORANTE (mas com canudo) cala e come. LUTEM!!! O poder está do nosso lado. Não abasteçam na Galp. A Galp controla os preços. Vende em Espanha mais barato!!! Porquê??? Porque mesmo assim dá lucro!!! E o burro é o Scolari???

Vejam AQUI onde abastecer mais barato.

Não há vergonha na política portuguesa !

Copiado do blog - O Voo do Falcão - mais um excelente espaço de denúncia e luta pela democracia e igualdade.

Andava eu em pacata consulta do site da Assembleia da República, quando me lembrei de vasculhar uma das comissões parlamentares de maior importância - Obras Públicas, Transportes e Comunicações.
E, à medida que lia aleatoriamente um ou dois curriculum de deputados colocados em lugares efectivos mas lá para o fim da primeira dezena, os meus olhos iam-se «esbugalhando» com o que me aparecia...
O espanto aumentava tão rapidamente que comecei a duvidar do que estava a ver e saltei para os lugares cimeiros na tentativa de ver se aí encontraria deputados com «craveira» para pertencer a esta Comissão, mas a minha desilusão foi total !!!
Para além do Presidente, cuja experiência é essencialmente política e governativa - Miguel Frasquilho (PSD), licenciado em economia, os únicos cinco nomes e curriculum que ao acaso verifiquei detalhadamente deixaram-me de tal modo estupefacto que não resisto a publicá-los aqui já para que possam ver a quem está entregue não só o Governo deste País da treta mas também o seu Parlamento !
Aquí ficam, independentemente de, a seu tempo, irem ocupar o lugar a que pelos vistos têm inteiramente direito nesta esécie de «quadro de (des)honra» que me propus publicar semanalmente.

Abel Baptista - CDS - Lic. em Direito - Funcionário autárquico; jurista
Alberto Antunes - PS - Lic. em Direito - advogado
Bruno Dias - PCP - Lic. em Ciências da Comunicação - Téc. Superior de Administração Local
Fernando Jesus - PS - Curso Geral dos Liceus - Adjunto de Administ. de Empresa
Joana Lima - PS - Lic. em Relações Internacionais - Empresária de cafeteria

Ah! Ah! Ah! Não sei se ria se chore !
Todos estes senhores e senhora têm um curriculum totalmente desajustado à Comissão a que pertencem como efectivos e completamente ligado aos respectivos aparelhos partidários e autarquias. A não ser por «cunha», não haveria certamente nenhuma empresa privada que os contratasse para as funções que são supostos exercer !
Só a título meramente informativo fiquem a saber que esta Comissão tem 19 deputados, dentre os quais só 3 têm formação técnica (2 Engº + 1 Arq.). Os restantes 16 são constituidos por 4 Advogados + 4 Lic. nas áreas das Humanidades, Educação e Comunicação + 3 com o Curso Geral dos Liceus (act. 12º ano) + 2 economistas + 2 Lic em Relações Internacionais + 1 Contabilista.
E esta ? Hem?
Venho afirmando com bases seguras que o País está um autêntico pântano mas, na altura de nos confrontarmos com uma realidade ainda mais grave, é com a mais profunda tristeza e convicção que vos digo que o meu espanto não se transformará em resignação mas sim em INDIGNAÇÃO e que tudo farei para levar a público todas as situações que, depois de confirmadas, devam ser do conhecimento público.
E CUSTE O QUE CUSTAR ! Conto com a vossa ajuda !

Veja o site da AR:Comissão de Obras Públicas, Transportes e Comunicações

COMENTÁRIO: para ser Professor é obrigatório licenciatura específica e os próximos até mestrado. Para governar o país, fazer e aprovar leis.......qualquer MERDA serve. Desde que seja da Independente!!!

24.5.08

Grande Manifestação contra a revisão gravosa do Código do Trabalho

Compilação de documentos sobre as alterações propostas pelo Governo, a posição da CGTP-IN e do movimento sindical unitário e os fortes motivos para estar presente na manifestação nacional de 5 de Junho.
Clique aqui para consultar

23.5.08

Prémio - Blog Democrático - Maio 08

Apesar de pequenino, é um dos blogs que mais aprecio. É bem estruturado, bonito, limpo, bem escrito e "malha" que se farta nos poderosos... como nós. lol

É um blog que tem denunciado sem medos as vergonhas da nossa Economia. Neste mês de Maio estamos com o país de rastos pela crise económica que afinal não acabou (Pinóquio Mentiroso) e pela escalada dos preços dos combustíveis levada a cabo pelo CARTEL.

O Prémio Blog Democrático do mês de Maio vai para:


Parabéns David Oliveira.

Exemplos do bom trabalho contra os que têm "palas" como os burros - aqui, aqui e aqui......

Continuar a luta contra o CARTEL

A GALP já recuou (para ver se o Povo esquece) mas não é suficiente!!!

O Boicote às duas grandes deve continuar. Além de não abastecer lá, ainda buzino sempre que passo por uma.
Há até quem me venha dizer que este boicote é organizado pelas Espanholas...etc... QUERO LÁ SABER. Não são as Espanholas que me estão a roubar....elas seguem os preços da nossa querida GALP.

A GALP acabou de apresentar publicamente as contas referentes ao 1º Trimestre de 2008. E numa altura em que são exigidos aos portugueses tanto sacrifícios, não só aos que têm de adquirir combustíveis mas a todos que sofrem também as consequências dos aumentos semanais dos preços dos combustíveis, os resultados obtidos pela GALP e, consequentemente, por todas as petrolíferas são impressionantes, para não dizer mesmo chocantes.

SÓ NO 1º TRIM. DE 2008, A GALP OBTEVE UM LUCRO EXTRAORDINÁRIO DE 69 MILHÕES DE EUROS DEVIDO À ESPECULAÇÃO DO PREÇO DO PETRÓLEO NO MERCADO INTERNACIONAL E OS LUCROS TOTAIS ATINGIRAM 175 MILHÕES DE EUROS

O que é superior em 286% ao que se passou no 1º Trimestre de 2007!!!!!!
Onde está a crise???
Onde está a necessidade de aumento dos preços???

Como mostra o quadro seguinte, construído com dados que estão disponíveis no “site” da GALP os resultados obtidos no 1º Trimestre de 2008, quando comparamos com os de 2007, que foi um ano “muito bom” para a GALP são muito significativos.

QUADRO I – Vendas, resultados operacionais, resultados líquidos e lucros obtidos devido ao aumento do preço do petróleo no 1º Trimestre de 2007 e no 1º Trimestre de 2008

RÚBRICAS

1º TRIMESTRE - Milhões euros

2007

2008

VARIAÇÃO 2007-08

VENDAS E PRESTAÇÕES SERVIÇOS

2.750

3.493

+ 27,0%

RESULTADO OPERACIONAL

179

247

+ 38,0%

RESULTADO ANTES IMPOSTOS

188

250

+ 33,0%

RESULTADOS LIQUIDOS

143

175

+ 22,4%

Lucro resultante do aumento especulativo do preço do petróleo a nível internacional (efeito stock)

21

69

+ 228,6%

/FONTE: Resultados 1º Trimestre 2008 - GALP ENERGIA

Se se comparar o 1º Trimestre de 2007 com o de 2008, conclui-se que as vendas, em milhões de euros, no 1º Trimestre de 2008 foram superiores às do 1º Trimestre de 2008 em 27%, mas os resultados operacionais, ou seja, aquele que resulta da actividade essencial e normal da empresa aumentaram em 38%, muito mais que a subida registada nas vendas.
Se se analisar os resultados líquidos, ou seja, depois de retirar a parte para pagar impostos, conclui-se que eles subiram, entre o 1º Trimestre de 2007 e o 1º Trimestre de 2008, em 22,4%, atingindo, no 1º Trimestre de 2008, 175 milhões de euros, ou seja, mais 32 milhões de euros, que em idêntico período de 2007.
Mas o que é impressionante, e é mesmo chocante numa altura em que são pedidos tantos sacrifícios aos portugueses, é que a GALP tenha obtido um lucro extraordinário de 69 milhões de euros, ou seja, mais 228,6% do que em 2007, devido à subida do preço do barril do petróleo, ou seja, com a especulação dos preços do petróleo no mercado internacional, o que não tem nada a ver com a actividade normal da empresa. É esse o valor do chamado “efeito stock” em 2008, ou seja, a diferença entre o preço a que a GALP adquiriu o barril de petróleo, muito mais baixo porque foi comprado cerca de 2,5 meses antes da sua utilização, e o preço a que depois foi considerado para cálculo do preço de venda de combustíveis aos portugueses.

COMO SE FORMAM OS PREÇOS COBRADOS PELAS PETROLIFERAS EM PORTUGAL

As petrolíferas não calculam os preços de venda dos combustíveis em Portugal da mesma forma que fazem a generalidade das outras empresas, ou seja, somando os custos que suportaram e adicionando depois uma margem de lucro. As petrolíferas o que fazem é recolher os preços dos produtos refinados (gasolina, gasóleo, etc.) no mercado de Roterdão em cada semana, depois calculam a média para cada produto, e é esse preço assim determinado que aplicam aos consumidores portugueses. Como é evidente esse preço incorpora também a especulação que se verifica todos os dias no mercado internacional do petróleo, determinada pela entrada maciça dos chamados fundos de investimento, cujas aplicações multiplicaram 30 vezes nos últimos meses, com o objectivo de, controlando a oferta, como estão a conseguir, imporem preços especulativos e embolsarem, assim, gigantes lucros (como está também a suceder).

Para que se possa ficar com uma ideia como a GALP, e as outras petrolíferas estão-se a aproveitar da situação, é necessário que ter presente o seguinte. Os combustíveis que as petrolíferas vendem em cada dia foram produzidos com petróleo adquirido entre dois a três meses antes (num estudo anterior referimos 3 meses, mas uma investigação feita por nós levou à conclusão, para sermos mais rigorosos, que o período médio varia entre 2 a 2,5 meses). E o custo do petróleo adquirido 2 a 2,5 meses antes, que é utilizado para produzir os combustíveis que são vendidos diariamente, é inferior ao preço do petróleo que é utilizado pelas petroliferas para calcular os preços de venda, sem impostos, dos combustíveis que cobram aos portugueses, como revelam os dados oficiais da Direcção Geral de Energia constante do quadro seguinte:

QUADRO II – Preço do barril de petróleo que é considerado para o cálculo do preço de venda dos combustíveis em Portugal, e preço que custou efectivamente às petrolíferas

Mês/ANO

Petróleo Brent

Petróleo Brent

Dólares/barril

Euros/barril

Fevereiro de 2008

95,05

64,45

Mar-08

103,69

66,78

Abril de 2008

109,03

69,06

% que o preço que foi utilizado para cálculo dos preços de venda de Abril é superior ao preço do petróleo utilizado para o produzir que é o de Fevereiro

+ 14,7%

+ 7,2%

% que o preço do petróleo utilizado para produzir é inferior ao usado para calcular preço de venda

- 12,8%

- 6,7%

FONTE: Direcção Geral Energia - Ministério Economia

Como mostra o quadro, o preço do petróleo utilizado pelas petrolíferas para calcular o preço de venda dos combustíveis em Abril de 2008 é superior em 14,7% em dólares (7,2% em euros) ao preço do petróleo utilizado para produzir esses combustíveis, que é o de Fevereiro, pois é o adquirido 2 a 2,5 meses antes. E isto porque o petróleo utilizado não foi o adquirido no mês de Abril, mas sim o que estava em armazém que tinha sido adquirido em Fevereiro e que tinha custado à GALP muito menos (-12,8% em dólares e – 6,7% em euros). É precisamente essa diferença de preços do barril de petróleo, que resulta da especulação, que explica aquele lucro extraordinário de 69 milhões de euros só no 1º Trimestre de 2008, a que a GALP chama “efeito stock” ( a GALP utiliza o termo técnico “replacement cost” para ocultar aos olhos dos portugueses a especulação de que se aproveita para aumentar os lucros), efeito este que aumentará com o aumento da especulação no mercado internacional do petróleo. É urgente que o governo e a Autoridade da Concorrência ponham cobro ao escândalo que resulta do aproveitamento que as petrolíferas estão a fazer da especulação nos mercados mundiais, passando a funcionar os preços de Roterdão como máximos, não podendo ser ultrapassados no cálculo dos preços de venda dos combustíveis com base nos custos efectivos suportados mais uma margem de lucro decente.

EM MAIO DE 2008, OS PREÇOS DOS COMBUSTIVEIS EM PORTUGAL CONTINUAVAM A SER SUPERIORES AOS PREÇOS MÉDIOS DA UE15

O quadro seguinte mostra que em Portugal, em Maio de 2008, os preços, sem impostos, quer do gasóleo quer da gasolina eram superiores aos preços médios da EU-15.

QUADRO III – Preços do gasóleo e da gasolina sem impostos e com impostos em Portugal e em outros países da União Europeia em Maio de 2008

PAÍS

GASÓLEO - Maio 2008 - Euros/Litro

GASOLINA 95 – Maio 2008 - €/Litro

PE

PVP

Peso Taxas

PE

PVP

Peso Taxas

Grécia

0,756

1,264

36%

0,624

1,171

42%

Espanha

0,722

1,199

39%

0,605

1,174

47%

Luxemburgo

0,738

1,196

37%

0,623

1,248

50%

Áustria

0,687

1,288

47%

0,577

1,275

55%

Irlanda

0,663

1,248

47%

0,554

1,206

54%

França

0,688

1,334

48%

0,571

1,408

59%

Suécia

0,679

1,406

49%

0,524

1,363

61%

PORTUGAL

0,721

1,313

45%

0,603

1,435

58%

Itália

0,753

1,411

47%

0,629

1,432

56%

Alemanha

0,673

1,361

51%

0,557

1,442

61%

Bélgica

0,729

1,267

44%

0,605

1,476

60%

Dinamarca

0,706

1,340

47%

0,570

1,400

59%

Finlândia

0,665

1,214

44%

0,557

1,425

59%

Reino Unido

0,663

1,533

62%

0,554

1,405

66%

Holanda

0,755

1,351

44%

0,676

1,596

58%

Média UE-15

0,707

1,315

46%

0,589

1,364

57%

PORTUGAL /UE15

2,0%

-0,1%

-2,3%

2,4%

5,2%

2,3%

PE: Preços sem impostos ; PVP : Preço Venda ao Público, que inclui impostos

FONTE: Direcção Geral de Energia e Geologia - Ministério da Econo


Em Maio de 2008 (antes dos últimos aumentos), o preço sem impostos do gasóleo em Portugal era já superior em 2% ao preço médio do gasóleo na União Europeia, e o da gasolina também era superior ao preço médio da União Europeia em +2,4%. E com impostos, o preço do gasóleo em Portugal era inferior ao preço médio da União Europeia apenas em -0,1%, mas o da gasolina era já superior ao preço médio da União Europeia em + 5,2%.

Se a análise for mais desagregada, ou seja, por países, existe um grande numero de países com custos e rendimentos superiores aos de Portugal, mas com preços de combustíveis inferiores aos cobrados em Portugal pelas petrolíferas. São exemplos, a Áustria, a Irlanda , a França, a Suécia, a Alemanha, a Dinamarca, a Finlândia e a Inglaterra, que praticam preços de gasóleo, sem impostos, inferiores e, em alguns casos bastantes inferiores, aos cobrados pelas petrolíferas em Portugal. Em relação à gasolina, e considerando também os preços sem impostos, na Áustria, na Irlanda, na França, na Suécia, na Alemanha, na Dinamarca, na Finlândia, e na Inglaterra; repetindo em todos estes países os preços da gasolina sem impostos são inferiores aos cobrados aos portugueses pelas petrolíferas em Portugal. É um autêntico escândalo, até porque existem muitos custos suportados pelas petrolíferas em Portugal que são inferiores aos suportados pelas petrolíferas daqueles países (por ex., os salários pagos aos trabalhadores portugueses são inferiores a metade do salário médio desses países).

OS PREÇOS DOS COMBUSTIVEIS EM PORTUGAL DISPARARAM COM A PRIVATIZAÇÃO DA GALP E COM A LIBERALIZAÇÃO DOS PREÇOS DOS COMBUSTIVEIS

Contrariamente ao que afirmava a propaganda quer do governo quer dos grandes grupos económicos portugueses, a privatização das empresas nacionalizadas e a liberalização dos preços dos combustíveis , não trouxe nem o aumento da concorrência nem descidas dos preços, como mostram os dados oficiais divulgados pela Direcção Geral de Energia constante do quadro seguinte.

QUADRO IV – Aumento dos preços dos combustíveis em Portugal depois da privatização das empresas nacionalizadas e da liberalização dos preços dos combustíveis (Jan2004-Maio 2008)

Euros / Litro

DIA / MÊS / ANO

Gasolina sem chumbo I.O.95

Gasolina sem chumbo I.O.98

Gasolina sem chumbo I.O.98 Aditivada

Gasóleo Rodoviário

Gasóleo colorido e Marcado

Gasóleo de aquecimento

2.1.2004

0,95

1,025

1,015

0,7

0,411

0,425

9.5.2008

1,436

1,522

1,511

1,327

0,933

1,012

Aumento 2.1.2004 a 9.5.2008

+51,2%

+48,5%

+48,9%

+89,6%

+127,0%

+138,1%

22.5.2008

1,494

1,419

Aumento 2.1.2004 a 22.5.2008

+57,3%

+102,7%

FONTE: 2.1.2004 a 9.5.2008: Direcção Geral de Energia do Min. da Economia; 22.5.2008: Jornais de 22.5.20

No dia 31.12.2003, através da Portaria 1423-F/2003 do governo do PSD/CDS (era membro desse governo Paulo Portas que agora se insurge tanto contra a subida dos preços dos combustíveis, o que revela bem a hipocrisia da direita) foram liberalizados os preços dos combustíveis em Portugal. A razão apresentada pelo então governo do PSD/CDS é que isso iria determinar o aumento da concorrência com, a consequente, descida dos preços.

Como mostram os dados oficiais do quadro IV, com a privatização da GALP pelos governos do PS e PSD, e com a liberalização dos preços dos combustíveis pelo governo PSD/CDS o que aconteceu foi precisamente o contrário. Entre 2.1.2004 e 22.5.2008 o preço da gasolina 95 aumentou +57,3% e o do gasóleo rodoviário +102,7%. Entre 2.1.2004 e 9.5.2008, o preço do gasóleo colorido subiu + 127; e do gasóleo de aquecimento + 138,1%. Durante o mesmo período as remunerações aumentaram em Portugal, em média , menos de 15%. Os comentários parecem inúteis perante esta escalada dos preços dos combustíveis que se tem acentuado nos últimos meses. É evidente, se o proprietário da empresa fosse ainda o Estado seria muito mais fácil impedir que esta se aproveitasse da especulação que domina actualmente os mercados internacionais do petróleo para cobrar pelos combustíveis preços escandalosos, e controlar os preços e impedir que eles atingissem o ritmo de aumentos galopantes verificados nas últimas semanas. Não se percebe que o governo não utilize a “golden share que tem na GALP para pôr cobro ao escândalo do cálculo dos preços de combustíveis serem determinados pela especulação.

Eugénio Rosa ,Economista ,edr@mail.telepac.pt

Related Posts with Thumbnails