31.3.07

Um poema...

"Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança."


António Gedeão

Até isto, que apenas é, não mais do que a última parte do poema, até isto, este pensar, esta forma de estar, o SALAZAR proibiu... Bem como proibiu, centenas de musicas de serem mostradas, centenas de quadros de serem pintados, centenas de textos de serem publicados...

Enfim, SALAZAR, tinha medo do quê? Quarenta e tal anos após a sua morte, e depois destes exemplos, ainda há quem o julgue o melhor Português de todos os tempos... Safa!!!

Tribunal contas arrasa com governos!

Tribunal de ContasRelatório do TC arrasa contas dos últimos três governos 31.03.2007 - 00h02 Ricardo Dias Felner

Uma trapalhada. A primeira auditoria realizada pelo Tribunal de Contas (TC) aos gabinetes ministeriais e dos primeiros-ministros dos últimos três governos revela falta de transparência nos processos de admissão, total discricionaridade na tabela salarial e mesmo situações ilegais.
O relatório final, com data da passada quarta-feira, foi entregue ao primeiro-ministro e ao Presidente da República, com a indicação de que, dentro de seis meses, o Governo dê conta das recomendações e das medidas adoptadas. Entre as críticas apontadas, relativas a uma análise do período entre 2003 e 2005, está “a opacidade do teor e conteúdo de múltiplos despachos de recrutamento de pessoal dos gabinetes (...) e até da sua não publicação no Diário da República”. Por outro lado, o TC constatou também que o número de colaboradores recrutados para apoio aos gabinetes, durante o triénio, “não obedeceu a quaisquer limites” e que a sua selecção “nem sempre” assentou em critérios “claros e objectivos”. No mesmo sentido, lê-se no relatório, “observaram-se as mais díspares remunerações para funções idênticas”. Como é que tudo isto é possível, existindo leis que regulam estas matérias? Com truques, responde o TC. Um dos exemplos mais citados é, por exemplo, a entrada para gabinetes, com o quadro já completo, de “especialistas”, equiparados a adjuntos e secretários pessoais. Esta figura jurídica, de acordo com a lei, só deve ser usada para trabalhos, estudos ou missões de carácter eventual e extraordinário, mas quase todos os ministros e secretários de Estado subverteram este carácter temporário. Sendo clara a tentativa dos autores do estudo – cujo relator foi Carlos Moreno – de não distinguir a forma como actuaram os executivos de Durão Barroso, Santana Lopes e José Sócrates, ressaltam alguns dados sobre a gestão de cada um deles.Tomando apenas em consideração os 184 gabinetes estudados e validados (de um total de 205, para o período), as despesas de funcionamento foram de 151,5 milhões de euros. O Governo de Sócrates é o que sai melhor do retrato, apresentando cerca de 36,5 milhões de euros de despesas com pessoal, bens e serviços, contra 36,7 do Governo de Santana Lopes, e 77 milhões de euros do executivo de Durão Barroso. Mesmo tendo em conta que o período analisado em que Barroso foi primeiro-ministro é cerca do dobro do dos seus sucessores, o estudo indica uma contracção da despesa em 2005. Por outro lado, no entanto, o relatório indicia que o Governo de José Sócrates terá sido aquele que mais admissões permitiu e que mais recorreu a formas pouco transparentes no processo de recrutamento. Numa amostra de 30 gabinetes analisados com mais pormenor, verificaram-se 484 admissões, sendo que, de entre estas, 74 foram de especialistas.

30.3.07

A imigração nem sempre é uma bênção

Quando se fala do cartaz que alerta para o problema da imigração, considero oportuno recordar a carta que, há quase dois anos, publiquei nos jornais sobe este tema:

A imigração nem sempre é uma bênção
(Publicada no Diário de Notícias em 29 de Junho de 2005, p. 11)

Existem países dotados de acentuado grau de desenvolvimento que devem aquilo que são aos imigrantes a quem abriram as portas. Incluem-se na lista os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália, o Brasil e a Argentina, nos seus tempos áureos. Os imigrantes com capacidades profissionais úteis às estratégias de desenvolvimento do país de acolhimento, devidamente enquadrados em organizações económicas eficientes, constituíram factores insubstituíveis de crescimento. Ainda, há pouco tempo os EUA se declararam interessados em receber mais de duas centenas de engenheiros informáticos da Índia. A estratégia consistiu sempre em receber profissionais úteis e não pessoas indiscriminadas e sem especialização profissional.

Para lr mais clique aqui

29.3.07

Luís Filipe Vieira beneficiado por quem???

Já cá tinhamos em 05 de Dezembro de 2006 que algo de errado se passava:
Clica aqui para recordar e reflectir - será o mesmo ou mais outro roubo?

Só duas agressões/dia. É normal!!!

Capitulo 22

Ministério da Saúde

Apesar dos milhões gastos anualmente a saúde das populações está de uma forma geral bastante pior que há uns anos atrás. Isto parece um contra senso, como é possivél que com melhor tecnologia os resultados sejam piores.
Temos de analizar a questão da saúde sob vários angulos, os principais a saber:
1) Prevenção.
2) Complementaridade.
3) Gestão e reorganização dos recursos.
Na prevenção devemos actuar nas escolas, dando formação aos alunos, não só na questão da reeducação alimentar, como na formação destes em disciplinas especificas que lhes permitam resolver alguns problemas de saúde do dia a dia sem terem necessidade de andar sempre por qualquer espirro a correr para o centro de saúde ou hospital.
Desenvolvendo um pouco o tema, temos de quebrar o ciclo de envenenamento da cadeia alimentar por parte das empresas de agro toxicos (pesticidas, fertilizantes, herbicidas, insecticidas) apostando na alimentação e agricultura Biológica. Ter em atenção que estas mesmas empresas que nos envenenam a comida, são depois as que nos vendem a droga quando ficamos doentes.
Temos de ensinar os alunos a reconhecer sintomas e a saber utilizar tecnicas terapeuticas como a acupunctura, os chás, etc. para resolver as coisas simples como uma constipação, etc.
Em matéria de prevenção deve ainda fazer-se uso a nivél de centros de saúde dos recursos tecnológicos já existentes de forma a detectar as patologias precocemente, podendo actuar melhor e mais eficazmente.
Na questão da complementariedade defendemos a integração das medicinas alternativas no Sistema Nacional de Saúde e a criação de grupos inter disciplinares constituidos por profissionais de ambas as áreas de forma a ser aplicada ao paciente a técnica mais eficaz e de melhor custo.
Porquê operar uma coluna, com os riscos inerentes quando um osteopata, uma ozonoterapia, uma acupunctura conseguem na maior parte das vezes resolver o problema melhor com menos sofrimento e a melhor custo e mais rapidamente!
Porquê andar a aplicar paliativos numa ferida necrosada, quando a ozonoterapia, uma camara hiperbárica, a larvoterapia conseguem resultados em poucos dias ou semanas, onde os pensos demoram meses e às vezes nunca se consegue resultados.
Finalmente a reorganização dos recursos o grosso das despesas de saúde vai para os exames e para os medicamentos.
Na área do medicamento defendemos que o estado deve criar um laboratório onde deve produzir todos os medicamentos a serem usados no sistema nacional de saúde que serão disponibilizados à população a preços quase de custo. Para que se tenha uma ideia uma caixa de aspirina não custa mais de 40 centimos e é vendida por mais de 4 euros, isto significa um lucro para as farmaceuticas de cerca de 1000% sendo o estado a produzir o medicamento, mesmo que ganhe alguma coisa, se vender o produto a 60 centimos ganhando 50% o custo final ao consumidor reduz-se a valores simbólicos. Por outro lado ao quebrar-se a cadeia do lucro os profissionais passam a receitar o que o paciente necessita efectivamente e não as cargas de medicamentos que às vezes vemos na cabeceira dos doentes que vão acumulando medicamentos consoante o numero de médicos que consultam e as necessidades que estes tem de satisfazer os seus compromissos com os laboratórios de forma a atingir as metas que dão as tais viagens e brindes que todos conhecemos.
O estado deve produzir medicamentos quimicos e naturais de preferencia sempre que possivél, estimulando dessa forma a agricultura nomeadamente a produção de plantas aromáticas e medicinais e a apanha de plantas silvestres, devidamente organizada de forma a reduzir inclusivé o risco de incencios, através de um bom aproveitamento dos recursos.
O estado deve investigar no seu laboratório farmaceutico, alternativas terapeuticas de eficácia e de melhor relação custo/ eficiencia.
Para além dos medicamentos o estado deve apostar nas medicinas alternativas. Se a acupunctura funcionar melhor que a droga, espeta-se as agulhas, se uma massagem tirar a dor não se dá uma injecção, etc.
Deve ser implementada a fagoterapia em desfavor dos antibióticos, pois está provada ser esta técnica mais eficáz com menos custos.
Na área do diagnóstico, devem ser implementadas as técnicas de pré diagnóstico, que permitem uma selecção mais fina dos exames a fazer. Quero com isto dizer que existem recursos técnicos que permitem orientar à partida o paciente para o exame adequado a fazer, sem que este tenha de fazer a via sacra de todos os exames. Se é preciso fazer uma ressonancia magnética, não vale a pena perder tempo com RX e Tac, que não vão dar o resultado que se pretende e vão provocar o gasto inutil de recursos.
Defendemos que todas as unidades de saúde, devem ter o seu próprio laboratório de analises e no minimo um equipamento de ecografia, electrocardiograma, com respectivos profissionais a operarem com os sistemas de forma a dar respostas rápidas.
O estado deve ainda criar um centro de desenvolvimento de equipamento hospitalar, onde deverá produzir a maior parte dos equipamentos de diagnóstico e terapia, podendo inclusivé, vender para fora.
Só com a aplicação deste sistema que enuncio o estado pode dar melhor saúde às populações a baixo custo quer para o sistema quer para o doente, podendo desta forma incrementar o aumento das pensões de reforma dando por essa via também melhor qualidade de vida às populações.
Quem não entender isto vai continuar a deitar dinheiro para um saco sem fundo a encher a barriga a parasitas, sem que o povo e a saúde beneficiem.

Capitulo 21- O Governo da Nação (continuação)

Ministério dos negócios estrangeiros:
O Ministério dos negócios estrangeiros deve ser por eleição o Ministério da espionagem e contra espionagem. Quase todos os governos e potencias mundiais trabalham a partir das suas embaixadas na gestão dos seus interesses no estrangeiro e na recolha e processamento de informação.
Por esse motivo aparece a tal figura “ persona non grata” quando um espião é apanhado em aventuras para além do aceitavél.
No caso Português e por via deste ministério deveria haver um papel activo na consolidação das nossas posições nas ex. Colónias quer a nível empresarial quer de influencia geo-politica e geo-estratégica e o mesmo se deveria aplicar ao fortalecimento dos laços com as comunidades de emigrantes.
Por exemplo nos EUA a comunidade portuguesa e luso descendente, tem peso para influenciar decisões da administração/ governo e dessa forma a politica da nossa embaixada deveria ser feita no sentido de colocar na liderença dessa comunidade pessoas fieis a Portugal e que por via da sua situação possam fazer lobbie de acordo com os nossos interesses.
Um exemplo da nossa força foi quando do pós massacre do cemitério de Santa Cruz em Timor.
Não foi a esperteza dos nossos governantes a resolverem a situação, foi a indignação do nosso povo, expressa em milhares de telefonemas para familiares e amigos nos EUA e também as telefonistas da TAP a pressionarem os influentes Luso descendentes americanos, muitos deles senadores, para que todos mantivessem o governo americano sob pressão. È daqui que resulta a independencia de Timor, o resto são detalhes....
Os portugueses são pela sua natureza pessoas afaveis e que facilmente estabelecem relações, por esse motivo este ministério deve ser dirigido para os propósitos aqui enunciados.
O outro propósito deste Ministério é a defesa dos interesses dos cidadãos portugueses nos diferentes paises e o seu apoio, como por exemplo no caso do piloto que esteve inocentemente preso vários meses na Venezuela. Portugal portou-se abaixo dos niveis da indecencia abandonando completamente o senhor.
Para finalizar o tratamento eficiente das questões pessoais dos nossos emigrantes, certidões, declarações e toda uma panoplia de documentos oficiais.

Capitulo 20 - O Governo da Nação (continuação)

Ministério das Finanças:
Em Portugal o maior problema com as finanças advém do excesso de impostos com baixas contra-partidas e os desperdicios financeiros causados pela má gestão dos dinheiros públicos.
O primeiro ponto a resolver é a moralização da classe politica e a sua responsabilização, os senhores politicos não se podem aumentar escandalosamente e pedir ao pais sacrificios. Os senhores politicos não podem permitir derrapagens financeiras que chegam às vezes aos 200 e 300% nas obras publicas, os senhores politicos não podem viver fastosamente enquanto o povo aperta o cinto, os senhores politicos tem de ser um exemplo para a nação, porque enquanto não o forem o povo não tem motivação para cumprir.
Repare-se apenas os exemplos dos ultimos dias, falta de segurança, escolas fora de controlo e taxas moderadoras na saúde mais caras que uma consulta no privado. Fica então a questão que se coloca a todo o cidadão, afinal pago impostos para quê?
Estas questões são as primeiras a ser resolvidas.
Deve acabar-se com os impostos directos para que o povo tenha mais dinheiro no bolso, possa comprar mais conseguindo mais bem estar e fazendo o dinheiro fluir, que como já disse é o oxigénio da economia
Depois a questão da fuga aos impostos nas empresas como já disse em capitulos anteriores, aplicava os principios já enunciados no Cap 6:
“O Estado sabe que não consegue fiscalizar todas as empresas, ninguém melhor para o fazer que os próprios empregados. O que é melhor para o Estado, ter um imposto IRC virtual que 90% das empresas não pagam, ou ter dinheiro em circulação onde pode ir apanhando o IVA.
A minha proposta é pois muito simples o IRC acaba e o estado cria em sua substituição um sistema opcional onde as empresas podem escolher pagar o imposto a favor dos trabalhadores ou dar uma fatia de capital social aos trabalhadores, em um ou outro caso o valor corresponderia a 25% sobre os lucros/ capital. Também teriam de ser restringidas ou impostos limites aceitáveis para certas despesas que por enquanto ainda são aceites para efeito de contabilização dos lucros, isto para obviamente as empresas apresentarem lucros.
Esta proposta creio que será do agrado de todos, o estado passa a ver lucros onde antes não os via e o dinheiro vai circular, pois os trabalhadores com mais dinheiro, vão investir e gastar mais (logo o estado vai cobrar em IVA o que deixou de cobrar em IRC). O trabalhador, passa a estar mais motivado, pois sabe que quanto mais lucro der à empresa, mais leva para casa no fim do ano, apara além dos ordenados, dentro da empresa haverá uma tendência natural para a crítica aos inaptos e preguiçosos obrigando estes a uma melhor prestação de trabalho.
O empresário fica mais feliz por passar a contribuir para a riqueza do seu pessoal e não ter a sensação de dinheiro deitado ao lixo, que é o IRC.
O trabalhador, também passa a ter o direito de fiscalizar as contas da empresa e de solicitar uma fiscalização caso suspeite que ainda assim o empresário está a roubar. O apuramento desta fiscalização, multas, dividas, etc. reverterão a favor dos trabalhadores. Se a opção da empresa for a distribuição de 25% do capital pelos trabalhadores, estes passam a ter o direito de nomeação de um membro do conselho de administração em sistema de rotatividade.”
Uma medida muito importante de moralização da administração pública, diz respeito à situação escandalosa de uma empresa vender ao estado, depois de facturar ter de pagar os impostos e estar anos e anos para cobrar a divida do estado, muitas empresas não aguentam e tem de fechar por via desta situação.
A primeira medida é um acerto de contas onde os fornecimentos ao estado passam a ser isentos de imposto, não tem lógica o dinheiro andar a dançar de um lado para o outro se o dono final é sempre o estado, esta medida permite baixar as dividas em volume de factura e assim sendo permitir a sua liquidação mais atempada.
Esta medida terá como consequência o abaixamento dos preços por parte dos fornecedores, uma vez que os preços são muitas vezes inflacionados por força do tempo de espera. Também para obrigar o estado a comportar-se como pessoa de bem deve pagar juros de mora em caso de atraso de pagamentos a fornecedores.
O estado deve ser um exemplo para a sociedade de cumprimento e honorabilidade, só dessa forma pode exigir à sociedade.
As finanças públicas devem ser junto com o ministério da economia um pólo de desenvolvimento do pais, enquanto os políticos não entenderem que as finanças não podem agir como o xerife do Robin dos bosques que agarra no povo pelos pés e o coloca de cabeça para baixo aos safanões até caírem todos os tostões, estamos mal. Temos de encontrar um justo equilíbrio entre o pagar e o ter dinheiro no bolso que nos permita a satisfação e o conforto de uma vida digna. Entre o pagar e o receber por parte do estado o cumprimento das suas obrigações enquanto estado, referentes à satisfação do fornecimento de serviços que só o estado pode assegurar.
Mal estaremos se não se entender isto e se o estado tal como agora só servir para confiscar o dinheiro dos cidadãos e os estrangular, é um estado condenado à morte!

Agora voçê pode ser localizado

Vejam esta:

Personal Trainer

“A actividade física é uma das recomendações mais preconizadas pelos médicos aos seus pacientes. As guidelines estabelecidas pelo ACSM (American College of Sports Medicine) referem que os benefícios para a saúde significativos podem ser obtidos pela inclusão de uma quantidade moderada de actividade física (por exemplo 30 minutos de marcha vigorosa) na maioria ou totalidade dos dias da semana.”
O exercício físico combate o sedentarismo e a obesidade, diminui o risco cardiovascular, diminui a ansiedade e depressão e aumenta a auto-estima.
Mas cada vez mais o exercício carece de um acompanhamento por um profissional de exercício qualificado – Personal Trainer – que seja capaz de construir, monitorizar e motivar um programa de exercício adequado tendo em conta os padrões intrínsecos e saúde e bem-estar de um indivíduo.

Ainda que o exercício possa e deva constituir uma prática comum e sem custos para a população em geral, a grande maioria dos indivíduos estão conscientes do valor do bem estar físico e desejam exercitar-se, mas não têm tempo ou estímulo. Existem também aqueles que necessitam de mais segurança na rotina de exercícios e, ainda os que buscam resultados estéticos tão almejados, porém nunca atingidos em actividades físicas padronizadas.

Por outro lado, temos indivíduos sob condições especiais (como gravidez, diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares ou reumáticas, entre outras) que necessitam de um trabalho específico, principalmente o que envolve reabilitação.
Portanto, tornou-se essencial a existência do que apelidamos de Treino Personalizado, mais conhecido na versão inglesa como Personal Training, sendo um programa de exercício físico personalizado e elaborado de acordo com os objectivos e necessidades individuais, com privacidade e acompanhado de um profissional habilitado. Para os indivíduos que possuírem alguma patologia ou qualquer outra situação médica que condicione a prática regular de exercício físico, o respectivo programa deverá ser articulado com o Médico responsável.

Fora de horários rígidos ou de ambientes repletos de multidões que caracterizam a grande maioria dos health-clubs de hoje, o Personal Training ao domicílio, nas empresas ou mesmo ao ar livre constitui uma opção válida para aqueles que prezam a sua privacidade, horário ou mesmo o contacto com a natureza.

Portanto, opte pela solução que mais se adequa às suas necessidades e exigências pois a prática de exercício físico terá os seus resultados se encarada como um simples e puro divertimento. Certifique-se sempre que tem sempre ao seu lado um profissional qualificado e apto - Personal Trainer - para monitorizar o seu treino se for essa a sua pretensão.

personal.trainer.saude@gmail.com

Blog Ondas3

"Só os peixes mortos nadam com a corrente"
Um excelente blog.
Um maravilhoso ponto de informação ambiental.
Um jornal on-line que denuncia os destruidores do planeta.
Muito Bom
Grande

Maior central solar do mundo em Portugal

A maior central de produção de electricidade através de
energia solar do mundo foi inaugurada em Serpa, no Alentejo.
A central de energia solar fotovoltaica de Serpa contou com um financiamento de cerca de 75 milhões de dólares (cerca de 56,4 milhões de euros) em 2006. Já o fornecedor do sistema foi a Power Light que teve a cargo a instalação e vai assegurar a operação e manutenção da central.
Ainda a cargo da Catavento esteve o desenvolvimento do projecto que continuará a gerir a central que produz energia para a rede eléctrica de forma experimental desde Janeiro.
Esta central tem uma capacidade instalada de 11 megawatts (MW) e vai produzir electricidade para cerca de 8 mil lares.
Recebe incentivos do PRIME
A cerimónia de inauguração contou com a presença dos responsáveis das empresas envolvidas no projecto e ainda do ministro da Economia, Manuel Pinho e do embaixador dos Estados Unidos em Portugal, Alfred Hoffman.
Na cerimónia foi ainda assinado um contrato para a atribuição de um subsídio ao investimento no valor de 3,7 milhões de euros, no âmbito do Programa de Incentivos à Modernização da Economia Portuguesa (PRIME) do Governo português.
De referir ainda que a unidade de Serpa vai assentar sobre uma tarifa preferencial determinada pelo Governo português.

Revista MAGAZINE

MAGAZINE
GRANDE INFORMAÇÃO

Assim se chama uma excelente revista relativamente nova na praça. Como diz o seu director: "A Magazine Grande Informação é uma revista mensal, que pretende reconciliar os portugueses com o seu passado, dar-lhes algum conforto no presente e transmitir esperança para o futuro.
Iremos abordar política & economia, sociedade & família, lusofonia & mundo, saber & lazer de uma forma profunda sem ser enfadonha.
Iremos respeitar e defender os valores da cultura portuguesa, tendo como preocupação permanente a construção de um modelo económico competitivo para Portugal, a dignificação do nosso património histórico e cultural, o estímulo da livre iniciativa e da ética empresarial, a promoção de uma cultura de esforço, de rigor e de exigência bem como a total independência corporativa.
Obedecemos a um projecto editorial sem redacção fixa, pelo que todos, profissionais ou não, estão convidados a participar.
Não queremos um Portugal que ande de “chapéu na mão pela Europa”, e defendemos uma linha editorial onde a pessoa estará sempre á frente, de credo, cor ou posição social.
Pretendemos dar o nosso contributo para a construção de uma Europa cristã, aberta, fraterna e competitiva."
MAGAZINE
GRANDE INFORMAÇÃO
Obrigado Otto
Abraço

28.3.07

ELOGIO AO GOVERNO

Do alto destas fragas (Do Mirante), enquanto as minhas cabras procuram as melhores ervas para se alimentarem, após cheirarem todas e fazerem a comparação que baseie uma boa escolha, olho a planície, lá em baixo, um pouco toldada pela neblina matinal, e vou ouvindo as notícias que a minha estação de rádio preferida me traz quase em permanência. Isto da rádio e o que ela nos ensina é um milagre da evolução da história da tecnologia. O meu avô não tinha rádio, o meu pai tinha um matacão a pilhas, pesado como um tijolo de 20 furos e as pilhas duravam pouco e custavam muito. Eu já comecei pelos transístores de grande tamanho e agora tenho um do tamanho de uma caixa de fósforos, com microprocessador, e nem gasto dinheiro em pilhas, pois uso uma pequena placa solar que, quando me desloco, dependuro nas costas da samarra para continuar a captar a energia solar. Realmente, o mundo tem evoluído muito e a história não volta atrás, não tenham medo os que os que se assustaram com a escolha popular do «melhor português» pois ele não ressuscita, embora muitos dos seus apologistas o desejassem. Mas, cuidado! Dentro em pouco pode aparecer outro que, em vez de nos obrigar a ter bilhete de identidade, nos obrigará a ter cartão único, chip implantado abaixo da clavícula direita, etc.
Para ler mais clique aqui

Protesto Nacional

NOVO LUTO NACIONAL

seremos de início dez, depois cem… mil… um milhão.....

vista algo de cor preta...pendure algo desta cor na janela de sua casa... vamos conseguir!...

nos DIAS 22 e 23 Maio

( 2 dias)

TODOS DE LUTO

CONTRA A VERGONHA!

Sabemos que sair às ruas é complicado devido aos compromissos diários, então

estamos propondo que nos dias

22 e 23 de Maio

todos ao saírem de casa vistam camisas/blusas pretas, e se você não tem, amarre um lenço preto no pescoço ou braço

MELHOR AINDA:

Pendure um pano preto na sua janela em sinal de luto pela morte da dignidade dos políticos.


Isto vai ser um sinal de repúdio à palhaçada que virou
a política.

DEMONSTRE sua indignação em todos as cidades !

Não tenha vergonha de participar!

Devemos ter vergonha de assistir à bandalheira de boca fechada e mãos atadas como um povo ignorante que não sabe como protestar!

Envie este texto ao maior número de pessoas.

Vamos dar um basta e reagir como gente grande dizendo um grande

BASTA!

27.3.07

Novo símbolo de Portugal

Mais nada!

NAL - Novo Aeroporto de Lisboa

Não posso deixar de aqui publicar este artigo do meu amigo que, ao contrário de muitos seguidistas, embora tenha sido fundador do PS, é um intelectual dedicado a estudos de estratégia de empresas e às teorias da decisão e usa de independência e isenção sempre que se debruça numa análise responsável

A não evidência do Aeroporto na Ota
Por Manuel Pedroso Marques (*)

Os bons objectivos, correctamente formulados, tornam-se evidentes. Ganham visibilidade, mobilizam as pessoas e constituem-se em factores estruturantes da confiança no futuro. Este não é, obviamente, o caso da Ota como localização do Novo Aeroporto de Lisboa. O que é uma pena, porque o país precisa de ter e acreditar que tem bons objectivos. Para ler mais clique aqui

RFID - Identificação por Radiofrequência

O controlo de pessoas, mercê da utilização das modernas tecnologias, está a tornar-se demasiado apertado, lesando de forma grave a liberdade e a privacidade de cada um.
Uma cidadã brasileira reagiu de forma muito correcta à situação que lhe foi criada pelo seu ginásio. É um exemplo a ser seguido em casos semelhantes. Ver em Nicolaias.

26.3.07

UMA LUZ DE ESPERANÇA? OU DE RECEIO?

Quem costuma ler os meus textos com assiduidade já se deve ter apercebido de que procuro ser sereno, racional, sem me deixar dominar por entusiasmos fáceis, evitando conflitos, radicalismos e extremismos, procurando sempre o império do bom senso, através da compreensão e do diálogo calmo. Mas também tenho dito que, dado o desgoverno da sociedade que, por motivos vários, tem sido anestesiada, permanecendo numa modorra, em que predomina a indiferença, a apatia e o desleixo, torna-se necessário um abanão que a faça acordar e passar a utilizar os neurónios individuais, resistindo a manipulações exteriores. Uma análise sem nada de profética conduz à conclusão de que as próximas gerações, depois de acusarem os seus pais e avós do estado degradado em que recebem o País, hão-de restaurá-lo, certamente à custa de actos disciplinadores, didácticos, moralizadores, que poderão atingir alguma violência e repressão.

Para ler mais clique aqui

O grande Português - SALAZAR

O grande "Tuga"!!!
É ele mesmo, Salazar ganhou. Qual Camões, qual D. Afonso Henriques. SALAZAR!!! SALAZAR!!! SALAZAR!!!
Este á sem dúvida um dos dias em que começa a REVOLUÇÃO!
Esta é a 1ª grande manifestação de descontentamento do povo português. Mesmo com a falcatrua de fazer uma segunda volta (com os 10+) o povo voltou a dizer:
ESTES POLÍTICOS SÃO UMA MERDA!!!
Salazar foi sem dúvida um marco da nossa história mas não tenhamos dúvidas também que ninguém (ou quase) o queria de volta.
Então porque ganhou? Porque estes políticos são uma merda!!!

25.3.07

Freitas "O Amiguinho"







Caros amigos,
Saiu hoje no Jornal Correio da Manhã a seguinte notícia



Ora vamos lá contar a verdadeira história:


A luta entre D. Maria Pia, D. Rosário contra Duarte Pio tem décadas, http://www.reifazdeconta.com/




em 1995 morre D. Maria Pia e a esposa de D. Rosário. Este retira-se da luta para acompanhar a educação do filho então com 12 anos.
Em 2005 D. Rosário reaparece os amigos de Duarte Pio agora bem infiltrado nos centros de poder, iniciam o processo de retaliação.
Tudo começa com uma viagem a Itália de Duarte Pio que contacta com o seu amigo embaixador de Portugal.



De regresso Freitas do Amaral, amiguinho de Duarte Pio e Ministro dos Negócios Estrangeiros em exercicio emite este parecer http://democracia-real.blogspot.com/2007/02/parecer-do-mne-que-reconhece-sar-o.html




Freitas com D. Rosário na sede do CDS
ao mesmo tempo que o consulado manda duas cartas para as autoridades Italianas a dizer que Duarte Pio é o pretendente ao trono reconhecido pela républica.


Confrontados com esta loucura e actos anti constitucionais foram enviadas cartas ao Ministério dos Negócios estrangeiros e para a Assembleia da Rébublica a pedir que justificassem do ponto de vista legal, como é que uma républica pode reconhecer um pretendente a algo que não existe ( O TRONO) Cartas estas que até hoje não tiveram resposta.
Também o Presidente do PPM, deputado Nuno da Camara fez requerimentos ao governo a pedir esclarecimentos....mas o silencio é de morte ver em http://www.parlamento.pt/ requerimentos - Nuno Camara Pereira- PSD.


O governo fez uma grande burrada e invés de limpar a porcaria e assumir a responsabilidades, pressiona as autoridades italianas para liquidarem como puderem o D. Rosário....para o silenciarem pois desta forma pensavam que a porcaria não lhes rebentaria nas mãos.


Como é que surgiu a oportunidade:


A cerca de um ano e meio e usando das suas prerrogativas de chefe de casa real D. Rosário preside a uma cerimónia no municipio de Palermo, onde condecorou e fez comendadores da Real Casa cerca de duas centenas de pessoas, entre as quais altos magistrados, advogados, padres, etc.
Uns eram amigos e outros amigos de amigos nesses teve a infelicidade de atribuir comendas e a representação da real casa para Milão a 3 vigaristas que eram:
Resini Roberto director de um banco
Gervasi Ugo Director de uma empresa de segurança: Ferdy Investigazioni
Malanchin Fabrizio Empregado de uma agencia de investigação SEGSA I & I MALANCHIN
Quem, iria suspeitar destas pessoas?

Estes senhores começaram a fabricar documentos falsos servindo-se do nome da Real Casa, sem D. Rosário saber de nada, pois nunca mais viu estes senhores depois da dita cerimónia.



Quando a policia Italiana começa as suas investigações instigada pelo governo português que dava protecção a Duarte Pio acabam por enfiar tudo no mesmo saco nesta lógica:
Se Portugal, o GOVERNO REPUBLICANO PORTUGUÊS diz que Duarte Pio é o pretendente ao trono virtual reconhecido pela republica, Logo D. Rosário é um vigarista, logo como ele tem colaboradores = a associação criminosa.


Ora as actividades criminosas dos ditos vigaristas cairam que nem mel na sopa e toca de embrulhar tudo, o governo tenta assim escapar-se de dar uma resposta legal às burradas que fez ao reconhecer Duarte Pio.




Esta acção chama-se abuso de autoridade e poder, arbitrariedades.



O principal culpado Duarte Pio e o amiguinho o já nosso conhecido FREITAS DO AMARAL.




Lançamos aqui publicamente o desafio ao "Governo" respondam às cartas que tem para responder no Ministério dos Negócios Estrangeiros e ao deputado e presidente do PPM, Digam a verdade ao estado Italiano, que Portugal é uma républica e que não pode reconhecer herdeiros a algo que não existe para a républica "Um TRONO" e ponho a minha cabeça no cepo como em poucos dias D. Rosário fica livre e recomposto .




Dois Mil...

Hoje enquanto colocava umas fotos no beezzlog, deparei-me com a quantidade das visitas, atingiu as 2000, parabéns aos meus leitores e parabéns, a mim, aos meus comentadores e a todos que tornaram isto possível.
Espero continuar a agradar-vos com as minhas postagens, pois só assim se consegue ter leitores fiés.
A todos muito e muito obrigado.
Carlos Rocha (beezzblogger)

24.3.07

Milionários em empresas municipais

Os gestores municipais são nomeados sem critério, não fazem declaração de rendimentos e, em muitos casos, recebem muito mais do que o permitido por lei. Para além disso, beneficiam de regalias, como cartões de crédito e telecomunicações, sem que tal esteja previsto na lei.
Estas são algumas das conclusões de uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas (TC) aos vencimentos e remunerações acessórias dos administradores (relativos ao ano de 2004) de 31 empresas municipais de todo o País.
Muitos destes gestores estão em empresas criadas por municípios totalmente endividados. É o caso, por exemplo, da Câmara de Lisboa, que segundo a Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) possui um grau de endividamento de 362 por cento, a autarquia do Porto está endividada em 154 por cento e Vila Nova de Gaia (151 por cento) ou Loures tem 131 por cento de endividamento.
De acordo com o documento, das 31 empresas analisadas, 14 pagam valores superiores, em alguns casos 40 por cento a mais, aos fixados na lei, quer no que diz respeito aos vencimentos base quer a despesas de representação. Em nove casos, os auditores detectaram que membros dos conselhos de administração receberam remunerações respeitantes ao cargo exercido em acumulação que excedem em 75 por cento o vencimento do Presidente da República, que em 2206 foi fixado em 7155 euros (incluindo despesas de representação).
Mas o TC também foi surpreendido por gestores que nada recebem pelos cargos que desempenham: os administradores da Vila Real Social, FozCoaInvest e Sistema Automático de Transporte Urbano – Oeiras não receberam qualquer remuneração em 2004.
Os valores pagos nada da têm que ver com os resultados obtidos à frente das empresas. Na verdade, mais de metade das empresas auditadas apresenta resultados operacionais (e líquidos) negativos. Em dois casos, o próprio capital “passou a apresentar valores negativos dos quais resultou a perda da totalidade do capital social”, lê-se no documento.
Quanto às regalias acessórias, o TC detectou nove empresas que atribuíram aos seus gestores viaturas para uso pessoal ou indiferenciado, ao arrepio da lei. Há ainda casos de atribuição de prémios de produtividade, de seguros de saúde e até senhas de presença, mas em número não expressivo.
Deste retrato do TC sobressai a Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), não só pelos seus avultados ordenados e demais regalias dos seus administradores e vogais mas também porque o próprio conselho de administração tem mais dois elementos do que o legalmente previsto: em vez de três, são cinco.
No âmbito do contraditório, alguns conselhos de administração alegaram inconstitucionalidade – ao arrepio da reserva da lei da Assembleia da República – e violação do Princípio da Autonomia Local, alegações que não foram reconhecidas pelo TC, que manteve as suas conclusões.
TRIBUNAL NÃO ACEITA DEFESA
No âmbito do contraditório, alguns conselhos de administração alegaram inconstitucionalidade – ao arrepio da reserva da lei da Assembleia da República – e violação do Princípio da Autonomia Local, alegações que não foram reconhecidas pelo organismo presidido por Guilherme d’Oliveira Martins, que manteve as suas conclusões.
A actividade do conjunto das empresas analisadas vai desde a produção de electricidade à habitação e gestão de obras públicas, até à administração de equipamentos culturais. Foram seleccionadas tendo em conta o seu activo líquido e as áreas de actuação dos centros de desenvolvimento regional, onde se inserem.
ATRIBUIÇÃO INDEVIDA DE EXTRAS
O quadro legal não permite a retribuição de gestores municipais, a título principal ou acessório, através da atribuição da utilização de cartão de crédito, viaturas ou telemóveis. No entanto, o Tribunal de Contas detectou que nove empresas atribuíram viaturas para uso pessoal ou indiferenciado, em duas foram abonados cartões de crédito e em 11 foi autorizado o pagamento de despesas de telefone móvel.
As empresas municipais, na sua esmagadora maioria, alegam que quer telemóveis quer os automóveis se destinam à utilização profissional e os cartões de crédito a pagar despesas. No entanto, não explicam porque precisam de viaturas de valor tão elevado.
Quanto aos cartões de crédito, de acordo com o Tribunal de Contas, “nas respostas aos questionários remetidos, no âmbito do pedido de informações sobre as remunerações auferidas” foram as próprias empresas que incluíram as despesas efectuadas com cartões de crédito.
O QUE TÊM QUE NÃO PODIAM TER
CARTÕES DE CRÉDITO (MÉDIA MENSAL)
Epul (Sequeira Braga) - 1871,53 euros
Emel (Carlos Silva) - 767,51 euros
Gaia Social (Jorge Queiroz) - 573,64 euros
TELEMÓVEIS (MÉDIA MENSAL)
Epul (Dina Luis Gomes) - 297,97 euros
Epul (Anibal Cabeça) - 251,29 euros
Espaço Municipal (Inácio Almeida) - 220,67 euros
VIATURAS
Gebalis (Eduarda Rosa) - 50879,64 euros
Emel (António Monteiro) - 49586,24 euros
Epul (Eduarda Napoleão) - 46939,22 euros
O QUE DIZ A LEI
APLICAÇÃO DO REGIME GERAL
A lei manda aplicar subsidiariamente a todas as empresas municipais o Regime Geral das Empresas Públicas.
LIMITE AOS MONTANTES
O estatuto remuneratório dos gestores municipais não poderá exceder quanto às suas componentes e respectivos montantes os contornos do Estatuto dos Gestores Públicos.
CONTRATO QUANTITATIVO
Não poderão ser criadas outras componentes remuneratórias nem exceder os quantitativos fixados.
TOP 10 PRESIDENTES (Remunerações e despesas de representação ilíquidas de 2004)
Os rendimentos de muitos presidentes de empresas municipais estavam consideravelmente inflacionados.
1- Eduarda Napoleão (EPUL): 6085,55 euros (ganha) / 4365,87 euros (devia ganhar) / + 39,39% (diferença)
2- Eduarda Rosa (Gebalis): 4752,56 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / + 30% (diferença)
3- António Penha Monteiro (Emel): 4752,55 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / + 30% (diferença)
4- Sequeira Braga (EPUL): 4659,80 euros (ganha) / 4365,87 euros (devia ganhar) / + 6,7% (diferença)
5- Horácio Prata (ACC Coimbra): 4483,66 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / + 22,64% (diferença)
6- J. Poças Martins (Ág. Gaia): 4330,32 euros (ganha) / 3655,81 (devia ganhar) / + 18,45% (diferença)
7- V. Pereira Ferreira (GOPCM Porto): 4230,00 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / 15,71% (diferença)
8- José Maciel (Águas de Gaia): 4226,82 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / + 18,45% (diferença)
9- Carmona Rodrigues (EGEAC): 3655,81 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar)
10- José Moreira Marques (Educa): 3653,73 euros (genha) / 3655,81 euros (devia ganhar)
TOP 10 VOGAIS (Remunerações e despesas de representação ilíquidas de 2004)
Existiam vogais a ganhar muito mais do que os próprios presidentes das empresas municipais.
1- Ministro dos Santos (Mafratlântico): 8800,00 euros (ganha) / 3037,13 euros (devia ganhar) / + 189,75% (diferença)
2- Pedro Estácio Marques (EPUL): 5012,96 euros (ganha) / 3655,81 euros (devia ganhar) / + 37.12% (diferença)
3- Arnaldo João (EPUL): 4978,29 euros (ganha) / 3185,92 euros (devia ganhar) / + 36,17% (diferença)
4- Helena Lopes da Costa (EPUL): 4752,55 euros (ganha) / 3326,4 euros (devia ganhar) / + 30% (diferença)
5- Dina Gomes (EPUL): 4547,71 euros (ganha) / 3437.53 euros (devia ganhar) / + 24.4% (diferença)
6- Fernando Sequeira (EPUL): 4508,78 euros (ganha) / 3155,6 euros (devia ganhar) / + 30% (diferença)
7- Aníbal Cabeça (Epul): 4458,59 euros (ganha) / 3477,24 euros (devia ganhar) / + 21,96% (diferença)
8- Luísa Amado (EPUL): 4438,16 euros (ganha) / 3488,26 (devia ganhar) / + 21,4% (diferença)
9- Miguel Lemos (Est. Mun. de Aveiro): 4262,70 euros (ganha) / 3037,13 euros (devia ganhar) / + 40,35% (diferença)
10- João Costa (Gopcm Porto): 3950,00 euros (ganha) / 3037,13 euros (devia ganhar) / + 30,06% (diferença)
O QUE DISSERAM
"Não entreguei ao Tribunal Constitucional a declaração de inexistência de incompatibilidade ou impedimentos por pensar que essa obrigação só se verificava nos casos em que o exercício de funções fosse remunerado." Manuel Andrade (Empresa Municipal de Desenvolvimento Turístico da Costa do Estoril)
"Se me permite confessar, ao longo do mandato de quatro anos além de não dispor de um tostão para mandar cantar um cego apenas fui beneficiário de três refeições por conta do orçamento e iniciativa do accionista principal." Fernando Ramos (Fozcoainvest)
"Acresce ainda às razões puramente hermenêuticas (e situadas no plano da legislação ordinária) que se acaba de explanar o princípio da Autonomia Local, que é também um importante elemento interpretativo." Águas de Gaia
"Recebimento de valores que, eventualmente, excederam os fixados pela RCM n.º 29/89, cumpre mencionar que, tal facto, também se prende com a indefinição e pouca clareza do regime actualmente vigente." Câmara de Lisboa (EPUL, Gebalis, EMEL, EGEAC)
"A signatária não pode deixar de referir [...] que escolheu um modelo organizativo do seu conselho de administração totalmente legítimo e transparente." Mafratlântico
"Dado que não existe qualquer disposição legal que assim o determine, decidiu indexar os vencimentos dos membros dos conselho de administração desta empresa aos auferidos pelos eleitos locais." Gaia Social
In Correio da Manhã

23.3.07

Eng. José Sócrates o tanas!!!

Engenheiro???
Não é!!!

Pois...
A Ordem dos Engenheiros manifestou que o Sr. Zé não fez exame de admissão e não está inscrito na Ordem.
Mas...
Ele não é Licenciado em Engenharia como dizem agora. Eu explico: um licenciado vai às aulas e tira o curso, se não fôr às aulas faz por exame... mas tem que lá ir.
Vejam o que diz no PÚBLICO.
Sem fugir com o rabo à seringa EU digo: o curso foi oferecido por um amigo ou foi comprado. E isto a PJ não investiga!
É uma merda viver num país onde nem o 1º Ministro é honesto. Todos os Licenciados verdadeiros sabem o que passaram para acabar o curso. Então os que já trabalhavam como eu ainda mais. E depois é ver estes LADRÕES fazerem estas merdas!
Chiça, caramba, ufa...
E para não esquecer:

Curso de Engenharia do Pinóquio (por ordem cronológica)


Capitulo 19 - O Governo da Nação (Continuação)

Ministério das Obras Públicas, Turismo e Habitação:
Este ministério abrange 3 áreas completamente diferentes e nesse sentido obriga-me a dividir a minha exposição em 3.
Obras públicas: Durante dezenas de anos foi um dos sectores, mais descontrolados e com maiores derrapagens financeiras e ainda é. Planos mal executados, alterações não previstas no plano original, etc.etc. levam a que os orçamentos inicialmente previstos dupliquem e às vezes tripliquem.
Não deixa de ser curioso a interdependencia e cumplicidades entre os agentes deste sector e o poder politico partidário e mais não digo que para bom entendedor...........
O que posso defender é que o estado deve usar todos os mecanismos legais que defendam os seus interesses e que obriguem à execução de planos de obras publicas bem elaborados, com visão de médio e longo prazo e que não permita derrapagens financeiras, ou que estas a acontecerem seja por conta do empreiteiro ou que seja criado um seguro especial para estas situações.
Por sua vez o estado deve cumprir com prazos de pagamento.
O estado tem de se portar como pessoa de bem e não como caloteiro e devedor das empresas. Não é aceitavél que uma empresa que facture ao estado tenha de pagar IVA antes de receber o pagamento, isto rebenta com muitas empresas e é um péssimo exemplo para a sociedade.
Turismo:
O turismo é e deve continuar a ser uma das grandes apostas nacionais.
Para além do turismo de praia e do turismo rural devem ser implantadas outras estratégias turisticas:
Turismo ecológico: Criação de circuitos ecológicos com guias treinados para observação de espécies da fauna e flora.
Turismo Cientifico: Por exemplo criação de pontos de observação estrelar com guias orientadores especializados em astronomia, visitas a centros de inovação técnologica, etc.
Turismo histórico: Circuitos históricos com guias especializados.
Turismo místico: Este turismo é espectacular e os brasileiros estão a explorar bem esta vertente. Imagine-se um lugar com um Castelo que tenha uma lenda, umas antas, uns menires e está dado o mote. Os turistas percorrem os locais, todas as pedras e coisas invulgares tem um nome e uma história, fazem praticas de meditação e relaxamento é muito engraçado e repousante. Os guias para além dos aspectos pitorescos da lenda ou da história “magica” do local ensinam aos turistas umas posturas de Yoga, tai-chi, meditação e o bem estar aparece.
( Santiago e Fátima são no fundo um tipo de turismo deste género).
Habitação:
Esta vertente deste ministério trata da habitação social e muito bem, todos devem ter direito a uma casa, mas não é admissivél que pessoas que tem bens na terra e que depois vão viver para uma barraca nas periferias dos centros urbanos, beneficiem destes programas de casa social. Ou a acontecer os tais bens que tem na terra devem reverter a favor do estado no momento da atribuição da casa social, tudo deve ser estudado de forma a que os outros milhões de Portugueses, que pagam impostos e que tem de andar a pagar uma casa 30-40 anos ao banco não se sintam defraudados e prejudicados.
Em cada caso deve ser bem avaliada toda a situação e envolvencia familiar e se for o estado ou municipio a ceder a casa à familia carenciada, devem ser aplicadas rendas justas de acordo com a situação especifica.

Capitulo 18 - (Continuação)

Ministério da Educação:
A educação é o pilar fundamental da vida em sociedade é através da educação que as crianças assimilam a cultura e a lingua em que estão inseridas e é através da educação que o jovem se prepara para a vida activa quando adulto.
Como já tinhamos falado no Cap 5:
“Pese embora o facto de nos dias de hoje nos países ocidentais a educação ser um bem colocado há disposição dos cidadãos, o acesso a esta continua a ser limitado pelas condições de riqueza da família onde a criança se encontra inserida.
Uma criança nascida numa família rica poderá frequentar os melhores colégios até particulares, ter explicações, ter uma alimentação mais adequada, praticar actividades extra curriculares ter acesso à aquisição de cultura (livros, cinema, viagens, etc.) e acima de tudo ter acesso a um meio social onde poderá futuramente continuar o desenvolvimento da sua riqueza.
O pobre pode através da sua capacidade intelectual ascender socialmente através da conquista de um diploma e de uma carreira profissional, mas terá sempre muito mais dificuldades para singrar na vida. O rico pode no momento em que termina a sua formação ter acesso à sua independência por exemplo quando os pais lhe facilitam o dinheiro para se estabelecer num determinado negócio. O pobre terá sempre de começar por vender o seu trabalho, ter nome e fama de honesto na praça e depois recorrer a empréstimos na banca, para se poder lançar na conquista da riqueza”.
A primeira questão que urge resolver é a democratização do ensino e a reconversão do ensino para a eficácia. Assistimos nos dias de hoje que os nossos estudantes tem muita teoria mas depois na prática da vida tem grandes dificuldades de adaptação.
Por esse motivo a educação deve ter objectivos fundamentais, dos quais não se pode desviar:
O primeiro é situar a criança no mundo, partindo da vivência familiar, através das ciências investigar o mundo que a rodeia, a criança deve ter uma noção do micro e do macrocosmo, do infinitamente pequeno ao infinitamente grande e deve ser situada na sua relação com o meio ambiente. São pois as áreas cientificas como a botânica, a geografia, as ciências da natureza, a astronomia, etc. as traves mestras deste trabalho educativo.
Realça-se aqui nesta área a necessidade de formação desde a mais tenra idade na área da saúde, onde as crianças aprenderão vários conceitos e técnicas de medicina preventiva e de primeira intervenção, isto é muito importante para que uma vez necessitadas as crianças saibam resolver as coisas ligeiras e reconhecer os sintomas de quando devem procurar ajuda profissional.
O segundo objectivo é criar na criança capacidade de resolução de problemas portuguesmente falando capacidade de se desenrascar e responder aos desafios. Aqui são as disciplinas do lúdico, os jogos tradicionais, o desporto principalmente as artes marciais e os trabalhos oficinais, que lhe permitem desenvolver a criatividade e capacidade de resolução de problemas.
O terceiro objectivo integração e interacção social, o sistema de ensino deverá ter obrigatoriamente uma componente de serviço comunitário, onde as crianças a partir de certa idade terão de se inserir em ONGS e ocupar parte dos seus tempos livres em acções de voluntariado desde vigilância e protecção da natureza, ajuda a pessoas idosas e carenciadas, corpos de bombeiros, etc.
Só através do envolvimento das crianças na sociedade pela educação para a vida e para a eficácia é que podemos cessar com os comportamentos anormais que vimos há dias na TV.
Também temos de introduzir regras claras que definam o papel dos alunos e dos professores. Um professor não pode ter uma espada na cabeça que o impeça de reagir e actuar se um aluno passa dos limites, não pode ter uma espada na cabeça que o impeça de reagir, se for agredido fisicamente, deve ter o direito de se defender e punir dentro do razoável o aluno prevaricador.
“Aqui à uns anos um professor meu conhecido trabalhava no Bairro da Serafina em Lisboa, um aluno portou-se mal e ele deu-lhe uns estalos bem dados.
O puto foi para casa e queixou-se ao irmão que era mais ou menos da idade do professor. O irmão juntou um grupo e foi à escola para dar uma sova no professor.
O professor estava com um guarda-chuva na mão e disse, podes bater, mas enquanto o guarda-chuva aguentar, também as levas….O irmão não se atreveu e a coisa ficou assim.
Passados uns 15 anos o professor ia no metro e aparece-lhe um matulão que lhe bate no ombro e lhe pergunta, o senhor não é o fulano tal que foi professor em tal sitio? Ele responde que sim e o matulão perguntou-lhe se ele se lembrava dos estaladões que lhe tinha dado?
O professor ficou um pouco aflito a pensar, agora é que as vou pagar, mas para espanto o rapaz agradeceu-lhe os estaladões, dizendo que por causa desses estalos tinha entrado na linha e era agora um bom profissional e trabalhador de sucesso, pelo contrário a maioria dos seus amigos de infância, tinham-se perdido nos meandros do crime ou da droga……”
Por outro lado o professor deverá ser um exemplo de conduta para os alunos, não podem fumar nas aulas, atender telemóveis, descarregar em cima dos alunos as suas frustrações.
Somos a favor da avaliação dos alunos pelos alunos, dos alunos pelos professores, dos professores pelos alunos, mas não numa perspectiva punitiva ou que possa de alguma forma influenciar negativamente, pelo contrário estas avaliações devem ser feitas numa perspectiva de entre ajuda e auto conhecimento e aperfeiçoamento.
Permitam-me contar uma história que me contaram há muitos anos.
Havia um professor na Universidade de Coimbra, que nunca tinha alunos nas filas da frente e esta situação arrastou-se anos até que o professor insistiu com uma aluna que era muito inteligente e que o professor simpatizava, para que se sentasse nas cadeiras da frente, a rapariga recusou e ele perguntou porque é que nas aulas dele ninguém se sentava na frente. A aluna respondeu-lhe, porque o senhor cheira horrivelmente mal.
O professor caiu em si e fez a meã culpa dizendo aos alunos que já não tomava banho à uma data de anos. No dia seguinte apareceu todo lavadinho e os alunos sentaram-se nas filas da frente.
Nos Estados Unidos em alguns estados está a aplicar-se uma medida nova em que as vitimas ficam frente a frente com os agressores e esta medida está a dar excelentes resultados, isto é algo semelhante ao que os Sul-africanos fizeram na reconciliação nacional, onde os criminosos do racismo e as famílias das vitimas ficaram frente a frente, falaram sobre os acontecimentos, choraram, expurgaram na maior parte das vezes o ódio.
Se fosse introduzida desde a mais tenra idade a obrigatoriedade de falar e enfrentar os problemas, começando exactamente nas escola onde os diferentes agentes através deste sistema se podem aperceber do que está mal e dessa forma melhorar, estimulando o lado positivo e o voluntariado de cada um!

22.3.07

A nova Austrália

Isto faz notícia na América, que não sabe onde fica Portugal, e parece que quer constituir testemunho daquilo que as pessoas com dois dedos de testa já sabiam há muito: que os Portugueses conheciam a Austrália (Vem no "Público").
Conheciam a Austrália, mas não lhes interessava: era uma Parvónia, cheia de barreiras de coral e ondas, num tempo em que ainda não havia turismo nem surf, e estava cheia de umas gentes horríveis, pequeninas e com ar de rejeitados de Cristo, tipo o Marques Mendes, mas cor de tição.
O Português, na altura, queria era a Pimenta, snifar Pimenta dava muito cacau e muita nóia. Todos os capitõezes dos navios snifavam pimenta, e até snifavam as tripulações dos barcos, meses e meses, fechados uns com os outros, a comerem-se entre eles -- quando chegavam a terra, vinha o célebre desmentido de que "não eram gays", que chegou até aos nossos dias, por via oral, e, no caso do Cláudio Ramos, por via anal. Uma das maiores descobertas do tempo dos Descobrimentos foi a criação do "heterossexual passivo", o navegador solitário, e enrabador colectivo, que se mantém, como o Galo de Barcelos, e o título de "Doutor", intacto, até aos nossos dias.
Um dia, um Etno-Antropólogo de renome mundial estudará isso com a grandeza e minúcia que realmente merece.
A verdade é que não queríamos a Austrália para nada, porque queríamos era os arredores, snifar pimenta, como hoje se snifa coca, nas festas do Albarran, ou antes de ir para uma televisão, fazer comentários políticos. Era a "Moda Lisboa", mas no Extremo-Oriente.
Desconhecer a Austrália era como frequentar o Intendente, tentando fingir que não se tinha passado, antes, pela Almirante Reis.
Adiante.
Isto tudo decorre nos States, que desconhecem onde fica Portugal, que, por acaso, foi Impotência Administrante de Timor, que, por acaso, sonha agora com tornar-se num estado australiano. Quer dizer, não sei se sonha, mas a Austrália quer, e integrar-se na Austrália, ficou hoje provado, cientificamente, é um pouco como voltar a Portugal, é um acto do coração, e não do petróleo, como alguns sofistas nos queriam fazer crer.
Fez-se justiça.

21.3.07

BRASIL NA MIRA DE CHÁVEZ

Este artigo de Stephen Kanitz, recebido por e-mail, é de grande actualidade e traz uma perspectiva estratégica da evolução do poder económico da Venezuela, com vistas largas a ter em consideração por toda a América Latina e pelos EUA. Um trabalho a ter em consideração por todos os estudiosos e, principalmente pelos governantes brasileiros.
A viagem do Bush ao Brasil

A vinda do Bush não tem nada a ver com o Brasil, muito menos com o etanol. Os Estados Unidos não querem estreitar os laços comerciais com o Brasil. Tentaram a ALCA, mas nós recusamos.
O Brasil representa um acréscimo de somente 4% de potencial de venda para uma empresa americana. O mercado americano teria representado um acréscimo de 2000% para uma empresa brasileira.
Quem tinha maior interesse na ALCA, as empresas brasileiras ou as americanas? Como não temos administradores no governo para fazerem estas contas, quem se opôs à ALCA fomos nós.
Para ler mais clique aqui

Dia da árvore - Carmona e Filipão

Dia da árvore
Plante árvores e anule os gases que o seu carro liberta.
E estes dois melros quanto ganharam nesta foto? Quantas árvores plantaram?

Segunda criança nasce numa ambulância

Uma criança nasceu, esta quarta-feira, numa ambulância na auto-estrada A14, quanto se dirigia para uma maternidade em Coimbra. Este é o segundo caso similar em 15 dias, após o encerramento do bloco de partos do hospital da Figueira da Foz. O edil local espera que isto leve o Governo a repensar o encerramento.
Uma criança nasceu esta quarta-feira numa ambulância dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz (BVFF), ao quilómetro 22 da auto-estrada A14, no concelho de Montemor-o-Velho, quando seguia de Buarcos para uma maternidade de Coimbra.
O parto foi assistido por uma equipa médica de uma viatura do INEM, que seguia junto com a ambulância.
Este é já o segundo nascimento em semelhantes circunstâncias em 15 dias, após a 8 de Março uma menina ter nascido de parto normal naquela auto-estrada, também a bordo de uma ambulância dos BVFF.
Em declarações à TSF, o presidente da Câmara da Figueira da Foz disse esperar que estes dois casos levem o Governo a reconsiderar o encerramento, no início de Novembro, do bloco de partos do Hospital Distrital da Figueira da Foz.
«Interrogo-me se é mais seguro ter crianças em ambulâncias do que em maternidades» e se «o ministério da Saúde pretende que as crianças nasçam nas estradas», ironizou Duarte Silva.
«Felizmente tudo correu bem nos dois casos», disse, acrescentando esperar que o Governo «reflecta» agora sobre as suas decisões.
O fecho do bloco de partos do hospital da Figueira da Foz, que levantou várias criticas entre a autarquia e os cidadãos, exige agora que as utentes se desloquem para as maternidades Daniel de Matos e Bissaya Barreto, em Coimbra, e para o Hospital de Santo André, em Leiria.
COMENTÁRIO: Regionalização Já!!!

Históricos do PS questionam Ota

In JN
As dúvidas sobre a localização do futuro aeroporto de Lisboa na Ota alargam-se já a algumas das mais influentes personalidades do Partido Socialista.
Na segunda-feira à noite, foi a vez de António Vitorino se juntar ao coro dos que manifestam reservas e aconselham ao Governo maior prudência na decisão "A necessidade do novo aeroporto é uma coisa. Questão diferente é escolher a Ota como local. [Depois do relatório da NAV] o Governo terá que vir esclarecer", defendeu o coordenador das "Novas Fronteiras" socialistas na RTP. Ainda mais claro, Vitorino rematou: "Se me perguntar se me atiro à Ota de peito aberto, vou devagar e quero ver a resposta."
No mesmo dia, o deputado Vítor Ramalho dizia quase o mesmo "Assisti a dois ou três debates na televisão, o que é insuficiente. Devia explicar-se aos militantes porquê a Ota" e não outros locais na margem sul.
Se Ramalho pode ser suspeito (foi eleito por Setúbal), á Jorge Coelho, ex-ministro das Obras Públicas, ex-número dois de Sócrates, questionou no sábado, no "Correio da Manhã". "O país devia parar um pouco e, com seriedade, questionar isto é importante ou não é?". Coelho, que ainda assim considera a Ota "o menos mau" dos locais, dizia isto na véspera de se conhecer o estudo da NAV que coloca várias reservas à construção do aeroporto precisamente na Ota.
Há, ainda, outros socialistas, mesmo no núcleo duro de José Sócrates, que, apurou o JN, são frontalmente contra a localização do aeroporto na Ota e já o comunicaram ao primeiro-ministro. Em oposição firme mantém-se João Soares, que continua a dizer que a Ota é "um disparate". Em 2001, o então autarca de Lisboa acrescentava à expressão um cáustico "colossal". Já Elisa Ferreira, ex-ministra e hoje eurodeputada, dizia no semanário "Sol" ter "muitas dúvidas" sobre a Ota, por não ter sido demonstrada "a rentabilidade" da obra. "É importante o cidadão saber quanto é que vai ter de pagar", concluía.
Decisão tomada
Enquanto as dúvidas persistem dentro do próprio PS, no Governo a decisão diz-se irreversível. "Já se ponderou, a decisão já está tomada", alega fonte de São Bento. "Podem pedir mais esclarecimentos, mas isso não vai levar a uma mudança". A frase é final e corrobora as palavras de Mário Lino, no dia em que o estudo da NAV foi conhecido. No Governo, explica-se que foram pedidos estudos "até" a técnicos estrangeiros, e que mesmo os dois últimos governos do PSD se manifestaram favoráveis à opção pela Ota.
Nada que tenha convencido o ex-ministro das Finanças, Luís Campos e Cunha, que no início de Fevereiro (ano e meio após a sua demissão) disse que o futuro aeroporto teria um "curto prazo de vida", para além de ser "difícil de aterrar", ou seja, evocando as más condições de segurança para lhe atribuir nota negativa.
As declarações serviram, de mote a Marques Mendes para a frente de oposição que lançou ao projecto. O líder do PSD voltará, hoje, ao tema, no debate mensal com José Sócrates, no Parlamento. Os sociais-democratas querem saber por que é que o estudo da NAV não era público (ao contrário de estudos favoráveis) e insistirá na necessidade de um "amplo consenso técnico" de que falou o presidente da República.
É segredo guardado (quase) às sete chaves, mas o líder da Confederação da Indústria Portuguesa decidiu pedir um novo estudo, paralelo aos do Governo, sobre o aeroporto da Ota. A informação foi tornada pública por... Marcelo Rebelo de Sousa, no último domingo.
No seu espaço habitual de comentário da RTP, o ex-presidente do PSD disse o que sabia "Um grupo de empresários, a que está ligado o presidente da CIP, encomendou um novo estudo e terá falado dele já ao presidente da República e ao primeiro-ministro.
Ao JN, Francisco Van Zeller (presidente da CIP) é caústico na resposta "Sobre isso não posso falar". Mas desmente a informação?, perguntou o JN. "Sobre isso não digo absolutamente nada", diz Van Zeller.
Enquanto os estudos avançam e o Governo espera a análise custo-benefício, o próprio presidente da República já deixou marcada uma posição. Para além de aguardar os resultados dessa mesma análise, disse que a decisão sobre a localização caberá "aos técnicos". Não por acaso, o PSD anunciou um dia depois que vai convocar um seminário técnico para fazer a discussão.
A capacidade máxima
É um dos pontos mais controversos do projecto. O Governo assegura, com base nos estudos oficiais, que a Ota ficará preparada para receber 50 milhões de passageiros por ano, sendo previsível que em 2050 (33 anos depois da inauguração) a afluência seja menor 42 milhões. Uma previsão a mais longo prazo é, disse Mário Lino, "adivinhar". Mas o último estudo da NAV, dado a conhecer pelo semanário "Sol" este fim-de-semana, garante que não. E aponta que a sua capacidade se esgota em 13 anos.
Limitações de voos
Dificuldades geográficas, mas também a existência de uma base da Força Aérea na proximidade, podem tornar limitada a capacidade de aterragens/descolagens de mais de um avião em simultâneo. Assim o diz o mesmo relatório da NAV e outros especialistas. O Governo já anunciou a constituição de uma comissão (também com o Ministério da Defesa) para resolver o problema.
Construção difícil
As questões de engenharia têm sido levantadas por vários técnicos que se manifestam contra a localização. O último foi José Leite Pinto, que debateu o assunto com o ministro na Sic-Notícias. Mário Lino contestou as dificuldades.
Queixas do turismo
A Associação de Turismo de Lisboa até já pediu um estudo a uma consultora sobre o assunto, para a conclusão esperada que o turismo da capital será prejudicado em 16%. A Câmara de Lisboa, desde o tempo de João Soares, afirma o mesmo. Mas nos sucessivos governos, a tese não tem tido qualquer eco.
Portela esgotada
Tem sido a principal fundamentação para uma decisão rápida. Mário Lino, suportado nos estudos realizados, garante que a Portela terá capacidade esgotada em cinco anos. O sindicatos dos pilotos corrobora. E já ninguém contesta.
COMENTÁRIO: Não vale a pena continuar a dizer "mal" da Ota. Irá para a frente doa a quem doer (Portugueses). Só fiquei admirado com o João Soares! Os terrenos não são do papá???
Related Posts with Thumbnails